Brexit e turismo de massa dominam a pauta da WTM London que termina nesta quarta-feira (8)

“Não podemos continuar a construir hotéis de cinco estrelas em comunidades de três estrelas”, disse Taleb Rifai, secretário-geral da OMT

EDIÇAO DO DIÁRIO com agências

Os dois primeiros dias da World Travel Market London foram muito movimentados, tanto de pessoas, como de propostas que podem decidir o futuro do turismo no mundo. A Cúpula dos Ministros da UNWTO (cerca de 60) e da WTM debateram estratégias para lidar com o turismo de massa, o que ameaça a razão de ser do turismo em destinos como Barcelona, ​​Veneza e Amsterdã. Taleb Rifai, secretário-geral da OMT, disse que houve muitos protestos contra o turismo de massa em 2017, por meio de slogans como “os turistas vão para casa” e “os turistas são terroristas”. “Isto é um alerta; temos que tomar decisões agora”, advertiu Taleb.

“Não podemos continuar a construir hotéis de cinco estrelas em comunidades de três estrelas. “Trabalhos e caridade não são suficientes – precisamos diversificar as atividades dos visitantes, reduzir a sazonalidade e aumentar a conscientização sobre destinos menos ocupados”, completou Taleb durante a reunião da Cúpula.

Ministros debatem assuntos relevantes para o futuro do turismo na World Travel Market London
Ministros debatem assuntos relevantes para o futuro do turismo na World Travel Market London (Foto: divulgação)

Brexit

Outro assunto bastante discutido no World Travel Market London foi o impacto de um Brexit “sem acordo” no trade de viagens e turismo.

Membro do Parlamento Europeu e negociador do Brexit nessa instituição, Guy Verhofstadt disse aos dirigentes da indústria que um resultado “sem acordo” é o pior cenário possível para viagens e outros segmentos.

Apelidado de “estorvador do Brexit” por alguns veículos da mídia britânica, o ex-primeiro-ministro belga apresentou sua visão do que seriam os “Estados Unidos da Europa” – na linha dos Estados Unidos da América – no Almoço dos Líderes realizado no primeiro dia da WTM London.

Ele disse aos participantes que está analisando a ideia de os cidadãos do Reino Unido poderem pedir cidadania à União Europeia após o Brexit e concorda com a primeira-ministra britânica Theresa May que deve haver um período de transição para que não ocorram distúrbios na economia.

•Um Brexit “sem acordo” também seria o pior cenário possível para o orçamento de viagens dos consumidores do Reino Unido.

Caroline Bremner, Diretora de Viagens da Euromonitor International, previu que o crescimento do PIB em 2019 será de apenas 0,5% se não houver acordo sobre o Brexit. No entanto, caso se chegue a um acerto referente à transição, as taxas de crescimento ficarão entre 1,5% e 2%.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Governo prorroga prazo para recolhimento de INSS, PIS e COFINS

Por Marcelo Vianna* O Ministério da Economia acaba de publicar a Portaria 139, de 03.04.2020, prorrogando o prazo de recolhimento dos seguintes tributos federais:INSS das competências de março...

CEO e Fundador do Grupo OYO renuncia a salário anual seguido por equipe de liderança

O COVID-19 impactou significativamente o setor de hospitalidade global, com as ocupações de diversas redes de hotéis sendo afetadas drasticamente. Nesse período difícil e...

Abav-SP e Aviesp realizam LIVE para esclarecer dúvidas dos agentes de viagens

A Abav-SP e Aviesp realizarão uma transmissão ao vivo pela página do Instagram (https://www.instagram.com/abavsp.aviesp/), no dia 7 de abril (terça-feira), às 14h30. A LIVE...

Máscaras caseiras podem ajudar a evitar transmissão da doença (ouça áudio)

Com a disseminação do coronavírus (Covid-19) por todos os estados do país e a falta de máscaras para reduzir a transmissão da doença, muitas...

Festival Coolritiba 2020 será reagendado por conta do COVID-19

A 4ª edição do festival mais cool do Brasil será reagendada! O Coolritiba 2020, previsto para acontecer em Maio, diante do avanço da COVID-19...

Curiosidade: quando surgiram os mapas?

Os mapas mais antigos que se têm registro hoje são os mapas babilônicos, confeccionados em argila por volta de 2.300 A.C. REDAÇÃO DO DTMuito...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias