Empreendedor tecnológico apresenta em live saída para retomada do turismo nacional

Vender diretamente com infraestrutura colaborativa, dotar cada cidade brasileira como uma produtora de turismo, aumentar o lucro das empresas de 5% a 15%, propor um marketplace cooperativado para pequenos, médios e grandes empreendedores do turismo.

REDAÇÃO DO DIÁRIO (Paulo Atzingen*)

Essas e outras ideias foram apresentadas nesta terça-feira (12) pelo criador da plataforma Gestour Brasil, Vadis da Silva em mais uma live onde ele, Eduardo Mielke (Arábia Saudita) e Rui Carvalho (Portugal) discutem uma proposta de integração e retomada do turismo nacional pós-pandemia.

O projeto de Vadis da Silva não é novo, mas foi melhorado e atualizado. Segundo ele, a ideia é integrar empresas e municípios em uma plataforma tecnológica que coloquem produtos e serviços turísticos num único espaço. “Esta plataforma permite a empresas do turismo, num único lugar, gerir, promover, distribuir e comercializar seus produtos e serviços de forma autônoma, em tempo real e a custo zero”, disse ao DT, após a live.

Primeiro e-marketplace cooperativado

Segundo Vadis, sua plataforma foi melhorada de uns anos para cá. “Senti que o mercado estava refratário, ou seja, o “time” não tinha chegado. A plataforma foi incrementada e aprimorada ao longo do tempo. Agora chegou o momento. Lanço o primeiro e-marketplace cooperativado do mundo, na qual os cooperativados (agentes de viagem, operadores, guias de turismo, hoteleiros entre outros) participam na distribuição do lucro”, diz o empreendedor.

Vadis frisou em sua apresentação que sua proposta é transversal, que está além do aspecto comercial ou acadêmico.

Ao apresentar sua nova plataforma, Vadis lembrou que ela agora contempla de forma mais explícita a participação dos cooperativados. “Há uma distribuição de lucros aos cooperativados de 35% em nível nacional para meios de hospedagem, guias de turismo, agências e operadoras; e de 10 e 5%, respectivamente, para os e-marketplaces das regiões turísticas e dos estados”, especificou.

Quadro apresentado por Vadis: participação dos cooperativados

Equação insana

Ao usar a comparação da corrida de automóveis com carros de Fórmula 1 tendo como adversários carrinhos de rolimã, Vadis reforça sua análise de que as OTAs (online travel agencies) são atravessadoras e ficam com uma gorda fatia do lucro das empresas de turismo.  “OTas vendem 21% da oferta nacional da hotelaria”, provoca e critica a matriz de comercialização e distribuição do turismo brasileiro. “Ela lucra sozinha. Esse é o desastre do turismo receptivo. Essa equação insana resulta que 1/3 do faturamento das empresas vai para as OTAS e 2/3 vai para o google e facebook”, arrisca.

Em sua apresentação, Vadis explica que as OTAs fizeram seu reinado porque o mercado precisava de tecnologia. “No entanto, as coisas mudaram. Agora, quem detém o consumidor são os que possuem dados e não mais a tecnologia”, aponta dando como exemplo as redes hoteleiras que agora querem fugir das agências online.

Com essa ideia de criar uma nova matriz de comercialização e distribuição, com todos os produtos do turismo brasileiro, com os todos fornecedores, de todos os destinos, disponíveis a qualquer hora, de qualquer lugar, para todos, Vadis apresentou, ainda, um cronograma com as ações e um portfólio da retomada:

“O Receptivo brasileiro possui 48.492 produtos e serviços, sendo que existem 18 produtos e serviços para cada um dos 2.694 municípios turísticos brasileiros”, quantificou.

“Em seis etapas ativaremos o e-marketplace dos destinos, por municípios, por regiões e por estado”.

Ele destacou que esta é uma solução focada para auxiliar pequenos e médios empreendimentos. “Este contingente é formado hoje por 92% das empresas de turismo brasileiro. Propomos ajudar os mais 3.4 mil municípios que não possuem agências de viagem e mais de 3.6 mil cidades que não possuem meios de hospedagem com registro no Mtur”, enumerou.

E ao final fez um prognóstico: “Será o primeiro e-marketplace no modelo cooperativado do mundo, especialmente para responder ao novo momento do turismo pós-Covid-19″.

Quadro apresentado por Vadis: retomada

www.gestour.com.br/brasil/destinos

 

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Complexo de Visitantes da NASA retoma aos poucos suas atrações

NASA Kennedy Space Center Visitor Complex , em Orlando, na Flórida, começou sua expansão de atrações para os visitantes a partir da última segunda-feira...

Os 5 Ps do Marketing no processo de reposicionamento do negócio

*Por Lúcio Oliveira “Toda companhia quer uma, mas poucas a têm: uma estratégia convincente”. Parafraseando Chan Kim, um dos autores da obra “A estratégia do...

Ministério do Turismo abre credenciamento de novos bancos para o Fungetur

Edital pode ser consultado na página do Fundo. Atualmente, 17 instituições financeiras ofertam crédito para o setor turístico EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências A partir desta...

Empresária fala das habilidades necessárias para a pós pandemia

Da Redação - Que tudo está e será diferente após essa pandemia passar não restam mais dúvidas. Habilidade para se relacionar com o novo...

Bofete, um nome que se levanta no cenário do ecoturismo brasileiro

15 ANOS DIÁRIOS - Publicado em 23 de outubro de 2017 O Brasil não conhece o Brasil, diz a música. O brasileiro menos ainda Por...

7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação. Reuniões virtuais, lives, webinars e...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias