Um turismo para conhecer as raízes de Gramado e navegar na história

Os roteiros de agroturismo mostram caminhos surpreendentes para os visitantes que chegam à Serra Gaúcha

Gramado, cidade gaúcha procurada como destino turístico, foi construída em cima da sua estrutura de agricultura, o que tornou possível que a economia local fosse bastante sustentável, atraindo investidores e também expandindo as plantações locais. Foi assim que a região se transformou em um poderoso foco de agroturismo regional. Parada obrigatória para quem quer conhecer história e bons sabores, a Praça das Etnias, no centro de Gramado, é o ponto de saída para os principais passeios de agroturismo ou turismo agrícola.

Passeios pelas raízes de Gramado

Os passeios têm seu ponto de partida na Praça das Etnias, que fica ao lado da rodoviária e reúne uma série de atrativos. Neste espaço foram reproduzidas três casas que representam os povos que colonizaram Gramado: casa italiana, alemã e portuguesa. No local também foi construída uma casa de pedra, onde você pode adquirir  informações e reservar os passeios de agroturismo. É na Praça das Etnias que os colonos agricultores vão se revezando para oferecer seus sabores. A cada dia moradores de uma localidade do interior deixam suas casas para vir até o centro da cidade para produzir e vender pães, cucas, biscoitos, doces e muitas outras delícias. A movimentação de turistas e visitantes é grande. Todos têm o mesmo motivo em comum: aproveitar para comprar um pão ou uma cuca, que saem quentinhos dos fornos de barro onde são feitos, e assim já entrarem no ritmo dos roteiros coloniais.

Tour Linha Ávila: uma volta às raízes (Crédito: divulgação)

Quer um churrasco no sítio?

Então é preciso fazer o Tour Linha Ávila, onde se pode conhecer a história de homens e mulheres – alemães, italianos, franceses e gaúchos – que escolheram um bom lugar para viver e, através de seus costumes, mesa farta, religiosidade e empreendedorismo, transformaram a pequena cidade serrana em referência turística e cultural. A primeira parada é na família Wagner, onde saborosos doces e geleias de morango, produzidos pelo casal Lírio e Terezinha, ganham destaque. Em época de frutas é oferecido o “colha e pague”, oportunizando ao visitante um momento único junto a natureza. E na cantina Nonno Giovanni, a história da imigração italiana é contada pelo casal Alcione e Marivani, onde o visitante conhece a produção de vinho artesanal, em estufa de fumo desativada, chama a atenção dos turistas. Para encerrar o roteiro, uma parada no sítio Tradição. O espaço natural e tradicionalista da cultura gaúcha em Gramado. No local, o visitante encontra um pouco de tudo que faz parte da cultura gaúcha, inclusive saborear um costelão na vala, durante o almoço.

Café da colônia (com vinho incluso): resgata a história e tradições das famílias (Crédito: divulgação)

Prefere um café colonial em família?

A estrada de chão, o ar puro, a natureza, no vale do Quilombo, Linha 28, interior de Gramado. Junto a morros de intensa vegetação, rios e cachoeiras, passando por campos de araucárias, parreiras de kiwi e uva a bordo de uma charmosa jardineira temática, o turista passa a conhecer as belezas naturais que Gramado esconde em seu interior. A visita deste tour no Vale é na família Marcon, onde o casal Marcon compartilha a história de seus antepassados no memorial da família, mostrando objetos que eram utilizados pelo seus pais para o plantio de milho e o manejo com os animais. O visitante é convidado a alimentar as ovelhas com as próprias mãos. Os visitantes seguem para o Alambique dos Rossas, onde a arte de produzir cachaça marca esta parte do passeio. Quem conduz é o proprietário e produtor Romeu Rossa, que conta a história de sua família. Para finalizar o passeio, uma parada na família Baretta, em uma casa centenária em estilo enxaimel, onde funcionava um salão de kerb, o visitante é recebido pelo seu proprietário Jovani Baretta, que serve um saboroso café da colônia (com vinho incluso) que resgata a história e tradições da família.

O Tour Raízes Coloniais

Seguindo pelas localidades de Linha Nova e Linha Bonita, o visitante pode conhecer a herança cultural dos imigrantes, passada de geração em geração até os dias atuais. A arquitetura típica, a hospitalidade e um delicioso café colonial fazem deste tour um passeio inesquecível. A visita começa pela Casa Centenária, construída em madeira sobre um porão de pedras (onde até hoje conservam-se vinhos, queijos e salames) conta um pouco da história de Gramado e de seus colonizadores, a Ervateira Marcon, onde é possível acompanhar de perto um processo artesanal de fabricação da erva-mate a matéria prima do chimarrão, o Museu Fioreze, onde o Sr. Nelson Fioreze orgulha-se de mostrar aos visitantes seu acervo de peças antigas que ele coleciona desde que tinha 12 anos, e o Caffé Della Nonna, onde a Família Foss recebe os visitantes em sua residência e oferece um saboroso café com pães caseiros saindo quentinhos do forno à lenha, deliciosas geleias de frutas, manteiga fresca, queijos, salames, linguiças cozidas e polenta.

Gramado oferece cultura, lazer e muita natureza (foto: divulgação)

Você conhece galinhas felizes?

Um dos pontos fortes de Gramado é a gastronomia. No Tour Sabores da Serra Grande pode-se conhecer a fábrica de Doces Masotti, a granja Ovos Dourados Galinhas Felizes e a SG Facas Artesanais. A primeira visita é na fábrica Doces Masotti, que há quase 75 anos produz doces cremosos, geleias de frutas e doces de corte. Em tempos de sustentabilidade, a pergunta “Você conhece galinhas que colocam ovos felizes?” Na localidade da Serra Grande, em Gramado, a propriedade rural Ovos Dourados Galinhas Felizes apostou nessa filosofia para tocar sua produção. O ponto alto da visitação é participar da alimentação das galinhas, que é totalmente orgânica, e colaborar na “ovoscopia”, uma tradicional classificação de ovos. Também está incluído no passeio a degustação de receitas, que fazem parte dos costumes alemães da região. E o roteiro encerra ao redor da mesa, ou do fogo! A grife SG Facas Artesanais é o resultado da evolução da tradição dos ferreiros que vieram da Itália para o Brasil. Além de conhecer como os ferreiros trabalhavam na forja artesanal. Faz parte da visita uma autêntica parrilla para os visitantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial