Aviação: a guerra dos pássaros

Fábio Steinberg*

O primeiro embate ocorreu em 1905, quando Orwille Wright, um dos irmãos que  disputam com Santos Dumont a invenção do avião, reportou ter enfrentado um bando de aves e acertado uma delas. Menos sorte teve Calbraith Rodgers, que sete anos depois, morreu depois da aeronave que pilotava colidir com uma gaivota durante um voo sobre a Califórnia.

 Desde então, a luta entre natureza e tecnologia continua. A colisão entre pássaros e aviões em todo o mundo, contabilizada a partir de 1988, já atinge 200 mortes humanas. O problema também acarreta imensos prejuízos às companhias aéreas, algo entre 1.2 bilhões de dólares, entre reparos dos estragos e perdas de renda pelo tempo em solo.      

Com a expansão da indústria aeronáutica, estas colisões se ampliaram. Só nos Estados Unidos a aviação registra 18 mil choques do gênero por ano. Mas foi preciso ocorrer um encontro de grandes proporções entre um Airbus 320 e aves migratórias, levando a um pouso forçado com 155 passageiros no gélido rio Hudson, em New Jersey, para o problema ganhar visibilidade mundial. 

Foi no dia 15 de janeiro de 2009, quando o voo 1549 da US Airways perdeu potência nos motores depois de bater de frente com um bando de gansos-canadenses. Felizmente, a perícia do comandante evitou uma tragédia maior além do banho indesejável no rio semi-congelado durante o rigoroso inverno.

Como é possível tamanhos estragos, alguns até fatais, provocados pelo encontro inesperado de inofensivos passarinhos com gigantescas aeronaves? A resposta vem através da Física. Em função da velocidade, o impacto de um avião que voa a 650 quilômetros por hora com um pássaro de uns 2 quilos equivale a bater de frente com 45 toneladas. Dito de outra forma, a energia de uma ave de 5 quilos movendo-se a uma velocidade de 275 km por hora equivale a um peso de 100 quilos jogados de uma altura de 15 metros.

No Brasil a situação não é diferente. Em 2014 o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) registrou 1.495 colisões com aves, além de 559 situações em que isto quase ocorreu. Em 90% dos casos, eram voos comerciais diurnos, geralmente em operações de pouso, decolagens e aproximação. 

As aeronaves foram atingidas pelas aves, por ordem decrescente, em sua fuselagem, motor, radome (cone no nariz do avião que protege a antena do radar), asa e rotor, para-brisa e trem de pouso. Os incidentes ocorreram em todas as regiões, liderados pelos aeroportos de Porto Alegre e São Paulo (Guarulhos e Congonhas).

Um dado curioso: o principal vilão dos conflitos com aeronaves é o inocente quero-quero. Ele responde por 34% dos casos – quase seis vezes menos que os encontros indesejados com urubus, que injustamente levam a má fama.

Todas as companhias aéreas sofrem com o problema. Embora não divulguem os números, sabe-se oficiosamente que uma delas reportou em quatro anos 1.257 encontros com aves, com perdas de 30 milhões de dólares.  “Felizmente, os impactos com pássaros no país tiveram como maior consequência o retorno da aeronave ao aeroporto e o cancelamento do voo”. revela o diretor de segurança e operação de voos da ABEAR, ABEAR Ronaldo Jenkins. “Nestes casos, os prejuízos foram a recuperação das aeronaves, realocação e assistência aos passageiros, e danos à imagem da empresa”, ele completa.

Já se tentou de tudo para contornar o problema. A começar pela melhor gestão de gramados e vegetação nos aeroportos e entornos, além do manejo de cursos d’água, drenagens, construções e cercas. Também costumam se adotar repelentes sonoros, químicos e visuais, aves predadoras e cachorros ao vivo ou sob a forma de espantalhos, entre outros.

 No caso brasileiro, há um agravante: os aterros sanitários (“lixões”) a céu aberto nas proximidades dos aeroportos, que atraem pássaros. Quando surgiram, ficavam longe dos centros urbanos. Agora tornaram-se um problema. Apesar da existência de legislação, a falta de planejamento e fiscalização somados a interesses políticos sitiaram a maioria dos terminais. “O aeroporto relata para as prefeituras e pede uma solução, porém, na maioria das vezes, nada é feito”, conclui Jenkins.

* Fábio Steinberg é jornalista

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Pernambuco amplia horário de funcionamento de restaurantes e bares a partir da segunda-feira (10)

Os turistas que estão começando a planejar viagens para Pernambuco contam com uma boa notícia. A Secretaria de Turismo do Estado informa que devido...

Restaurante Syria resgata a essência da comida árabe em São Paulo

Por Mary Ellen Aquino (Com Edição do DT)* No mesma terça-feira (4) deste mês de Agosto em que uma grande explosão destruiu uma parte de...

SPCVB realiza capacitações online sobre destinos paulistas durante pandemia

Ações de promoção foram realizadas em forma de digital desde o início da pandemia Mesmo diante da presente pandemia que assola empresas e mercados, o...

Beach Park, no Ceará,  reabre para hóspedes em soft opening

Após 140 dias fechado, o Beach Park reabriu o parque aquático na última quinta-feira (6) somente para hóspedes e em soft opening. Em nota,...

Show dos 80 anos de Roberto Carlos será mesmo no Iberostar da Bahia

Após idas e vindas de uma possível mudança de data do show Emoções de Roberto Carlos, o diretor do Iberostar Brasil, Orlando Giglio, confirmou...

Parque Nacional de Jericoacoara reabre neste sábado após autorização do ICMBio

Mais um destino turístico brasileiro retoma suas atividades nesta semana. O Parque Nacional de Jericoacoara (CE) reabre para visitação pública a partir deste sábado...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat