Eric Peyre, diretor Accor Cuba: ‘iniciamos uma nova era de hotéis Accor no país’

Um Sofitel e um ibis em Havana em 2017 e um Pullman em Cayo Coco este ano

Na recente visita do DIÁRIO à Havana, em Cuba, o jornalista Paulo Atzingen conversou com o diretor do hotel Mercure Sevilla, o francês Eric Peyre, que também é o diretor geral da rede Accor na ilha caribenha. Formado na década de 1980 na Escola de Hotelaria de Paris, Peyre antes de chegar à Havana trabalhou em hotéis em diversos países como Síria, Emirados Árabes, Abu Dhabi, África do Sul e Venezuela.

Radicado em Cuba desde 1993, mesmo ano em que Fidel Castro liberou a economia da ilha para o turismo, Eric inicialmente tinha um contrato de três anos com a rede Accor, acabou ficando.

“Assim que eu e minha esposa chegamos aqui nos apaixonamos pelo país, pelas pessoas e sua simpatia”, revela em entrevista. “Na época Cuba recebia em torno de 300 mil turistas por ano, hoje recebe três milhões”. Acompanhe entrevista concedida ao DT:

DIÁRIO – Faça uma retrospectiva da Accor em Cuba…

ERIC PEYRE – Desde 1995 (ou seja 18 anos), a Accor decidiu vir a Cuba para administrar hotéis. Naquela época nosso grupo se uniu à companhia de hotéis portuguesa chamada Amorim. A Accor entrou com seu know how hoteleiro e a Amorim investiu.

Começamos com três hotéis, e chegamos a administrar aqui em Cuba sete empreendimentos, não apenas em Havana, mas também em Santiago de Cuba, Cienfuegos e Varadero. Por várias razões, reduzimos os sete hotéis a três.

Nesta nova fase a Accor traz para Cuba um novo hotel da marca Pulman em Cayo Coco, que será inaugurado este ano de 2015. Trata-se de um hotel com 560 quartos e suítes, com SPA, vila  privada, etc. Será um hotel muito bonito. Essa nova era da Accor em Cuba é em prol do desenvolvimento dos hotéis que vamos administrar e obedecerá o padrão mundial da rede.

Em 2017 abriremos um novo hotel, o Sofitel em Havana. Esperamos muito tempo para essa realização, com muita paciência e perseverança. Será o número um de Malecon e Prado, na melhor zona de Havana.

Entrevista com o diretor no hotel, em Havana
A paradisíaca Cayo Coco é o novo endereço Pullman em Cuba. Previsão de abertura para o primeiro semestre de 2015

DIÁRIO – Com inicio do diálogo do fim do embargo, o que pode mudar nas negociações da Accor com Cuba?

ERIC PEYRE – Este não é o fim do embargo, é o início de uma relação diplomática entre os dois países. A primeiro ação será estabelecer uma embaixada em cada país e uma vez que os dois países tenham embaixadas, será iniciado um trabalho social, econômico, político e comercial. Será decidido o que Cuba venderá aos Estados Unidos e vice-versa, de maneira que se aplique a política de Cuba e o modelo social, que é muito conhecido, será muito melhorado. Haverá intercâmbio comercial com os Estados Unidos, como já havia com a Europa e América Latina, principalmente o Brasil e Venezuela, será uma nova reorganização, mas será um enlace comercial com os Estados Unidos e outros países que não negociavam com Cuba. Mas isso não acontecerá rapidamente, levará um tempo até que seja estabelecida a relação entre os países. Serão criadas novas leis no congresso para definir as empresas que poderão operar nos dois países e, também, para definir a circulação dos cidadãos em ambos.

Isso não interfere no trabalho da Accor em Cuba. Nós estamos aqui desde 1995 e acreditamos em Cuba como destino turístico enorme. Então, nosso trabalho não tem nada a ver com uma decisão estratégica econômica comercial. As empresas estrangeiras que operam em Cuba acreditam no seu potencial, os contratos são bem articulados, controlados e todos se respeitam.

DIÁRIO – Como funciona os contratos das empresas com o governo?

ERIC PEYRE – A Accor administra três hotéis, e temos contrato de administração como em qualquer outro lugar do mundo. Temos um honorário que nos pagam em função da comercialização que trazemos, a capacitação que oferecemos. Aqui em Cuba é como em todos os outros países, aqui não tem diferença. No entanto, os edifícios são do governo, só administramos.

DIÁRIO – A presença de bandeiras econômicas da rede Accor tem crescido na América Latina. Quando chega um ibis em Cuba?

ERIC PEYRE – Este é um projeto que temos há vários anos e, especialmente em 2014, já se concretizou e foi feito um acordo entre o Ministério do Turismo e a Accor em desenvolver a marca ibis em Cuba.. Estamos com o primeiro projeto em Havana, que será um hotel existente que iremos renovar para levar a marca ibis Styles. Ele será o primeiro ibis de Cuba e funcionará como carro chefe para a construção de mais unidades já que é uma marca muito boa e permite a qualquer pessoa, rica ou menos rica ficar hospedada.

 

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Bolivianos voltarão para casa depois de meses retidos na Alemanha

Os membros de uma orquestra boliviana que inclui flautas tradicionais esperam voltar para casa na próxima semana depois de ficarem retidos em um castelo...

Senado aprova projeto que oferece crédito para profissionais liberais

Em sessão remota nesta quinta-feira (28), o Plenário do Senado aprovou o projeto que abre linha de crédito especial para profissionais liberais durante a...

Alfredo Lopes, presidente do Hotéis Rio: as OTA’s não querem negociar!

Nas negociações para a retomada, o Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município do Rio de Janeiro (SindHotéis RJ) vem convidando para a mesa...

Receita Federal define tributação de trusts

A passos tímidos, a Receita Federal do Brasil começa a se posicionar sobre a tributação de trusts. Apesar de não proporcionar o nível de segurança...

Rano Raraku: a fábrica de moais da Ilha de Páscoa

15 ANOS DIARIOS - Publicado dia 13 de agosto de 2017Por Paulo Atzingen (de Angaroa, Ilha de Páscoa)Entender a forma como as estátuas da...

Tribunal de Justiça de São Paulo suspende cobrança de dívida de agência de viagens

Diante de um cenário de prejuízo na casa dos bilhões, uma companhia aérea não pode se permitir a ressarcir bilhetes e viagens em prazo elástico...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias