René Hermann: 23 anos de Costa Cruzeiros (RETRO 2017)

REDAÇÃO DO DIÁRIO (Publicado dia 13 de setembro)

No dia em que a armadora italiana, Costa Cruzeiros, apresentava ao mercado brasileiro sua programação 2017/2018 em águas sul-americanas, René Hermann, seu diretor-presidente lembrava, de forma até discreta, seus 23 anos de Costa Cruzeiros.  O DIÁRIO pediu a Hermann que contasse um pedaço de sua trajetória profissional:

“Saí de uma companhia aérea que era a Bristish Airways, e vim para a Costa Cruzeiros em 12 de setembro de 1994. Para mim era um produto totalmente diferente, aprendi bastante nesse segmento, mas eu vi que, há 23 anos,  havia muita coisa para se fazer, ao contrário da aviação”, afirmou Renê ao DT.

Ele aceitou o desafio. Na época, os navios  eram pequenos e  em toda a temporada no Brasil e na América do Sul se transportava uma média de 30 mil passageiros.

“Aceitei o desafio e na época a Costa tinha o Costa Marina e o Eugênio C; transportávamos cerca de 30 mil passageiros por temporada, já que os navios eram pequenos e os roteiros eram grandes – de 11 dias, outros de 21 dias – e isso resultava em  menos passageiros”, recorda.

Chaminé amarela: características inconfundíveis da Costa Cruzeiros
Chaminé amarela: características inconfundíveis da Costa Cruzeiros

Sete navios

A indústria naval se modernizou, os navios cresceram em tamanho e em número no mundo e no Brasil. Na temporada 2010-2011, segundo a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos – Clia Abremar – 20 transatlânticos navegaram na costa brasileira, transportando 792.752 cruzeiristas.

“Chegamos a ter sete navios – o grupo Costa e o grupo Ibero juntos – em uma só temporada e a indústria chegou a fazer perto de 800 mil passageiros em 2010/2011. Me orgulho de ter participado de um segmento até então pequeno e ter ajudado a levar esse segmento a quase um milhão de passageiros”, completa o diretor-presidente.

Passados quase 70 anos de presença da Costa Cruzeiros nos mares do mundo (a Costa nasceu na Itália em 1948 no transporte de passageiros) as chaminés amarelas dos navios são a marca da empresa,características, inconfundíveis. Aqui, em terra firme nacional, as chaminés amarelas, chamam-se: Renê Hermann.

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Pousada Casa de Maria, em Prado-BA, reabre seguindo protocolos de saúde e segurança

Estabelecimento recebe Selo Turismo Responsável do Ministério do Turismo  No último dia 1º de julho (quarta-feira) a Pousada Casa de Maria (www.pousadacasademaria.com.br), localizada em Prado...

SWISS faz primeiro voo após a retomada da rota São Paulo-Zurique 

Com os três voos por semana da SWISS, somados aos cinco de Lufthansa, o Lufthansa Group passa a conectar o Brasil com a Europa...

Carambeí: memória, fé e trabalho marcam viagem aos Campos Geraiss

15 ANOS DIÁRIOS - 10 de setembro de 2017 São casas, ferramentas, tratores, comidas, vestimentas, modo de se vestir e falar e uma infinidade de...

Denilson Althmann, do Park Inn By Radisson Santos: “hospitalidade continuará, sem ou com máscara”

Precursor das perguntas diretas aos seus interlocutores em busca de respostas objetivas e  francas, o DIÁRIO retoma seu quadro "TRÊS, QUATRO OU CINCO PERGUNTAS...

Los Cabos leva operadores e jornalistas a experiência sensorial inédita 

15 ANOS DIÁRIOS - 26 de setembro de 2017 por Paulo Atzingen* O que aparentava ser uma óbvia apresentação de um destino com  números de desembarques...

Rio Othon Palace otimiza quartos para oferecer serviço de Room-Office

O Rio Othon Palace otimizou parte dos seus quartos para oferecer o serviço de Room-Office a sua clientela corporativa. EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências A iniciativa...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias