Uma vitória de May no Brexit

O acordo anunciado hoje permite manter o cronograma e tentar evitar a versão “hard” da saída da UE. Mas as dificuldades apenas começaram para Theresa May e o Reino Unido

Por Hugo Gurovitz –

Num acordo de 15 páginas e 96 itens divulgado nesta manhã em Bruxelas, a premiê britânica, Theresa May, acaba de dar o primeiro e essencial passo para separar o Reino Unido da União Europeia (UE). É sem dúvida uma vitória para ela no caminho do Brexit, embora os desafios adiante sejam bem maiores.

O acordo de hoje trata dos três temas iniciais do Brexit, estabelecidos pela UE como condições para a negociação comercial: 1) situação dos residentes dentro de ambas as fronteiras; 2) situação da fronteira entre Irlanda (parte da UE) e Irlanda do Norte (parte do Reino Unido); 3) conta que o Reino Unido deverá pagar para sair da UE.

Se não houvesse acordo até o próximo dia 15, as negociações seriam suspensas indefinidamente. A necessidade de concluir todos os passos do Brexit até a data limite, 31 de março de 2019, aumentava a probabilidade de um Brexit versão “hard”, sem nenhum tipo de tratado comercial entre as partes. Com o anúncio de hoje, voltam as esperanças de uma saída negociada.

No item 1), o acordo de hoje garante a europeus que moram no Reino Unido (3,2 milhões) e a britânicos residentes nos países da UE (1,2 milhão) os mesmos direitos de residência e permanência que vigorarem até a data do Brexit. No item 3), o Reino Unido cedeu às pressões da UE e aceitou pagar uma conta de saída estimada em € 60 bilhões. Também ficou acertado um período de transição depois da saída do bloco.

O ponto de maior discórdia estava no item 2), a fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte. Em 1998, uma das condições para garantir a paz com os movimentos que queriam a independência da Irlanda do Norte para unir-se à Irlanda foi manter a fronteira aberta. Trata-se de ponto cardeal no Acordo de Sexta-Feira Santa, que encerrou décadas de conflito entre católicos e protestantes.

Desde a vitória apertada na eleição deste ano, May passou a depender de dez deputados norte-irlandeses do Partido Democrata da União (DUP) para governar. O DUP exige, ao mesmo tempo, fronteiras abertas com a Irlanda e, obviamente, com o resto do território do Reino Unido.

O desafio de atender a ambas as demandas fez empacar o acordo com a UE. Ao longo de uma série de conversas durante a madrugada e nesta manhã, May e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, chegaram a um texto que satisfez aos norte-irlandeses.

Pelo texto, mesmo que não chegue a um acordo comercial com a UE, o Reino Unido se compromete a propor “soluções específicas para endereçar as circunstâncias sigulares da ilha da Irlanda”. Caso elas não sejam aceitas, fica estabelecido que não haverá nenhum tipo de alfândega ou barreira comercial entre a Irlanda do Norte e o Reino Unido, a não ser que o Parlamento norte-irlandês aceite.

O acordo representa uma vitória política para o DUP e, acima de tudo, para May. Seu governo balança entre duas ameaças. De um lado, os defensores do Brexit “hard” dentro de seu próprio partido lutam para que o Reino Unido rompa todo tipo de relação comercial com a UE. Do outro, a oposição trabalhista, liderada por Jeremy Corbyn, tenta derrubar o governo levando ao fracasso as negociações.

Os obstáculos à frente ainda são enormes. A irredutibilidade de May em relação ao controle absoluto das fronteiras dificulta imensamente a negociação comercial. O governo britânico nem sequer produziu o estudo detalhado, exigido pelo Parlamento, sobre o impacto dos cenários de ruptura nos 58 setores da economia, segundo o ministro do Brexit, David Davis. O gabinete nem discutiu o tipo de Brexit a que o governo almeja.

Não há nenhuma garantia de que a City londrina consiga manter os “direitos de passaporte” que permitem às instituições financeiras globais manter lá a sede de suas operações europeias. Nem que se materializarão, de uma hora para outra, os acordos de livre-comércio para, como argumentam os partidários da ruptura com a UE, compensar os danos da saída na economia britânica.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Governo prorroga prazo para recolhimento de INSS, PIS e COFINS

Por Marcelo Vianna* O Ministério da Economia acaba de publicar a Portaria 139, de 03.04.2020, prorrogando o prazo de recolhimento dos seguintes tributos federais:INSS das competências de março...

CEO e Fundador do Grupo OYO renuncia a salário anual seguido por equipe de liderança

O COVID-19 impactou significativamente o setor de hospitalidade global, com as ocupações de diversas redes de hotéis sendo afetadas drasticamente. Nesse período difícil e...

Abav-SP e Aviesp realizam LIVE para esclarecer dúvidas dos agentes de viagens

A Abav-SP e Aviesp realizarão uma transmissão ao vivo pela página do Instagram (https://www.instagram.com/abavsp.aviesp/), no dia 7 de abril (terça-feira), às 14h30. A LIVE...

Máscaras caseiras podem ajudar a evitar transmissão da doença (ouça áudio)

Com a disseminação do coronavírus (Covid-19) por todos os estados do país e a falta de máscaras para reduzir a transmissão da doença, muitas...

Festival Coolritiba 2020 será reagendado por conta do COVID-19

A 4ª edição do festival mais cool do Brasil será reagendada! O Coolritiba 2020, previsto para acontecer em Maio, diante do avanço da COVID-19...

Curiosidade: quando surgiram os mapas?

Os mapas mais antigos que se têm registro hoje são os mapas babilônicos, confeccionados em argila por volta de 2.300 A.C. REDAÇÃO DO DTMuito...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias