A África pensa, logo existe…

Na última década, a expansão comercial africana estabeleceu novos recordes de crescimento. Em 2005, Angola chegou à casa dos 15%

por Silvana Saraiva*

O pensador nigeriano K. C. Anyanwu define a filosofia africana como “aquela que se interessa pela maneira com que o povo africano do passado e do presente entende seu destino e o mundo em que vive”. Tomando este pensamento como ponto de partida, podemos expandir seu significado à diáspora africana ou, mais pontualmente, ao Brasil e seus descendentes.

O fato é que a compreensão dos seus destinos está camuflada em perspectivas de uma sociedade escorada em preconceitos passados, porém maquiados em discursos do presente. Embora promulgada há mais de 10 anos, a lei 10.639 (que inclui ensino da história africana e afro brasileira no currículo escolar) continua letra morta. Pouco se viu de transformação no modo de pensar e tratar do brasileiro no que tange às relações que o Brasil deve estabelecer com o continente africano.

Na última década, a expansão comercial africana estabeleceu novos recordes de crescimento. Em 2005, Angola chegou à casa dos 15%. Hoje, a Costa do Marfim caminha para quinto ano em 9%, segundo o Banco Mundial. No entanto, o Brasil mantém uma miopia generalizada ao olhar a África.

No auge da gestão do ex-ministro das Relações Exteriores, embaixador Celso Amorim, crescemos cerca de 400% nas nossas relações com África, que no quadro geral representou apenas 0,8% em relação a outros países. Falamos da China (42%), Reino Unido (12,5%) e Estados Unidos (8%). Neste quadro, o dinamismo brasileiro em relação ao continente é quase inexistente.

No último Fórum realizado pela ONU na Costa do Marfim, discutiu-se sobre a África Emergente, que apontava para um crescimento expressivo, mas sem reflexo na geração de empregos e melhores infraestruturas

Com estes números, poderíamos inferir que não há como piorar. No entanto, as estatísticas mostram que hoje nossa relação com África caiu para 0,2%. Trocando em miúdos: inexiste! Com mais de 80 milhões de afro-brasileiros, ainda não somos capazes entender o mundo no qual vivemos e suas possibilidades.

Há um provérbio africano que diz “a união do rebanho obriga o leão a deitar-se com fome”. O fortalecimento do eixo sul não colocará os leões para dormirem de barriga vazia, pois a fartura de oportunidades excede ao estômago dos principais players da América Latina. Porém, tira a África do alvo dos neocolonizadores e traz uma perspectiva de ações mais sustentáveis para o continente.

No último Fórum realizado pela ONU na Costa do Marfim, discutiu-se sobre a África Emergente, que apontava para um crescimento expressivo, mas sem reflexo na geração de empregos e melhores infraestruturas. O Brasil, em relação a outros países da Diáspora, possui uma experiência mais consistente em programas sociais e no combate à pobreza extrema. Isso sem contar os programas de incentivo ao empreendedorismo, micro crédito para agricultura familiar, entre outros.

Por outro lado, enquanto nossa economia retraiu, a da África permanece inalterada, mesmo com a queda do preço do barril de petróleo. As vastas riquezas naturais e os investimentos em agricultura nos próximos anos tornarão o continente africano cada vez mais sustentável e atraente para os investidores internacionais.

*Silvana Saraiva é Presidente Mundial do Instituto Feafro

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

O que os hoteleiros falam sobre as OTA’s que não querem negociar

Em um momento como esse que o país atravessa, um  número cada vez maior de pequenos e médios hotéis, pousadas e até grandes hotéis...

CNC projeta queda de 6,1% no PIB em 2020

Diante da incerteza em relação à superação da crise provocada pelo novo coronavírus e do grau de contaminação da economia, a Confederação Nacional do...

Empresas conseguem suspender pagamento de energia na primeira instância

Uma empresa que está em recuperação judicial conseguiu na Justiça o direito de pagar apenas a energia consumida. A empresa havia comprado energia no...

Universal Orlando Resort anuncia reabertura de alguns hotéis a partir do dia 2 de junho

A partir de 2 de junho de 2020, alguns hotéis do Universal Orlando Resort irão reabrir para os hóspedes. A reabertura desses hotéis será...

Bolivianos voltarão para casa depois de meses retidos na Alemanha

Os membros de uma orquestra boliviana que inclui flautas tradicionais esperam voltar para casa na próxima semana depois de ficarem retidos em um castelo...

Senado aprova projeto que oferece crédito para profissionais liberais

Em sessão remota nesta quinta-feira (28), o Plenário do Senado aprovou o projeto que abre linha de crédito especial para profissionais liberais durante a...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias