American firma parceria com NASA e FAA para desenvolver nova versão do Sistema de Transporte Aéreo

O volume é  considerado muita atividade para apenas quatro pistas,  laboratório perfeito para o desenvolvimento da próxima geração de Controle de Tráfego Aéreo

EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências

Equipes da American Airlines vêm trabalhando em conjunto com a Agência Federal de Aviação (Federal Aviation Administration – FAA) e engenheiros da NASA para em conjunto desenvolverem uma nova versão do Ssitema do Transporte Aéreo. As equipes utilizam como referência a Central de Controle da companhia localizada no Aeroporto Internacional Charlotte Douglas (CLT).

Na The Overlook, uma área pública de observação (CLT), entusiastas observam a decolagem e aterrissagem de aeronaves no 7º aeroporto mais movimentado do mundo, que ultrapassou 553.550 partidas e chegadas em 2017. O volume é  considerado muita atividade para apenas quatro pistas, o que faz com que elas sejam o laboratório perfeito para o desenvolvimento da próxima geração de Controle de Tráfego Aéreo (Air Traffic Control – ATC), apelidado de NextGen.

 

Os sistemas atuais dependem de radares. O transponder da aeronave detecta os sinais recebidos e transmite um sinal de rádio codificado contendo as informações de voo. Esse sinal é utilizado para movimentar a aeronave de um setor a outro. Segundo Lorne, o rastreamento de aeronaves no solo do aeroporto é o buraco negro desse sistema. As aeronaves podem ficar muito tempo com os motores funcionando enquanto esperam por um portão disponível ou aguardam na fila para decolarem.

 

Pedaços de papel contendo o andamento dos voos são utilizados em solo na Central de Controle para documentar o status das aeronaves. Tiras em formato de cabana indicam que o avião está retido no portão. Um membro da equipe deve então passar essa informação para a pista, o agente de embarque e o piloto que está chegando. É um sistema antigo e que funciona, mas que poderia ser bem mais eficiente.

Eficiência

“Nos horários de pico, chegamos a ter 135 aviões em solo, o que não é muita coisa. Porém, é um verdadeiro desafio lidar com esse volume com o espaço de pista limitado que temos em Charlotte”, disse Dec Lee, vice-presidente do Hub de Operações da American em Charlotte.

 

“A FAA é muito eficiente na organização dos aviões no ar e na previsão do cronograma de aterrissagens”, disse Mike Bryant, diretor de Operações da Central de Controle em Charlotte. “O que falta é o mesmo tipo de panorama quando os aviões estão no solo – dos portões de embarque até às pistas”.

 

O novo sistema se baseia em tecnologias que fazem uso de GPS e satélites, incorporando dados e conhecimento operacional em tempo real a todos os sistemas, permitindo assim que seja possível a coordenação entre pista, torre de controle, terminal e Central de Controle. Essa informação oferece as ferramentas necessárias para que os controladores de tráfego aéreo tomem decisões mais acertadas a respeito de como reduzir o congestionamento tanto no ar quanto no solo. Todos que trabalham para fazer com que um avião vá do ponto A ao ponto B verão as mesmas informações ao mesmo tempo. O avião não mais precisará esperar por um portão aberto, pois a coordenação será feita antes que ele aterrisse. Os projetistas poderão inclusive usar os dados para criar cronogramas mais precisos, reduzindo assim o tempo gasto com manobra, rolagem e decolagem.

 

Com o novo sistema, o tempo gasto entre a saída de um avião do portão de embarque e sua decolagem será reduzido significativamente. Ao manter as aeronaves paradas nos portões de embarque ao invés de aguardando a decolagem na pista de rolamento com os motores ligados, os aviões consumirão menos combustível. Isso resulta em menos emissões de dióxido de carbono. A permanência no portão permite também um maior volume de conexões de passageiros e bagagens.

 

“Nossa principal meta é melhorar o fluxo de aeronaves por meio da captura de imagens instantânea de tudo o que está acontecendo no solo, podendo assim alocar melhor os aviões”, disse Lee. “Cerca de 80% dos nossos passageiros aqui em Charlotte são passageiros em trânsito, o que significa que não há tempo a perder para garantir seu embarque no próximo voo. Esse sistema nos dará as ferramentas necessárias para fazer com que esses passageiros em conexão cheguem ao seu destino, beneficiando tanto passageiros quanto nossos próprios funcionários”.

 

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Accor apoia projeto Turismo Ético e Responsável do DIÁRIO

A Accor é uma das apoiadoras do projeto  Turismo Ético e Responsável que o DIÁRIO lançou em julho. REDAÇÃO DO DIÁRIO Resultado de uma mudança de...

Trem turístico que liga Curitiba a Morretes voltou a operar

A viagem de trem que liga Curitiba à histórica cidade de Morretes, no Paraná, voltou a operar no último sábado (8). O trem da...

Campos do Jordão finalmente reabre ao turismo

Por Eduardo Andreassi* Campos do Jordão passa para a fase amarela do plano São Paulo e comércios passam a poder funcionar Com o decreto divulgado pelo...

Rei Juan Carlos marca encontro com o professor de La Casa de Papel

por Paulo Atzingen* Com a transferência do julgamento do grupo do professor Sérgio Marquina para Barcelona tive que me despedir de Madri. Parti naquela...

Pernambuco amplia horário de funcionamento de restaurantes e bares a partir da segunda-feira (10)

Os turistas que estão começando a planejar viagens para Pernambuco contam com uma boa notícia. A Secretaria de Turismo do Estado informa que devido...

Restaurante Syria resgata a essência da comida árabe em São Paulo

Por Mary Ellen Aquino (Com Edição do DT)* No mesma terça-feira (4) deste mês de Agosto em que uma grande explosão destruiu uma parte de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat