Andarilho das altitudes chega ao nível do mar

O andarilho das altitudes é mestre em apresentar as várias faces do país e, portanto, não se prende à altas montanhas ou caatingas com seus mandacarus selvagens! Ele caminha por outras paisagens dentro do nosso território de abismos e planaltos, lagos e cachoeiras, igapós e sertões que descem para o mar!

por Paulo Atzingen*


O bafo tropical com seu hálito cheirando a churrasco tem uma primavera com unhas solares afiadas, um prato cheio de boas imagens. Cada unha é um feixe de luz sobre superfícies pré-aquecidas para o grande banquete do ver!

A especialidade social de Thomae é fazer amigos por onde pisa e dar as suas fotos um clima dinâmico, vivo e familiar. O self, esse artifício brega que simbolizava o climax do egotismo em tempos passados ganha outro sentido com as fotos de Eliseu. Thomae junta gente por onde passa ou já leva com ele esse superbonder de pessoas que têm algo em comum: se aglutinam, se abraçam, guardadas, é claro, um distanciamento físico, mas nunca emocional.

As mulheres sentadas na areia foram petrificadas pelo instantâneo de Eliseu. Nâo, ele não as transformou em estátuas, mas lhes deu a chance de serem eternizadas em um gesto, em uma atitude. É isso que acontece ao comando de Thomae. Os chapéus jogados para o alto expõem a face para o sol e para o mormaço e abrem a alma para um laço, e a amizade para um abraço.

O fim da primavera com suas unhas solares afiadas recebeu Eliseu Thomae à beira mar. Cada unha é um feixe de luz sobre superfícies pré-aquecidas para o grande banquete do ver!


*Paulo Atzingen é jornalista

 

 

 

 

 

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial