Blue Tree Hotels realiza cerimônia de celebração de formandos refugiados

Solidariedade. Ato de bondade e compreensão para com o próximo ou um sentimento, uma união de simpatias, interesses ou propósitos entre membros de um grupo. Foi com esse intuito que a Blue Tree Hotels realizou um programa exclusivo especial de capacitação para refugiados no Brasil.

 por André Tanabe (Repórter do DIÁRIO)

——————–

Na manhã desta terça-feira (5) o sol brilhou mais radiante na capital de São Paulo e no futuro de sete refugiados no Brasil. A cerimônia de formatura dos refugiados capacitados (agora formandos) ocorreu no Blue Tree Premium Paulista; no evento estavam representantes de entidades de parcerias da rede hoteleira como Mulheres do Brasil, entre outras, além da presidente do Blue Tree Hotels, Chieko Aoki.
A cerimônia de abertura foi realizada por Luciana Fagundes, e pela própria presidente da entidade, “a alma Blue Tree é o nosso DNA, é uma forma de ser e fazer da Blue Tree e que tem um método, é uma coisa que a gente sente e faz, e um método novo, uma forma nova de fazer a hotelaria resgatando a hotelaria antiga”, disse a executiva.

Melhor do que entrou

Aoki dá continuidade afirmando que o segredo desse novo método é unir as novas tecnologias com os métodos antigos de hospitalidade. “A hotelaria que estamos resgatando tem o bem-receber, o bem-servir, e o bem-cuidar, são três coisas diferentes, mas que sempre usamos de forma aleatória e nós criamos um método. Com esse método temos o objetivo de reaprendermos de a cuidar um aos outros, porque nós estamos na hotelaria para cuidar de pessoas, dos nossos clientes, da nossa equipe, dos nossos investidores e de todas as pessoas que passam pelos nossos hotéis”, afirmou a empresária. “E com esse método queremos que todas as pessoas que passem pelos nossos hotéis saiam deles sentindo melhor do que quando entraram”, relatou a presidente.

Motivos na pele

A presidente informou ao público o motivo dela se importar tanto pelo tema dos refugiados, relatando a história de sua família, de como seu pai e mãe saíram do Japão e vieram para o Brasil e como eles sofreram no percurso até chegarem em terras brasileiras, sem falar o idioma português e sem nada. Ela relata que se não fosse a ajuda dos amigos dos pais dela, ela não saberia dizer como teria sido o futuro deles. “Então eu prezo muito a ajuda que alguém possa fazer para o outro, fazer o bem só faz bem para a gente”, confessou.
A executiva encerra a abertura relatando as 7 atitudes do bem receber, sendo elas: receber na porta (acolher as pessoas na chegada), interaja com todos (temos de receber bem todas as pessoas sem descriminação), tomar a iniciativa, sorrir para todos (um sorriso abre os corações), olhar nos olhos (os olhos transmitem sinceridade), chamar pelo nome (todas as pessoas querem ser chamadas pelo nome), e se despedir na porta. “Fazendo alguma delas você já faz as pessoas se sentirem felizes”, sintetizou com sua sabedoria oriental.

Cheiko Aoki, presidente da Blue Tree Hotels. (créditos: André Tanabe)

REFUGIADOS E CAPACITAÇÃO

Os candidatos foram indicados por meio de análise de 25 currículos, dos quais após processos seletivos e entrevistas, sete foram recrutados a participar. Durante 10 dias tiveram no departamento da governança, o curso de animadores no Brooklin Premium Paulist. Com um plano de aula desenvolvido especialmente para esse padrão, com aulas teóricas e práticas, aprenderam sobre desenvoltura, valor, missão e apresentação pessoal, além de noções de governança.
Os formandos

Os sete formandos são:

Mariela G Gonzales, Deidsmar A Dominguez ( está a 1 ano e meio no Brasil, tem 2 filhos que ficaram na Venezuela pois mora no Brasil como pb, sua irmã e seu cunhado, e desde que chegou nunca fez um processo seletivo, pois foi contratada de primeira);
Johana L Garcia (está a 1 ano no Brasil e trabalhou durante 10 anos na Secretaria de Educação da Venezuela e mora no Brasil com seus 3 filhos e marido e seus pais, seu marido trabalha como montador de peças de ferro e seus pais em uma escola);
Carmen Liduvini Calzadilla Alemán (está a 6 meses no Brasil e tem uma filha de 8 anos na Venezuela, que mora com a avô, Carmem mora de aluguel com seu pai);
Marisela Del Valle Rodriguez (está a 2 anos morando no Brasil, mora com a mãe e sua filha de 14 anos em uma casa alugada e já trabalhava aqui fazendo extras como diarista);
Osmeris Del Valle Aguilera Marcano,
e Yaspe Lutonadio Yaspe (está a 2 anos no Brasil, mora com um amigo, e era professor de francês e ciências da computação em uma universidade do Congo, era líder também de um grupo de jovens de partido político que era opositor ao governo; por esse motivo foi levado de sua casa, preso e torturado; conseguiu visto para vir pro Brasil como refugiado).
 

Formandos e membros da Blue Tree Hotels. (créditos: André Tanabe)

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Bolivianos voltarão para casa depois de meses retidos na Alemanha

Os membros de uma orquestra boliviana que inclui flautas tradicionais esperam voltar para casa na próxima semana depois de ficarem retidos em um castelo...

Senado aprova projeto que oferece crédito para profissionais liberais

Em sessão remota nesta quinta-feira (28), o Plenário do Senado aprovou o projeto que abre linha de crédito especial para profissionais liberais durante a...

Alfredo Lopes, presidente do Hotéis Rio: as OTA’s não querem negociar!

Nas negociações para a retomada, o Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município do Rio de Janeiro (SindHotéis RJ) vem convidando para a mesa...

Receita Federal define tributação de trusts

A passos tímidos, a Receita Federal do Brasil começa a se posicionar sobre a tributação de trusts. Apesar de não proporcionar o nível de segurança...

Rano Raraku: a fábrica de moais da Ilha de Páscoa

15 ANOS DIARIOS - Publicado dia 13 de agosto de 2017Por Paulo Atzingen (de Angaroa, Ilha de Páscoa)Entender a forma como as estátuas da...

Tribunal de Justiça de São Paulo suspende cobrança de dívida de agência de viagens

Diante de um cenário de prejuízo na casa dos bilhões, uma companhia aérea não pode se permitir a ressarcir bilhetes e viagens em prazo elástico...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias