BNDES: desembolsos até 2022 podem chegar a R$ 150 bilhões

Segundo ele, 16% do PIB em termos de investimento significa praticamente a reposição do estoque de capital pré existente.

Agência Brasil

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, disse nesta quarta-feira (6) que os desembolsos do banco, que estão este ano na casa dos R$ 75 bilhões, poderão chegar a R$ 150 bilhões em 2022. Castro participou de um encontro com empresários franceses e brasileiros na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Para chegar a esse patamar de investimentos, o BNDES poderá fazer securitização de débitos, venda de papéis da carteira da subsidiária BNDES Participações (BNDESPAR), entre outras medidas que devem ser anunciadas no começo de 2018, segundo Castro.

A definição dos papéis da BNDESPAR que serão ofertados atenderá a alguns parâmetros. Um deles é o chamado grau de “madurez” do investimento e a oportunidade da venda, tendo em vista as cotações. Além disso, será observada a oportunidade de dar acesso a um número maior de investidores dentro da mesma linha de fundos criados pelo banco no passado e que tiveram sucesso, com o objetivo de “ser um estimulador da democratização do mercado de capitais”.

Investimento

Paulo Rabello de Castro afirmou que a taxa de investimento nacional, que este ano pode ficar abaixo de 16% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas do país), é um ponto crítico para o desenvolvimento sustentável do Brasil. Segundo ele, 16% do PIB em termos de investimento significa praticamente a reposição do estoque de capital pré existente.

“Ou seja, o Brasil patinando e não saindo do lugar vigorosamente. Talvez saindo do lugar nos setores que já estão com embalo próprio, como o agronegócio, o setor de óleo e gás e um ou outro setor industrial mais específico que tenha fonte de capital externa, como o automotivo”.

Castro afirmou que para difundir essa retomada do desenvolvimento, o Brasil precisa de mais crédito para investimentos. Segundo ele, a expectativa é que a taxa de investimento suba para 20% do PIB nos próximos anos, e que a meta é chegar a até 25%.

Reforma tributária

Para o presidente do BNDES, a reforma tributária “é essencialíssima” para a retomada dos investimentos no país e que o setor que mais demanda essa mudança é o industrial. Segundo Caso, apesar da significa contribuição do setor agropecuário para o PIB, o país precisa direcionar investimentos para a indústria.

Futuro

Castro também disse aos empresários que quando o setor privado conseguir cobrir a demanda por créditos de longo prazo com taxas razoáveis para infraestrutura, o BNDES se dedicará mais à conservação ambiental, às inovações tecnológicas e à pesquisa e educação. “Tem muita coisa para fazer nos próximos anos e até décadas, porque o Brasil vai continuar em desenvolvimento e o banco é que vai se movimentar. Nós estamos aguardando que o setor privado realmente venha”.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Rede Blue Tree oficializa sua cooperação com profissionais da Saúde

A rede Blue Tree Hotels oficializou nesta quinta-feira (9) sua participação na guerra contra o coronavírus e abre seus hotéis no Brasil para receber...

15 filmes relacionados ao tempo para ver na quarentena

Diante da pandemia do novo coronavírus, o isolamento social já é realidade de muitos países, inclusive do Brasil. Para lidar com esta situação, é...

Contágio Bastardo – Crônica de Osvaldo Alvarenga*

Um mês depois do primeiro diagnóstico de COVID-19, Portugal entrou na fase de mitigação. É o nível de alerta mais alto, avisou a Senhora Ministra da...

Centro de Manutenção da LATAM produzirá máscaras reutilizáveis

O Centro de Manutenção da LATAM (MRO), localizado em São Carlos (SP), adaptou uma parte de sua operação para realizar a produção de máscaras...

O fim da crise e o novo normal. Mas nem tão novo assim. (LEIA ou OUÇA!)

por Otávio Novo* No turismo , ou em qualquer atividade, a gestão de riscos e crises se apresenta como uma organização ampla e contínua, com...

Costa Cruzeiros amplia a pausa voluntária de cruzeiros até 30 de maio

A Costa Cruzeiros amplia a pausa voluntária de seus cruzeiros até o dia 30 de maio. Devido à prolongada situação de emergência ligada à...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias