Bolsas de NY fecham em baixa, com petróleo abaixo de US$ 0

As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta terça-feira, 21, pelo segundo dia consecutivo, em meio à aversão a risco gerada pela queda histórica nos preços do petróleo e com o foco dos investidores na pandemia de coronavírus. O índice Dow Jones encerrou em queda de 2,67%, a 23.018,88 pontos, o S&P 500 perdeu 3,07%, a 2.736,56 pontos e o Nasdaq recuou 3,48%, a 8.263,23 pontos.

“Os mercados de ações têm refletido os desafios no setor de energia desde o início da crise”, comentam analistas do Brown Brothers Harriman (BBH). “Continuamos a acreditar que é improvável que os mercados mais amplos de ações realizem uma recuperação duradoura até que um piso seja observado nos preços do petróleo”, acrescentam.

Ontem, pela primeira vez na história, o petróleo foi negociado abaixo de US$ 0. Com o WTI para maio perto do vencimento, investidores começaram a liquidar o contrato para evitar a entrega física. Além da queda na demanda, em decorrência da pandemia de coronavírus, há relatos de que o espaço para armazenamento de petróleo nos Estados Unidos está perto de se esgotar. Hoje, o colapso da commodity energética continuou.

“Quando um grande mercado fica disruptivo e ilógico, a aversão ao risco penetra em todos os outros ativos”, resume Kathy Lien, diretora-gerente de estratégia de câmbio do BK Asset Management. Para o banco suíço Swissquote, os preços das ações em todo o mundo já refletem a contração econômica do primeiro trimestre deste ano.

No S&P 500, as quedas foram lideradas hoje pelo subíndice de tecnologia (-4,1%), seguido pelo do setor financeiro (3,2%). O setor de energia recuou 1,68%. Entre as ações empresas importantes negociadas em NY, Microsoft cedeu 4,14%, Apple caiu 3,09%, Boeing registrou baixa de 5,07% e Chevron perdeu 2,31%.

Os papéis da United Airlines, cujo balanço foi divulgado hoje, subiam 0,32%, embora o prejuízo líquido no primeiro trimestre do ano tenha sido maior do que o esperado. A Netflix, por sua vez, divulgou balanço após o fechamento do mercado. No after hours em NY, a ação da empresa avançava 0,75%, às 17h52 (de Brasília), depois de saltado 11%.

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Pesquisa aponta que 61% das pessoas manterão hábitos da quarentena

Evitar aglomerações, intensificar boas práticas de higiene e comer melhor são alguns dos comportamentos adquiridos e que devem continuar EDIÇÃO DO DIÁRIO  A pandemia de COVID-19...

Complexo de Visitantes da NASA retoma aos poucos suas atrações

NASA Kennedy Space Center Visitor Complex , em Orlando, na Flórida, começou sua expansão de atrações para os visitantes a partir da última segunda-feira...

Os 5 Ps do Marketing no processo de reposicionamento do negócio

*Por Lúcio Oliveira “Toda companhia quer uma, mas poucas a têm: uma estratégia convincente”. Parafraseando Chan Kim, um dos autores da obra “A estratégia do...

Ministério do Turismo abre credenciamento de novos bancos para o Fungetur

Edital pode ser consultado na página do Fundo. Atualmente, 17 instituições financeiras ofertam crédito para o setor turístico EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências A partir desta...

Empresária fala das habilidades necessárias para a pós pandemia

Da Redação - Que tudo está e será diferente após essa pandemia passar não restam mais dúvidas. Habilidade para se relacionar com o novo...

Bofete, um nome que se levanta no cenário do ecoturismo brasileiro

15 ANOS DIÁRIOS - Publicado em 23 de outubro de 2017 O Brasil não conhece o Brasil, diz a música. O brasileiro menos ainda Por...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias