Condições de uso na oferta online de serviços turísticos: li e aceito?

Ignorar tais aspectos, clicando afoitamente no botão “li e aceito”, significa para o cliente negligenciar a importância das questões

Por Marcelo Vianna*

A oferta de serviços turísticos pela internet aumenta a cada dia, fruto do dinamismo e da facilidade presente nas transações virtuais. Contudo, a grande maioria dos usuários confirmam ter “lido e aceito” os termos e condições de uso dos serviços oferecidos virtualmente sem, contudo, conhecer efetivamente o respectivo conteúdo. Grave erro, que pode gerar muita dor de cabeça no futuro.

Acontece que os termos e condições de uso dos websites em geral representam as “regras do jogo”. Ou seja, neles constam (ou deveriam constar) as principais informações relativas a direitos e obrigações das partes, regrando questões como formas e prazos de pagamento, documentação necessária, limitação de responsabilidades, alterações e cancelamentos, penalidades, reembolsos, garantias de privacidade, etc.

Ignorar tais aspectos, clicando afoitamente no botão “li e aceito”, significa para o cliente negligenciar a importância das questões acima relacionadas, que correspondem à gênese de grande parte das demandas judiciais envolvendo empresas do turismo e consumidores.

É bem verdade que parte da culpa é das próprias empresas do turismo, pois que muitas, ao ofertarem seus serviços na internet, não esclarecem, de forma suficientemente aparente e precisa, todos os termos e as condições de uso de seu website. Algumas, inclusive, nada esclarecem a respeito.

A soma de tudo isso acaba gerando muita confusão nas transações virtuais, o que poderia ser evitado ou em muito minimizado se as partes, consumidores e fornecedores, tivessem a devida consciência a respeito da necessidade de deixar as regras claras antes de o “jogo” começar, e ele começa já na oferta online do serviço.

*Marcelo Soares Vianna é mestre em direito, advogado atuante no setor do turismo, sócio do escritório VIANNA & OLIVEIRA FRANCO ADVOGADOS (www.veof.com.br) e responsável técnico pelo conteúdo da coluna “Direito e Turismo” do Diário do Turismo. Para eventuais considerações acerca do conteúdo enviado, está à disposição pelo endereço: marcelo@veof.com.br

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Prefeito de São Sebastião oficializa Área de Proteção Ambiental Baleia Sahy

Nesta sexta-feira (5), o prefeito do município de São Sebastião, Felipe Augusto, assinou o decreto que regulamenta o Plano de Manejo da Área de...

União Europeia só abrirá totalmente as fronteiras internas no final de junho

A União Europeia só abrirá totalmente as fronteiras internas no final de junho e começará a suspender as restrições a viagens fora do bloco...

Accor amplia programa Plant for the Planet agora para a Colômbia

Para reforçar seu objetivo com a preservação ambiental e preocupação com os insumos que utiliza em seus hotéis, a Accor anuncia no Dia Internacional...

Grupo Iberostar inicia reabertura de hotéis e reforça segurança sanitária

De forma escalonada, a reabertura de uma seleção de hotéis do Grupo Iberostar acontece a partir da segunda quinzena de junho garantindo protocolos de...

GOL aprova acordo coletivo em prol da preservação de empregos e caixa da Companhia

A GOL Linhas Aéreas acaba de aprovar um acordo coletivo inédito com o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), cujos objetivos primordiais são a manutenção...

Cansei dos enochatos! Eis uma dica pra conversar com eles.

Simplificando os aromas do vinho para os Leigóides, como eu por Werner Schumacher*Os Masters of Wines e os Master Sommeliers, mais que os próprios Enólogos,...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias