De São Paulo a Lisboa – Crônica de Osvaldo Alvarenga*

Hoje é a primeira de uma série de crônicas que compartilharei aqui no DIÁRIO DO TURISMO. Estou feliz com o desafio e espero que você goste das histórias que tenho para contar. Ah, anote, as crônicas serão quinzenais e, se nada mudar, sempre às quartas. Na estreia, uma apresentação e prévia do que vem por aí:

Vamos fugir/ pra outro lugar, baby! / vamos fugir / pra onde haja um tobogã / onde a gente escorregue…

— Você conhece essa música? — perguntou visivelmente surpresa a minha secretária; é que a versão recém lançada pelo Skank, recorrente nas rádios de São Paulo em novembro de 2004, era uma novidade para ela. Já eu cantava, baixinho, só para os meus botões, a versão do Gil, gravada 20 anos antes. Lembro que tomei um susto com a pergunta, era como se ela tivesse me apanhado fazendo algo muito errado.

São recordações de uma outra vida que tive. Provavelmente naquele dia, sem o saber, idealizava a vida que tenho hoje. Naquela época, nos idos anos 2000, eu estava executivo de multinacional, numa carreira de relativo sucesso, mas insatisfeito. Inconsciente ainda, sonhava, em voz alta o suficiente para a secretária ouvir, com qualquer outro lugar ao sol / outro lugar ao sul / céu azul, céu azul… E assim caminhava distraído do meu escritório para um qualquer compromisso desagradável em alguma penosa manhã de trabalho.

Desde então muita água passou embaixo da ponte. Permaneci mais uns anos naquela empresa, empreendi, mas a vida foi me encaminhando (ou eu a ela) para uma mudança radical: vir viver sem fronteiras em Lisboa.

A capital portuguesa é um caldo de culturas e novidades. São mais de três mil anos de história.

A capital portuguesa é um caldo de culturas e novidades. São mais de três mil anos de história. Primeiro os celtas invadiram a região onde viviam tribos ibéricas, depois os fenícios dominarem o estuário do Tejo onde fundaram a Alis Ubbo, a “Porto Seguro”, que marca a fundação da cidade, lá pelo ano 1200 a.C; mas os gregos tomaram-na e perderam-na para os cartagineses, que foram dizimados pelos romanos que, mais adiante, foram expulsos pelos povos germânicos, que então deixaram os mouros ocupá-la até que, em 1147 d.C, liderados por Dom Afonso Henriques de Borgonha, os cruzados tomaram a fortaleza muçulmana que foi anexada ao recém fundado Reino de Portugal. Sem esquecer os judeus que, exilados de Jerusalém na segunda diáspora, aqui chegaram no Séc. V e viveram em liberdade até o finalzinho do Séc. XV, cada uma dessas civilizações deixou em Lisboa a sua marca.

Os “descobrimentos portugueses” também contribuíram para transformar a já então capital do reino na cidade cosmopolita que é: os navegadores trouxeram excentricidades da África, Ásia e América e vieram gentes daquelas terras. Do período colonial até hoje, Portugal é visto como terra de esperança por cabo-verdianos, brasileiros, guineenses, angolanos, moçambicanos, goeses, macaenses, chineses, albaneses, romenos, moldavos, nepaleses, indianos e – muito recentemente – por sírios fugidos da guerra. Todos esses imigrantes contribuem para dar mais cor, sabor, cheiro, som, suingue e criatividade a Lisboa; maior polo de atração de estrangeiros no país.

Não bastassem todas essas influências já entranhadas na cultura da cidade, Lisboa está na moda: para os chineses é romântica; para franceses, ingleses e italianos é boêmia; para os espanhóis é final de semana prolongado; para brasileiros é sonho de consumo e para os empreendedores em tecnologia e inovação, que chegam de toda a parte, é oportunidade. Para toda a gente é uma cidade jeitosa, segura e muito viva.

Acho que consideramos outras hipóteses antes de escolher Lisboa, mas que cidade no mundo somaria tantos pontos a favor? Buscávamos simplicidade, segurança, beleza, arte, céu azul e mar; nada disso falta por aqui. Não podia ser um lugar caro; para padrões europeus não é. “Minha pátria é a língua portuguesa”, escreveu Fernando Pessoa. Lógico que a língua materna pesou. Está a três horas de voo das principais capitais europeias. E, por fim, os laços familiares e afetuosos que tenho com Portugal foram fundamentais para a escolha.

Em 2016, a Iêda, minha esposa (você vai conhecê-la em breve), e eu, deixamos o cotidiano estressado de São Paulo, com todas as obrigações do trabalho, para mudar de vida.

Em 2016, a Iêda, minha esposa (você vai conhecê-la em breve), e eu, deixamos o cotidiano estressado de São Paulo, com todas as obrigações do trabalho, para mudar de vida. Nosso processo de transferência começou em 2014. Aos poucos, naquele ano e ao longo de 2015, tratamos de nos desvencilhar das atividades que nos prendiam em São Paulo e viemos. Até o momento sem arrependimentos. Lisboa é nosso porto seguro e, como no tempo de Dom Manuel I, ponto de partida para explorar outros cantos do mundo. É sobre esse cotidiano e as viagens que fazemos a partir de Lisboa que escrevo. Se você chegou até aqui, espero que volte para ler as histórias que vêm por aí.

Sobre o articulista:

Osvaldo Alvarenga, tem 54 anos, reside em Lisboa e escreve para os blogs: Flerte, sobre lugares e pessoas e Se conselho fosse bom…, sobre vida corporativa e carreira. Atuou por 25 anos no mercado de informações para marketing e risco de crédito, tendo sido presidente, diretor comercial e diretor de operações da Equifax do Brasil. Foi empresário, sócio das empresas mapaBRASIL, Braspop Corretora e Motirô e co-realizador do DMC Latam – Data Management Conference. Foi diretor da DAMA do Brasil e do Instituto Brasileiro de Database Marketing – IDBM e conselheiro da Associação Brasileira de Marketing Direto – ABEMD, dos Doutores da Alegria e, na Fecomercio SP, membro do Conselho de Criatividade e Inovação.

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Online, IV Fórum Brasileiro de Hotéis Independentes será realizado no dia 28 de setembro; veja a programação

As soluções disruptivas para a hotelaria independente e as renovações tecnológicas vividas pelo setor serão os temas estruturais desta quarta edição do Fórum Por REDAÇÃO No...

Aeroportos adotam câmeras térmicas como aliadas no combate ao coronavírus

Por Adriano Oliveira* Com a queda brusca de passageiros no mercado de aviação em função do isolamento social causado pela pandemia, o setor buscou rapidamente...

Grupo Iberostar atinge meta e não utiliza mais plásticos de uso único nos resorts

Rede propõe uma ‘Onda de Mudança’ (Wave of Change) para a sustentabilidade A mexicana Julieta Ruiz é formada em administração de empresas e começou sua...

Para manter em São Paulo o turista paulista, Setur aposta no turismo de proximidade

Com a popularização de novos destinos e viagens de proximidade será possível recuperar os 138 mil empregos perdidos com a pandemia até novembro de...

Novos Embaixadores do Turismo do Rio serão titulados no domingo (27)

A Fundação Cesgranrio e o Portal Consultoria em turismo farão a entrega do título de Embaixador do Turismo do Rj no próximo dia 27...

LATAM estende até o dia 31 de outubro transporte gratuito de profissionais da saúde no combate ao coronavírus

É indispensável a apresentação de documento profissional validado pelo conselho regional competente e uma carta emitida pela empresa ou instituição de saúde que comprove...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat