Em Brasília, setor de transporte turístico pede socorro e reclama de taxas abusivas

Trabalhadores pedem compreensão da ANTT em relação às taxas e clamam que representantes do órgão ouçam suas reivindicações
EDIÇÃO DO DIÁRIO
——————————

 

O setor de turismo é, sem dúvidas, um dos que mais sofre com a pandemia da Covid-19. Com o isolamento e distanciamento social, a categoria está totalmente parada há mais de três meses. Os efeitos da pandemia deixaram a maioria sem renda para custear necessidades básicas da família. Como se não bastasse todas essas dificuldades, a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), decidiu estabelecer procedimentos mais rígidos para cobrança de taxas de fiscalização aos trabalhadores que vivem do turismo e do transporte interestadual e internacional.

Na última semana, a ANTT realizou uma audiência pública para determinar esses procedimentos de cobrança. A taxa, cujo valor é de R$1800 anuais, pesa no orçamento da categoria. Juraci dos Anjos Brito vive do turismo, ele e a esposa trabalham com transporte de passageiros e estão desde fevereiro sem trabalhar. “A última viagem que fizemos foi no carnaval. Eu tenho dois filhos e estou parado. Eu e minha esposa vivemos do turismo, sustentamos nossa família com a renda vinda do transporte turístico e tem sido muito difícil essa situação”, relata Juraci.

Os trabalhadores do setor, no geral, vêem essa taxa como abusiva. O valor cobrado se torna inviável, visto que já existem outras taxas a serem pagas. “Essa taxa é muito alta e acaba tirando muito do nosso orçamento. A gente faz uma viagem e faz de tudo para deixar mais barato para o cliente, sendo que já temos que emitir nota fiscal e outras milhares de taxas, e ainda vem mais um custo”, reclama o motorista. Juraci explica que essa taxa da ANTT afeta todos, tanto trabalhadores quanto passageiros, pois quanto mais custos o profissional tem, mais caro fica o serviço que ele oferece. “É uma relação diretamente proporcional”, diz.

Já o presidente da Associação Brasiliense de Turismo Receptivo (ABARE), Reinaldo Ferreira, esclarece que a categoria defende a diminuição da taxa anual de fiscalização. “Tendo em vista o atual cenário decorrente da covid-19, e a falta de recursos das empresas de transporte turístico, considerar qualquer taxa neste momento é inviável. Tem muito motorista turístico passando necessidades básicas”, comenta.

Segundo ainda a associação, atualmente são mais de 400 empresas de transporte turístico em Brasília e 100% delas estão paradas, com todo o faturamento de 2020 comprometido.

De mãos atadas

Jonilson Santana vive do transporte turístico há 15 anos e diz que nunca presenciou uma crise tão difícil quanto a que estamos vivendo. “Essa sem dúvidas é a pior crise que estamos passando. Nunca fiquei nem 15 dias sem trabalhar, agora já estamos há cerca de 120 dias parados”, aponta. Com a paralisação do setor por conta do coronavírus, fica cada dia mais difícil arcar com as necessidades básicas da família. O futuro é nebuloso, ainda não se sabe quando o turismo voltará ao normal e se as empresas e trabalhadores estarão de pé quando isso acontecer. A nova taxa da ANTT está sendo imposta aos profissionais, deixando-os de mãos atadas. “Estamos sem ter para onde correr, como se fosse um barco à deriva no mar”, lamenta o profissional.

“A ANTT só abriu a audiência para falar que ia nos prejudicar, como ela sempre faz. A agência abre a audiência falando que vai impor a taxa aos trabalhadores do setor. Hoje a gente não tem nem para onde correr, não temos como ir para dentro da ANTT. Se fosse uma audiência presencial e a gente tivesse lá dentro para reivindicar nossos direitos, talvez fosse diferente. Se a gente acha que estava ruim, ainda pode piorar muito mais”, afirma Jonilson.

“A taxa é inviável, o valor é muito alto e ainda querem cobrar referente aos anos anteriores. O valor é abusivo, nós do setor já temos outros custos e não temos como manter um carro para fazer o transporte interestadual de passageiros tendo que arcar com todos esses valores altos. Nós já temos seguro de RCO, já temos licenciamento anual, entre outras taxas”, explica o trabalhador.

Reinaldo Ferreira, representante da ABARE, chama a atenção para o fato de que inúmeras empresas de transporte turístico fecharão as portas por não conseguirem sobreviver aos efeitos causados pela pandemia. Estatísticas apontam que o desempenho econômico em 2020 será pior do que durante a crise financeira global.

“Assim, não será razoável nem adequado exigir, ao menos no momento atual, uma obrigatoriedade no pagamento da referida taxa instituída pela ANTT. Caso a agência insista na cobrança, pedimos que seja aberta uma possibilidade aos transportadores para parcelamento da taxa, em no mínimo dez vezes”, afirma Reinaldo Ferreira, apontando que a associação está aberta para o diálogo. “Estamos juntos em busca de uma solução comum, viável e menos onerosa aos transportadores turísticos e outras categorias. O que nós queremos é uma possibilidade de abertura com o diretor da ANTT para conversarmos”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    Mais recentes

    GOL e LATAM fazem juntas voos da colaboração e da solidariedade

    A GOL e a LATAM demonstram espírito de cooperação e solidariedade no momento da distribuição das vacinas contra a Covid-19. A GOL levou 500...

    Japão nega que as Olimpíadas sejam canceladas

    TÓQUIO (Reuters) - O Japão se manteve firme na sexta-feira em seu compromisso de sediar as Olimpíadas de Tóquio este ano e negou um...

    Mercadão das Flores é uma boa dica para o Aniversário de São Paulo

    O Mercadão das Flores é uma boa dica de passeio no aniversário de São Paulo na próxima segunda-feira (25). Localizado na Vila Leopoldina estará...

    Reed Exhibitions doará US$ 1 mi para Organizações que promovem a inclusão racial

    A Reed Exhibitions anunciou hoje seu compromisso de doar US $ 1 milhão nos próximos cinco anos para parceiros selecionados sem fins lucrativos em...

    Associação das estâncias de São Paulo tem nova diretoria

    Marco Antonio de Oliveira, prefeito de Morungaba, foi eleito presidente da Associação das Prefeituras das Cidades Estância do Estado de São Paulo (Aprecesp). A...

    BWT Operadora inaugura escritório na capital gaúcha

    Marca BWT amplia mercado e apresenta seus serviços para agentes de viagens do Rio Grande do Sul EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências Ao contrário do movimento...

    Relacionadas

    Open chat