Expectativa para juros em 2017 cai à mínima histórica de 7,25%

(Reuters) – Economistas de instituições financeiras passaram a ver que a taxa básica de juros voltará à mínima histórica neste ano, em meio ao cenário de inflação ainda mais favorável e atividade fraca, enquanto o grupo que mais acerta as estimativas acredita que a Selic irá ficar ainda menor, a 7 por cento.

Segundo a mediana das projeções na pesquisa Focus do Banco Central, divulgada nesta segunda-feira, a Selic deve fechar 2017 a 7,25 por cento, sobre 7,50 por cento antes, voltando à mínima recorde atingida em outubro de 2012.

Os especialistas consultados também mantiveram a estimativa de que o BC manterá o ritmo forte de corte da taxa básica de juros, atualmente em 9,25 por cento, e reduzirá novamente a Selic em 1 ponto percentual na reunião de 5 e 6 de setembro do Comitê de Política Monetária (Copom).

Depois disso, a expectativa é de nova redução em outubro, desta vez de 0,75 ponto, e agora eles passaram a ver novo corte de 0,25 ponto no último encontro do ano, em dezembro. Para 2018, permanece a projeção de Selic a 7,50 por cento.

Outra opinião

Já o Top 5, o grupo que mais acerta as previsões, passou a ver a Selic ainda mais baixa e num novo piso histórico tanto este ano quanto no próximo, a 7,0 por cento em ambos os casos, sobre 7,25 por cento antes.

Além do cenário de pressão fraca dos preços, a expectativa de trajetória firme de corte de juros também foi favorecida na última semana pelo avanço da medida provisória que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) no Congresso Nacional, aprovada em comissão mista e cujo texto-base também já passou pelo plenário da Câmara da Deputados, que nesta semana deve votar os destaques à matéria.

Essas aprovações ajudam no ânimo dos investidores em relação o avanço das reformas, o que já foi citado pelo BC como essencial para a condução da política monetária.

Inflação

Para a inflação, houve novo corte nas contas para 2017. A alta do IPCA em passou a ser vista em 3,45 por cento, queda de 0,06 ponto percentual em relação ao levantamento anterior. Para 2018, permanece a estimativa de 4,20 por cento.

Tanto para 2017 quanto para 2018, a meta oficial de inflação é de 4,5 por cento, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Em agosto, o IPCA-15 teve alta de 0,35 por cento, acumulando em 12 meses avanço de 2,68 por cento, menor patamar desde março de 1999.

PIB

Para o Produto Interno Bruto (PIB), houve ajuste na estimativa para crescimento neste ano de 0,39 por cento, sobre 0,34 por cento antes, depois de dois anos seguidos de recessão. Para 2018, a expectativa continua sendo de expansão de 2 por cento.

Redação
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

E-book detalha informações sobre recuperação judicial de empresas

Informações relevantes sobre as medidas necessárias e exigidas por lei em relação à retomada de negócios, principalmente, no atual cenário econômico imposto pela pandemia...

Harvard: máscaras faciais usadas durante toda a viagem oferecem grande proteção contra a COVID-19

As máscaras faciais são parte essencial de uma estratégia em múltiplas frentes para manter os clientes seguros e reduzir a transmissão de COVID-19 durante...

Isolamento social gerou “pandemia de cibercrimes” diz Ministério da Justiça

Alesandro Barreto, do Laboratório de Operações Cibernéticas do Ministério da Justiça   AGÊNCIAS COM EDIÇÃO DO DIÁRIO O isolamento social provocado pela pandemia de Covid-19 aumentou o...

Mercure Salvador Rio Vermelho alinhado aos protocolos de segurança da Accor

Pode até parecer um filme de ficção científica, mas são apenas cuidados para enfrentar o Covid-19: uma atendente com protetor facial, máscara e luvas...

Morre o amigo, colega e ex-presidente da ABIH Nacional, Eraldo Alves da Cruz

Por Paulo Atzingen Generoso, amigo, e um homem que deixava muito clara sua fé, por meio de gestos, palavras e postagens no facebook. Estou falando...

Energia Solar e Eólica atingem 67% de geração de energia elétrica no mundo

As fotovoltaicas (PV) dominaram o setor como a principal nova fonte de tecnologia de geração de energia adicionada às redes de dezenas de países...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat