Ian Gillespie, da Star Alliance: “entrada da Avianca Brasil vai oferecer conectividade global aos brasileiros”

Redação do DT  (SP) 

Ian Gillespie é cidadão do mundo. Porta-voz e Conselheiro da Star Alliance no Brasil, filho de britânicos, nasceu no Peru com passagens pela TACA Linhas aéreas e atualmente é diretor da divisão internacional da Avianca. Nesta entrevista, concedida ao editor do DIÁRIO, jornalista Paulo Atzingen, Gillespie fala sobre o ingresso da Avianca Brasil na Star Alliance no próximo dia 22 de julho, sobre os benefícios que os passageiros e as companhias aéreas têm ao participarem desta aliança global e da entrada, ou não, da Azul Linhas Aéreas Brasileiras ao seleto grupo, já que ela agora tem 61% das ações da companhia estatal portuguesa TAP, já integrante. Acompanhe:

DIÁRIO – A Avianca Brasil ingressa na Star Alliance no próximo mês. Quais são suas expectativas?

IAN GILLESPIE – Na  próxima semana, em Varsóvia, na Polônia, teremos a reunião do Conselho da Star Alliance onde será certificada a entrada da Avianca Brasil; isto feito, no próximo dia 22 de julho ela passa a integrar formalmente a aliança global.

A expectativa realmente é de grande otimismo já que a Avianca Brasil se integrará com a Avianca Internacional que já faz parte do grupo. Isto oferecerá ao mercado brasileiro o alto padrão de conectividade e serviços para todos os passageiros e clientes com todas as 13 companhias membros que operam no Brasil, tendo a oportunidade de exercer, de uma maneira mais eficiente e de alto padrão de serviços, a malha da Avianca Brasil para os clientes deles e, claro, inserir a Avianca globalmente através da aliança em todos os lugares onde existe a presença das empresas da aliança. É uma excelente oportunidade para a empresa e um maior benefício aos passageiros que usam as companhias da Star Alliance.

DIÁRIO – A entrada da Avianca Brasil supre a demanda que a TAM deixou de atender?

IAN GILLESPIE – Exatamente. A TAM era a empresa da aliança que cobria o mercado brasileiro e com a saída, a Star Alliance ficou sem aquela presença no mercado, então, sem dúvida, a entrada da Avianca Brasil vai oferecer à aliança essa conectividade que precisa para um mercado tão importante. Sim, a Avianca Brasil vai tomar o lugar para oferecer aos clientes da aliança a conectividade no país.

"Um cliente da Lufthansa que vem ao Brasil, sabendo que a Avianca Brasil faz parte da aliança, vai ter mais tranquilidade ao saber que terá um atendimento do mesmo padrão" (Foto: divulgação)
“Um cliente da Lufthansa que vem ao Brasil, sabendo que a Avianca Brasil faz parte da aliança, vai ter mais tranquilidade ao saber que terá um atendimento do mesmo padrão” (Foto: divulgação)

DIÁRIO – Além das conexões, quais são os principais benefícios oferecidos pela Star Alliance aos passageiros?

IAN GILLESPIE – Na aliança, cada empresa atua independentemente, com seus próprios produtos, seus próprios voos, sua malha, seus programas de milhagens, seus serviços. Para oferecer o alto padrão ao usuário, a empresa membro tem um nível de atendimento que é autorizado e qualificado pela Star Alliance. Oferece aos clientes uma corrente sem bloqueios para eles possam voar com todas as empresas com a mesma passagem. Em qualquer lugar do mundo onde o cliente esteja, ele terá um local autorizado ou administrado pela aliança para ter o máximo de conforto.

Além disso, as empresas têm os programas de milhagem, que são independentes, cada empresa tem o seu, mas sendo da aliança, esses programas se conectam quando há acordos entre as companhias. Por exemplo, você pode voar em uma empresa da aliança e ganhar pontos e usufruir milhas e pontos em outra empresa do grupo, com as mesmas condições.

Isso significa para o cliente ter um cartão ou um programa de fidelidade com uma das 29 empresas (no mundo) da Star Alliance, com um alto padrão de atendimento, sala vip, etc… É muito atrativo ao viajante.

DIÁRIO – O que é mais significativo, para as companhias aéreas, ser integrante da aliança?

IAN GILLESPIE – Para as empresas aéreas é muito importante porque todas passam a ter o mesmo padrão de atendimento, as mesmas condições para oferecer aos passageiros e os mesmos benefícios para viajantes frequentes; cria-se essa solidariedade com o cliente. Por exemplo, um cliente da Lufthansa que vem ao Brasil, sabendo que a Avianca Brasil faz parte da aliança, vai ter mais tranquilidade ao saber que terá um atendimento do mesmo padrão. Para a companhia aérea (Avianca Brasil) é muito importante, já que, caso o cliente não tenha um conhecimento anterior da Avianca Brasil, através da Star Alliance, vai escolher a empresa.

Para as companhias é muito importante fazer parte da Star Alliance porque a identifica como uma empresa de qualidade e com um nível de atendimento que entrega aos passageiros o que eles esperam receber.

"Para oferecer o alto padrão ao usuário, a empresa membro tem um nível de atendimento que é autorizado e qualificado pela Star Alliance" (Foto: divulgação)
“Para oferecer o alto padrão ao usuário, a empresa membro tem um nível de atendimento que é autorizado e qualificado pela Star Alliance” (Foto: divulgação)

DIÁRIO – Com a compra de uma parte da TAP pela Azul, a Star Alliance convidará a companhia brasileira para se filiar?

IAN GILLESPIE – A Star Alliance está sempre atenta aos mercados importantes para o desenvolvimento do espaço aéreo no mundo. Como tal, a aliança já tem clientes próprios, é a soma dos passageiros dos membros que fazem com que a aliança cresça e desenvolva seus produtos. Precisamos e procuramos empresas com o nível de atendimento, segurança, com toda uma variedade de pontos-chave que um candidato tem que atingir para ser considerado.

O que normalmente acontece é que uma empresa que já é membro da Star é como um padrinho, que indica que em determinada região há uma empresa com a qual trabalha e conhece, tem relacionamento, uma empresa que está se desenvolvendo muito bem, indo pelos caminhos padrão da Star Alliance e gostaria de indicar como uma possível nova candidata. Esse é o caso da Avianca Brasil, que tem como padrinho a própria Avianca Internacional.

A TAP já é um antigo membro da Star, a nova concepção majoritária da TAP irá definir no futuro, mas certamente a Star Alliance tem interesse em ter empresas de qualidade dentro da aliança.

www.staralliance.com/pt

 

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

O que os hoteleiros falam sobre as OTA’s que não querem negociar

Em um momento como esse que o país atravessa, um  número cada vez maior de pequenos e médios hotéis, pousadas e até grandes hotéis...

CNC projeta queda de 6,1% no PIB em 2020

Diante da incerteza em relação à superação da crise provocada pelo novo coronavírus e do grau de contaminação da economia, a Confederação Nacional do...

Empresas conseguem suspender pagamento de energia na primeira instância

Uma empresa que está em recuperação judicial conseguiu na Justiça o direito de pagar apenas a energia consumida. A empresa havia comprado energia no...

Universal Orlando Resort anuncia reabertura de alguns hotéis a partir do dia 2 de junho

A partir de 2 de junho de 2020, alguns hotéis do Universal Orlando Resort irão reabrir para os hóspedes. A reabertura desses hotéis será...

Bolivianos voltarão para casa depois de meses retidos na Alemanha

Os membros de uma orquestra boliviana que inclui flautas tradicionais esperam voltar para casa na próxima semana depois de ficarem retidos em um castelo...

Senado aprova projeto que oferece crédito para profissionais liberais

Em sessão remota nesta quinta-feira (28), o Plenário do Senado aprovou o projeto que abre linha de crédito especial para profissionais liberais durante a...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias