Polo no Rio: A instalação de cassinos no Rio poderá gerar até R$ 80 bilhões de dinheiro novo

Por Sérgio Ricardo de Almeida* –

O Rio tem recebido a visita de empresários de cassinos, que administram os maiores empreendimentos do planeta. Gigantes do setor estão vindo à cidade para sondar e já demonstram intenção de instalar sete ou oito cassinos aqui. Não em outros locais do país.

Diante do comportamento do mercado, nada mais natural pensarmos que faz sentido para o país a criação do primeiro polo da indústria de cassinos no Rio, como projeto-piloto para o Brasil. Pela inquestionável vocação turística e cultural da cidade, pelos recentes investimentos feitos em infraestrutura, transporte, aeroportos — todos testados e aprovados pelos visitantes que recebemos na Copa do Mundo e nas Olimpíadas —, pela experiência reconhecida na indústria de entretenimento e gastronomia e pela ampla rede hoteleira instalada.

Ao escolher um modelo concentrado no Rio, o Brasil tem a chance de promover o desenvolvimento do setor e pode gerenciar de forma mais eficiente os controles operacional e fiscal necessários. A cobrança de royalties e a participação nas outorgas dos cassinos no Rio gerarão receitas que serão distribuídas aos demais estados, afinal, estimativas apontam que 70% deles não têm atratividade para o setor de cassinos.

Os CEOs dos grandes grupos querem investir alguns bilhões no desenvolvimento deste mercado ainda inexplorado no Brasil. Investimento que abarcaria setores como o da Construção Civil, da Tecnologia de Informação, de Hotelaria; todos com grande potencial de geração de empregos. Além disso, é necessário e urgente ocupar Porto Maravilha e Barra da Tijuca, áreas renovadas para os Jogos Olímpicos que precisam de funções para justificar os investimentos já feitos.

O Rio de Janeiro possui qualidades para entrar no hall das cidades nas quais os jogos foram legalizados e desenvolveram a indústria ao redor. E a experiência demonstra que apenas um terço destas receitas são provenientes da atividade do jogo em si. O maior volume de recursos advém da estrutura de serviços desenvolvida em torno dos cassinos. Las Vegas, por exemplo, é hoje um dos destinos mais populares para grandes eventos e convenções, com ocupação de 97% dos hotéis.

As vantagens são inequívocas. Estima-se que somente a implantação de cassinos trará entre R$ 60 e R$ 80 bilhões de dinheiro novo. Considerando a média de 30% de tributação do jogo no mundo, arrecadação de R$ 24 bilhões. E nada impede que os outros estados, à medida que atraiam investimentos e assimilem a experiência do polo de cassinos do Rio de Janeiro, possam igualmente criar seu mercado.

Assim todos ganham. Principalmente o Brasil, que precisa ver uma luz no fim do túnel e a economia voltando a caminhar. O mundo dá sinais que está de olho nas oportunidades que podem surgir do nosso país e não só nas nossas crises e escândalos o que, vamos combinar, é uma ótima notícia.

*Sérgio Ricardo de Almeida é presidente da Loteria do Estado do Rio de Janeiro (Loterj).
Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Prefeitura de Salvador dá 40% de desconto do IPTU para hotéis até 2023

Diante da crise provocada pela pandemia, o prefeito de Salvador, ACM Neto, anunciou, nesta quinta-feira (6), medidas tributárias e fiscais de incentivo à economia,...

ABEOC faz nota de repúdio e exige de governos data de retorno dos eventos

A presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos - ABEOC - Fátima Thereza Facuri Leirinha, acaba de divulgar uma nota de repúdio à...

Hplus Hotelaria anuncia retomada de suas atividades em Brasília

A Hplus Hotelaria já obteve o selo de Turismo Responsável e  posiciona-se como referência em hospedagem segura e confiável em meio à pandemia EDIÇÃO DO...

Campanha tenta impedir fechamento do restaurante Itamarati, no centro de São Paulo

Desde 1940, advogados, juízes, políticos e diversas autoridades apreciam o bolinho de bacalhau e a empada do Itamarati, restaurante em frente à Faculdade de...

Webinar denuncia: “golfinhos criados em cativeiro vivem menos”

O biólogo e professor do Instituto de Biociências da Unesp, Mario Rollo apresentou na noite desta quarta-feira (5) o Webinar: “Atrações com golfinhos e a...

Embraer tem prejuízo de R$ 1,68 bilhão no segundo trimestre

A fabricante de aeronaves Embraer encerrou o segundo trimestre com prejuízo líquido atribuído aos sócios da controladora de R$ 1,68 bilhão, comparável a lucro...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat