Instituto da Cultura Árabe repudia show de Gil e Caetano em Israel

O DIÁRIO recebeu um comunicado na tarde desta quinta-feira (4) do Instituto da Cultura Árabe. No documento,  o instituto repudia a decisão dos cantores Gilberto Gil e Caetano Veloso de realizar uma apresentação musical em Tel Aviv, Israel, em 28 de julho. “O ICArabe apoia o Comitê Nacional Palestino da BDS (campanha global de Boicote, Desinvestimento e Sanções) na ação  “Tropicália não combina com apartheid”, diz o comunicado.

Os cantores brasileiros têm recebido manifestações públicas para cancelarem a sua agenda em Israel, entre elas a do compositor inglês Roger Waters, que pediu em carta que Gil e Caetano não imprimissem legitimidade a um regime ilegal de ocupação com o show.

Em sua mensagem, Waters recorda dezenas de artistas internacionais que, “preocupados com direitos humanos na África do Sul do apartheid”, se recusaram a tocar por lá na época. “Aqueles artistas ajudaram a ganhar aquela batalha e nós (…) vamos ganhar esta contra as políticas similarmente racistas e colonialistas do governo de ocupação de Israel. Vamos continuar a pressionar adiante, a favor de direitos iguais para todos os povos da Terra Santa”, afirmou.

Perfil

Ainda, no comunicado, o Instituto descreve seu perfil como uma entidade civil, autônoma, laica, de caráter científico e cultural, que visa integrar, estudar e promover as várias formas de expressão da cultura árabe, antigas e contemporâneas, e encorajar o reconhecimento de sua presença na sociedade brasileira e em todo o mundo. “Entendemos que a cultura tem um papel relevante na promoção da justiça social e que artistas devem enxergar sua arte como formas de combater o desrespeito aos direitos humanos, prática de Israel há mais de 67 anos contra o povo palestino”, diz a nota.

“Gil e Caetano foram os criadores da Tropicália, um movimento que surgiu à época da ditadura no Brasil e que carregava em suas letras e harmonias preocupações críticas da década de 60, construindo pela arte uma elaboração estética da política, desafiando a violência do governo militar.

É inaceitável que tais artistas, que levantaram sua arte por ideais de justiça e liberdade, prestem-se a legitimar um dos Estados mais violentos do planeta, que, diariamente, rouba do povo palestino seu direito à autonomia, à terra, à dignidade e à vida”.

O documento é assinado pela diretoria do Instituto da Cultura Árabe

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial