Justiça afasta ISS sobre comissões de Agência de Turismo 

Por Marcelo Vianna*

Recente decisão judicial concede o direito à agência de turismo de não recolher ISS** sobre os serviços no exterior por ela intermediados, permitindo ainda o pedido de restituição dos valores recolhidos a tal título nos últimos cinco anos.

A agência beneficiada pela decisão, embora sediada em São Paulo, capital, oferece em site serviços turísticos prestados por empresas estrangeiras no exterior, as quais lhe remuneram por comissão, razão pela qual, quando do ajuizamento da ação, alegou que sua atividade seria uma modalidade de exportação de serviços de intermediação, operação sobre a qual não incide ISS nos termos do art. 2ª, inciso I, da Lei Complementar n. 116/2003.

Ocorre que o fisco municipal, que detém a competência para cobrar o ISS, entende que os serviços em questão são integralmente prestados e geram consequências no território nacional, razão pela qual a atividade de intermediação não pode ser considerada como exportação. Logo, o ISS (na alíquota de 5%) deve incidir sobre as comissões recebidas pela agência.

Contudo, o juiz José Gomes Jardim Neto da 9ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de São Paulo*** concluiu como “inequívoco nos autos que o beneficiário do serviço se encontra no exterior, pois lá se situam as empresas obrigadas a remunerar a autora em virtude de reservas em seus estabelecimentos“, julgando procedente a ação para afastar a incidência do ISS sobre “as receitas decorrentes das atividades de intermediação em favor de empresas situadas no exterior, condenando ainda a municipalidade a restituir os valores indevidamente pagos pela agência nos últimos 5 anos.

A polêmica sobre a incidência do ISS na exportação de serviços existe desde 2003 e está longe de terminar por conta da recente decisão (que se trata de uma sentença, passível portanto de reforma pelas instâncias superiores). Contudo, a partir de dela, tem-se uma nova abordagem sobre o tema, que inclusive pode beneficiar a intermediação de outros serviços, que não só aqueles vinculados ao turismo.

*Marcelo Soares Vianna é mestre em direito, advogado atuante no setor do turismo, sócio do escritório VIANNA & OLIVEIRA FRANCO ADVOGADOS (www.veof.com.br) e responsável técnico pelo conteúdo da coluna “Direito e Turismo” do Diário do Turismo. Para eventuais considerações acerca do conteúdo enviado, está à disposição pelo endereço:marcelo@veof.com.br

 

** ISS – Imposto Sobre Serviços

 

*** Processo n. 1022950-31.2017.8.26.0053

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Ilha de Páscoa: uma viagem ao umbigo do mundo

Nos últimos anos a população tem sido consultada a respeito da dependência do governo chileno Por Paulo Atzingen (de Hangaroa – Ilha de Páscoa) -...

ABBTUR Nacional se reorganiza e elabora pesquisa junto a afiliados

A ABBTUR Nacional - Associação  Brasileira de Turismólogos e profissionais de Turismo promoveu esta semana uma reunião extraordinária com suas seccionais, para uma avaliação do...

Rede Blue Tree oficializa sua cooperação com profissionais da Saúde

A rede Blue Tree Hotels oficializou nesta quinta-feira (9) sua participação na guerra contra o coronavírus e abre seus hotéis no Brasil para receber...

Beatriz de Carvalho, da Hotec: “nossos alunos têm bolsa por meritocracia”

HOTEC colocou no mercado 600 novos profissionais em 2016REDAÇÃO DO DIÁRIO - 15 ANOS DIÁRIOS - PUBLICADO DIA 17 DE JUNHO DE 2016Independente dos...

15 filmes relacionados ao tempo para ver na quarentena

Diante da pandemia do novo coronavírus, o isolamento social já é realidade de muitos países, inclusive do Brasil. Para lidar com esta situação, é...

Contágio Bastardo – Crônica de Osvaldo Alvarenga*

Um mês depois do primeiro diagnóstico de COVID-19, Portugal entrou na fase de mitigação. É o nível de alerta mais alto, avisou a Senhora Ministra da...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias