O emprego nunca mais será o mesmo – por Walter Vieira*

Os dramas da quarentena na economia serão profundos e não há ainda como mensurar seus impactos no mercado de trabalho, mas uma coisa é certa: quando a pandemia arrefecer o emprego nunca mais será o mesmo. Não haverá mais espaço para modelos tradicionais e todos teremos que nos reinventar. As próprias companhias estão revendo seus modelos em função da crise e já consideram mudar a forma de operar com os aprendizados da dinâmica imposta. E isso não se limita ao home office propriamente dito, mas ao jeito de trabalhar e de gerir equipes, que também se tornaram mais exigentes diante dos riscos. 


Trata-se de um dos principais desafios para a retomada da economia, que caiu 4,1% no ano passado, menor taxa da série histórica. A taxa de desocupação atingiu 14,2%, segundo dados do IBGE divulgados ao final de março. E pode piorar este ano, pois é preciso levar em conta que a taxa de desemprego atual está subestimada, já que parte da população que ficou sem emprego durante a pandemia não está procurando recolocação por medo de se contaminar. Como, por definição, a taxa de desemprego calculada pelo IBGE se baseia em quem está efetivamente procurando trabalho, pode-se esperar que, ao crescer o número de vacinados, haja o aumento da busca por trabalho, pressionando a taxa de desemprego. 

As perspectivas no início de 2021 eram de otimismo, com crescimento do PIB acima de 4% e, consequentemente, melhora do desemprego, última variável econômica a retomar. Isso porque, tradicionalmente, as empresas precisam ter segurança para voltar a investir e a contratar colaboradores. Entretanto, a piora da pandemia neste primeiro trimestre, que provocou o retorno ao isolamento social, mudou as expectativas. Agora, é preciso lidar com o cenário incerto em que muitas empresas estão fechando as portas. 

Eis a tempestade perfeita que traz à tona novamente o conceito de trabalhabilidade – competência de manter-se trabalhando e gerando renda, mesmo com fontes alternativas.

Esta será a saída que amenizará os impactos da crise tanto para o trabalhador quanto para a empresa. Do lado do primeiro, há a dificuldade em encontrar vagas formais no mercado de trabalho. Do outro, existe o temor de investir no aumento da equipe sem a certeza de como a demanda se comportará.

A receita vai se manter para fazer frente aos custos?  O quanto o novo colaborador agregará à empresa?

A trabalhabilidade pode quebrar esse ciclo, ao exigir capacidade de se adaptar e originar renda a partir das próprias habilidades, o que vai muito além da ideia de emprego. Há a necessidade de se desenvolver multicompetências, exigidas em qualquer função, e que representem verdadeiramente desenvolvimento humano, sem perder de vista o impacto das novas tecnologias.

Lidar com a vida sob pressão, desenvolver potenciais ainda não explorados, encontrar possibilidades que antes eram desconhecidas, a fim de conquistar independência, e proatividade para gerar receita. Todas essas são competências buscadas na hora da contratação, que também ganhou novas formas a partir da reforma trabalhista. Caso do trabalho intermitente, que também já contribuiu para aumento das vagas com carteira assinada.

A trabalhabilidade tende a provocar a sociedade a se reinventar a todo o momento, não se conformar com uma situação, e buscar novas oportunidades, mesmo diante de um ambiente adverso como o que vivemos.

 —————————————

*Walter Vieira é CEO do Closeer, aplicativo que conecta profissionais às empresas.

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    CNC: volume de receitas do turismo brasileiro encolheu 36,6% em 2020

    Entretanto, segundo a CNC,, a expectativa da vacinação traz a projeção de um avanço de 18,8% Com as medidas restritivas impostas nos estados brasileiros, em...

    Porto de Galinhas lança campanha de incentivo para agentes de viagens

    Nesta quinta-feira (22), Porto de Galinhas lançará uma campanha de incentivo voltada para os agentes de viagens com intuito de ajudar os profissionais do...

    Viação Executiva é alternativa para viagens privadas

    Em momentos de pandemia, poder contar com aeronaves privadas é um privilégio, especialmente se essa possibilidade vem acompanhada de uma oferta de serviço que...

    Hotéis de Floripa personalizam roteiros com foco no turismo de natureza

    Com as mudanças de hábitos e comportamento dos turistas por causa da Covid 19, os destinos turísticos precisaram se adaptar às novas tendências e...

    United Airlines tem prejuízo de US$ 1,357 bi no 1º trimestre

    A United Airlines registrou prejuízo líquido de US$ 1,357 bilhão no primeiro trimestre de 2021, em resultado melhor do que o divulgado no mesmo...

    American Airlines suspende voos para a América do Sul

    A American Airlines anunciou na segunda-feira que reduzirá voos para alguns destinos na América do Sul porque a pandemia Covid-19 diminuiu a demanda. EDIÇÃO DO...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing
    Olá.
    Esse é um canal exclusivo para Pautas e Marketing.