O que diferencia o profissional de marketing?

Por Sandra Maia* –

Além do brilho nos olhos, da disponibilidade e da autonomia, o diferencial do profissional de marketing está totalmente vinculado à facilidade que tem de se comunicar e tornar claro o que percebe do mercado. Nesse sentido, não basta ser criativo. Não basta ter um projeto inovador. É preciso saber apresentar propostas, ideias e conseguir implantar aquilo que foi criado.

E isso não é simples, nem fácil, especialmente porque as formas de comunicação estão mais complexas e variadas, o que pode ser determinante para o sucesso ou insucesso de qualquer projeto.

Talvez por isso, o profissional de marketing dependa de tantas informações, pesquisas, fatos e dados. Não dá para iniciar uma conversa ou propor uma mudança com o famoso “eu acho”. Isso não funciona, não funcionou e não vai funcionar.

Os projetos de sucesso têm toda a sua base na interpretação correta das informações disponíveis. Agora, se não há informação, não há como inferir, criar, organizar, planejar.

A competência está, então, vinculada à visão do negócio, ao conceito da marca, às tendências de mercado, à definição assertiva da estratégia correta. Ou seja, um profissional de marketing deve ser, sim, um pesquisador nato ou ter ao seu lado pesquisadores que possam lhe assessorar com tudo o que for relevante, fizer sentido, contribuir para o propósito e objetivos do negócio.

Sim, porque não basta ser criativo e inovador. Como afirmado acima, o profissional de sucesso é aquele que consegue acompanhar o negócio sem tirar o olho do mercado, e vice-versa. Entender o que vai dentro e fora da organização, o que vai dentro e fora do setor de atuação e de outros setores que vêm sendo impactados por novos players, novas possibilidades, outras ideias.

Nesse contexto, compreender o cliente, suas necessidades, o que o move, é só uma parte. O profissional precisará sempre mais, se quiser se destacar. O que o cliente quer, como é impactado nos pontos de contato com a marca, quais os melhores canais de distribuição, qual a imagem que possui da marca? Qual a relação que mantém com a marca etc.. (leia-se aqui cliente, como cliente interno, externo, parceiro, fornecedor, etc..).

É! O mundo mudou. O consumidor mudou. O marketing, por consequência, mudou. Relembrando Kotler…

  • MKT 1.0: o produto estava no centro e era vendido da melhor forma. Não havia informação do cliente, nem computadores, nem informações.
  • MKT 2.0: o cliente estava no centro e suas informações impactavam na estratégia dos negócios. Dados demográficos, psicológicos e socioculturais começam a aparecer.
  • MKT 3.0: as empresas estão no centro e precisam mostrar seu propósito, seus valores e cultura em prol de uma vida melhor. O consumidor passa a ser visto como um ser completo, com angústias, preocupações e consciente dos problemas à sua volta. As empresas passam a atuar de forma holística, tudo é marketing, tudo é estratégico. O que conta é ser ético, ecológico, lucrativo.
  • MKT 4.0 (Agora): a sociedade está no centro e o consumidor – dissecado pelo digital – demanda que as organizações se preocupem não só com os quatro P’s: praça, preço, produto, promoção. É preciso estar atento às pessoas, ao planeta, à experiência e ao engajamento. Ética, cidadania, diversidade, colaboração, respeito, propósito, proposta de valor estão em jogo. Se faz bem, ok. Se não faz bem, não é consumido.

Então: sim, ficou mais complexo fazer e atuar em marekting. E é só a partir desse entendimento é que se pode construir marcas fortes e relevantes, que se relacionem com seus públicos de forma saudável, correta.

Nesse contexto, marcas que vão ao encontro dos desejos e necessidades de consumo ganham espaço rapidamente e se tornam mais e mais necessárias – elas fazem sentido. Tornam-se amigas, estabelecem vínculos, são compreendidas como parte da família e, por isso, engajam, comprometem, se diferenciam. Você quer atuar em marketing? Prepare-se. O desafio e as mudanças estão só começando.

*Sandra Maia, especialista em comunicação empresarial, é coordenadora dos cursos de graduação do Centro Universitário Senac: Bacharelado em Hotelaria e Tecnologia em Eventos; e também  consultora nas áreas de Comunicação e Marketing: https://www.cenariostraw4web.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redação
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais recentes

    Tecnologia e sustentabilidade devem ser as prioridades para o setor do turismo nos próximos 20 anos

    A crise que afetou o mundo em 2020 fez o setor do turismo sofrer com alguns dos piores números desde a década de 50....

    Dubrovnik, na Croácia, uma pérola lapidada e visitada pelo DIÁRIO

    A terceira cidade visitada pelo DIÁRIO em tempos de pandemia e de forma virtual é Dubrovnik, a pérola do Adriático, na Croácia. Por Paulo Atzingen* Dubrovnik...

    LATAM aceitou decisão do caso das juízas, por respeito ao Poder Judiciário

    O site Consultor Jurídico desta quinta-feira (26) publicou uma decisão do 2º Juizado Especial Cível de Niterói que condenou a companhia aérea Latam a pagar...

    Estados Unidos exigirá fiança de até $15 mil para concessão de vistos, Brasil está fora

    A partir do dia 24 de dezembro, quem quiser viajar para os Estados Unidos além de preencher o DS-160 e  recolher as taxas usuais...

    Ilhabela inaugura novo receptivo turístico, junto à balsa

    Para estruturar ainda mais o turismo em Ilhabela, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo do município inaugurou nesta sexta-feira (27) o receptivo turístico...

    Hopi Hari anuncia retorno de sua torre no dia que completa 21 anos

    O Parque Temático Hopi Hari confirmou, esta semana, o retorno de uma de suas atrações mais conhecidas: a torre de queda livre. Esta decisão se baseou...

    Relacionadas

    Open chat