O Rio, o legado das Olimpíadas e o turismo – por Bayard Boiteux*

 

Minha maior preocupação hoje, devo confessar, é com o futuro do Rio, após as Olimpíadas. Muito me preocupa a forma de manutenção das instalações olímpicas na cidade pois não vimos até agora nenhum plano específico. Muitos discursos sobre a pseudo-revolução carioca, que além de ter custado muito caro, hoje ainda pode necessitar de mais recursos públicos, como afirmou o eterno presidente Nuzman. A Copa foi um exemplo de falta de planejamento: cidades ganharam estádios super dimensionados sem utilização real até hoje, alguns hotéis fecharam e outros estão se transformando em clubes ou hospitais na imensidão do território brasileiro.

É claro que os recentes episódios de insegurança ocorridos no Rio levaram a uma imagem ruim e de total falta de tranquilidade 30 dias antes do evento.

É claro que os recentes episódios de insegurança ocorridos no Rio levaram a uma imagem ruim e de total falta de tranquilidade 30 dias antes do evento. Fora as declarações do prefeito do Rio sobre a má gestão administrativa do Estado do Rio de Janeiro, sinceramente essas declarações não ajudam em nada  num momento de tanta dificuldade. Tenho certeza, no entanto, que durante a realização do evento, teremos policiamento ostensivo, inclusive com as forças de segurança nacional, patrulhando os locais de competição e fluxos de turistas. O grande desafio é como ficaremos na conclusão das Olimpíadas: os carros terão combustível, os salários serão pagos, as upas mantidas e como serão motivados os bravos integrantes das forças de segurança? A imagem arranhada do Rio não poderá ser descuidada nenhum momento e talvez seja a hora da Prefeitura apresentar um plano de marketing com ações pontuais e metas para começarmos a trabalhar.

A grande parte dos meios de hospedagem construídos e que se apresentam pela qualidade na prestação de serviço, hoje uma marca do Rio, passaram por uma crise nunca vista e vão gerar desemprego. A ocupação pós-Olimpíada não deve superar os 40%, excetuando em estabelecimentos com gestão profissional na comercialização, o que não é uma constante na gestão fluminense. Os operadores do Receptivo se viram alijados do processo como tem ocorrido nos grandes eventos esportivos.

O legado do transporte é real. O BRT tem sido, apesar de insuficiente em alguns horários, um meio de locomoção rápido e que reduziu as distâncias na cidade. No entanto, falta segurança em algumas estações e horários. Fora os vândalos que destroem os ônibus, as estações e se comportam inadequadamente dentro do transporte.Vamos reforçar as campanhas educacionais e a supervisão das estações, hoje nula, com apenas controle das roletas.

Deixo de pedir tanto e me concentrar na sobrevivência pós-evento de nosso maior produto turístico, o Rio de Janeiro

Vejo também com alegria o metrô chegando no Jardim Oceânico na Barra.os novos viadutos na saída e entrada da Barra e o BRT transoeste até Deodoro. A integração dos meios de transporte ainda é precária. Imaginem o 613 que faz a ligação Del Castilho-Cidade Olímpica não tem integração com o metrô, cobrando duas tarifas. A melhoria da mobilidade urbana passa por uma verdadeira integração: outro exemplo, não existe integração metro-trem.

Sou um apaixonado pelo  Rio, um estudioso mas consciente de minhas atribuições como cidadão. Vou torcer para as Olimpíadas, para que os ruídos entre as administrações municipal-estadual e federal diminuam. Queria muito ver um país com menos delações de poderosos para que escapem de penas maiores mas com preocupação com nossa sobrevivência e legado após um dos maiores eventos esportivos do mundo. Queria muito que tivéssemos um Ministro de Turismo e uma Embratur atuante. Enfim, deixo de pedir tanto e me concentrar na sobrevivência pós-evento de nosso maior produto turístico, o Rio de Janeiro.

bayard-boiteux*Bayard Do Coutto Boiteux é vice-presidente executivo da Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ,coordenador do curso de Turismo da UNISUAM ,gerente de turismo do Preservale e presidente do Site Consultoria em Turismo.(www.bayard boiteux.com.br)

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Prefeitura de Salvador dá 40% de desconto do IPTU para hotéis até 2023

Diante da crise provocada pela pandemia, o prefeito de Salvador, ACM Neto, anunciou, nesta quinta-feira (6), medidas tributárias e fiscais de incentivo à economia,...

ibis, ibis Budget e Adagio e minhas três Marias 

15 ANOS DIÁRIOS - Artigo publicado dia 1º de janeiro de 2018 por Paulo Atzingen** Comprei três apartamentos no coração de São Bernardo do Campo em...

Campanha tenta impedir fechamento do restaurante Itamarati, no centro de São Paulo

Desde 1940, advogados, juízes, políticos e diversas autoridades apreciam o bolinho de bacalhau e a empada do Itamarati, restaurante em frente à Faculdade de...

ABEOC faz nota de repúdio e exige de governos data de retorno dos eventos

A presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos - ABEOC - Fátima Thereza Facuri Leirinha, acaba de divulgar uma nota de repúdio à...

Hplus Hotelaria anuncia retomada de suas atividades em Brasília

A Hplus Hotelaria já obteve o selo de Turismo Responsável e  posiciona-se como referência em hospedagem segura e confiável em meio à pandemia EDIÇÃO DO...

Webinar denuncia: “golfinhos criados em cativeiro vivem menos”

O biólogo e professor do Instituto de Biociências da Unesp, Mario Rollo apresentou na noite desta quarta-feira (5) o Webinar: “Atrações com golfinhos e a...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat