Os Encantos da Praça em Itamoji (MG)

Gabriel Emidio Silva*

Feche os olhos e pense na cidade de Itamogi (MG). A imagem mais imediata que se descortina dos domínios da memória é a Igreja de São João Batista. Solene, sólida e majestosa, concentra ao redor de si o vazio vivo da praça. Espaço e tempo se misturam, perpetuando a singularidade deste fragmento do planeta construído, modificado, retraduzido e entranhado no sentimento de ser itamogiense – de nascimento ou de coração.

Nas minhas digressões mais longínquas, a lupa do retrovisor alcança o final dos anos 50, vestindo calça curta de brim surrada, camisa de flanela, um par de botinas de vaqueta – sempre deslumbrado pelas luzes da cidade, pelo glamour dos poucos automóveis de então e pela possibilidade de ganhar um picolé de limão ou de groselha. Ou, quem sabe, um guaraná caçula. Menino da roça, tímido e retraído, tutelado pelos adultos da família.

O tempo foi passando e, com ele, ficou para trás a deliciosa ingenuidade pré-escolar. Aos poucos, meus olhos foram descobrindo as novas facetas da praça. E do casario em torno dela – residências imponentes, bares, lojas, barbearias e o legendário Cine Éden. Na primeira matinê da vida, fiquei o tempo todo esperando a aparição do Vadico, o dono do cinema, na tela. Realidade, fantasia e inocência se mesclavam. E voavam nas asas da imaginação.

Aos poucos, meus olhos foram descobrindo as novas facetas da praça

As calças um dia ganharam pernas e o rosto as primeiras espinhas – discretas mas um sinal claro de novidades. Quando o alto-falante do Cine Éden abria a noite ao som do prefixo inesquecível – La Paloma, com a orquestra de Billy Voughn, começava o footing. Moços e moças se cruzavam numa incansável roda-viva movida a suspiros, flertes, recadinhos e, com algum jeito e sorte, um deleitável pit-stop num dos bancos de cimento armado. Ali, sob olhares mexeriqueiros do footing, os pombinhos nem se tocavam – que vergonha!

A testemunhar o ritual de sábados, domingos e dias de festa, reinava o jardim pontilhado de árvores alinhadas e belas, mesmo quando infestadas das incômodas lacerdinhas. Um dia o jardim ganhou a fonte luminosa –evento progressista, impregnado de urbanismo primitivo e carinho pela cidade. Nas calçadas e janelas das casas, os mais velhos apreciavam o movimento e estocavam repertório para alimentar as conversas da semana. Da praça, um pulo para as primeiras beberagens e pileques. E o ponto para se combinar o baile de roça mais votado da noite.

Ah! Se os bancos da praça ouvissem e falassem, quantas juras de amor teriam a revelar…

Nos bancos mais protegidos dos globos luminários, localizados nas laterais e atrás da igreja, os namorados cediam aos apelos dos corações palpitantes. E se tocavam, entrelaçavam as mãos, se afagavam na delicadeza dos abraços e se entregavam ao torpor desajeitado dos primeiros beijos. Ah! Se os bancos da praça ouvissem e falassem, quantas juras de amor teriam a revelar. Quantas confidências inconfessáveis, paixões derretidas e histórias de amor dissolvidas na poeira do tempo.

Bancos singelos, com profundo sentido gregário. Se à noite aconchegavam os namorados, depois da missa das 9 acolhiam as famílias devotas, umas mais, outras menos granfas em seus trajes domingueiros. Em cada banco, a inscrição com o nome do doador, local de moradia e até função social. Sempre associei os créditos aos beneméritos dos bancos às inscrições lapidares. As pessoas passam, mas deixam rastros. Os nossos antepassados, pioneiros, corajosos e sonhadores, do jeito que puderam, construíram um legado digno de respeito, reverência e preservação.

O menino cresceu, tomou tento, cismou, matutou, decidiu e partiu. Num emaranhado de emoções, dúvidas e medos, embarcou num trem da Mogiana rumo a outro mundo. Na bagagem invisível alojada no coração, a cada sacolejo do vagão, instantâneos fotográficos de tudo que deixava para trás.

O menino cresceu, tomou tento, cismou, matutou, decidiu e partiu

Pessoas queridas, caminhos e cheiros, paisagens ancestrais, paineiras colossais, comunheiras em meio ao verde dos cafezais – o vínculo profundo com o chão onde eu nasci. Mas a orientar todas as lembranças desde a primeira partida, o selo mental, o ícone, a marca civilizatória de Itamogi – a praça da igreja de São João Batista.


* Gabriel Emidio Silva é itamogiense do Córgo da Onça e vive de ler, prestar atenção e escrever

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

O que os hoteleiros falam sobre as OTA’s que não querem negociar

Em um momento como esse que o país atravessa, um  número cada vez maior de pequenos e médios hotéis, pousadas e até grandes hotéis...

CNC projeta queda de 6,1% no PIB em 2020

Diante da incerteza em relação à superação da crise provocada pelo novo coronavírus e do grau de contaminação da economia, a Confederação Nacional do...

Empresas conseguem suspender pagamento de energia na primeira instância

Uma empresa que está em recuperação judicial conseguiu na Justiça o direito de pagar apenas a energia consumida. A empresa havia comprado energia no...

Universal Orlando Resort anuncia reabertura de alguns hotéis a partir do dia 2 de junho

A partir de 2 de junho de 2020, alguns hotéis do Universal Orlando Resort irão reabrir para os hóspedes. A reabertura desses hotéis será...

Bolivianos voltarão para casa depois de meses retidos na Alemanha

Os membros de uma orquestra boliviana que inclui flautas tradicionais esperam voltar para casa na próxima semana depois de ficarem retidos em um castelo...

Senado aprova projeto que oferece crédito para profissionais liberais

Em sessão remota nesta quinta-feira (28), o Plenário do Senado aprovou o projeto que abre linha de crédito especial para profissionais liberais durante a...

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias