Representante da hotelaria nacional apresenta pleitos do setor ao Gabinete de Crise do Governo Brasileiro

Por meio de uma teleconferência na última sexta-feira (20), o representante da hotelaria nacional e vice-presidente do Forum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB), Patrick Mendes e o presidente executivo da entidade, Orlando de Souza, conversaram com membros do Gabinete de Crise do governo brasileiro, entre eles o ministro da Economia, Paulo Guedes.

REDAÇÃO DO DIÁRIO

Nesse diálogo de aproximadamente meia hora, Patrick integrou um time de cerca de 25 CEOs de grandes empresas nacionais que buscavam uma resposta objetiva do governo para minimizar o desastre econômico que se avizinha. Além de Paulo Guedes e o próprio presidente Jair Bolsonaro, participaram dessa teleconferência o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa.

“Consegui colocar alguns pleitos nossos, e a boa notícia é que agora o governo brasileiro não pode dizer que não sabe do problema. Tanto (Paulo) Guedes, como Bolsonaro como o Carlos da Costa agora sabem da dificuldade do turismo. Eles deram um tempo pra que eu falasse”, disse Patrick Mendes, em áudio.

Mendes explica que deixou claro aos membros do governo a situação da Ásia e da Europa e e utilizou como exemplo o seu próprio grupo econômico:. “Utilizei o nome da Accor e do grupo internacional para dizer que a coisa é muito maior do que pensávamos. Hoje estamos com uma situação que está se retomando ligeiramente na Ásia. Mas na Europa a temos 80% hotéis fechados; dos 2.800 hotéis que temos 2 mil estão fechados e continuam fechando a cada dia”, quantificou.

A segunda parte da minha fala, adianta Mendes foi sobre o Brasil e a América do Sul. Patrick comparou a desaceleração da Europa e da Ásia com a nossa região: “Vivenciamos em 4 a 5 dias o que a Europa e a Ásia vivenciou em 2 meses; uma desaceleração brutal, uma queda na ocupação e uma queda de 80% em volume de negócios. E falei que nossa indústria possui 1 milhão de pessoas que não conseguirão retornar aos seus postos sem a intervenção do governo”, disse.

Os pleitos  

Patrick apresentou os pontos mais fundamentais para a manutenção da indústria turística e hoteleira. “O primeiro é nos próximos três a quatro meses pagar o seguro desemprego e FGTS  do contrato de trabalho e cerca de 70% do salário médio (R$ 1450,00) e nós não faríamos desligamentos.

Mendes enumerou os outros pleitos, como o prazo de carência de pagamento de commodities (água, eletricidade, por exemplo) e um prazo maior para o pagamento de impostos. “Essas solicitações eles acharam fácil atender”, disse.

Na negociação, o interlocutor do governo sugeriu que os hoteleiros entrassem com 50% do pagamento dos vencimentos dos funcionários, no que Patrick respondeu que não era possível, considerando a queda no volume de entradas, na casa dos 90%.

Os custos para os cofres públicos seria de cerca de 1 bilhão de reais.

“Aguardaremos o retorno do secretário especial Ministério da Economia, Carlos da Costa, talvez até segunda-feira (23).”, finalizou Patrick.

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

PL 2034 aprovado pelo governador do Rio de Janeiro é vitória para os guias de turismo

O Projeto de Lei Nº 2034 acaba de ser aprovado pelo governador do Rio de Janeiro Wilson Witsel e se transforma na Lei Estadual...

Parques da SeaWorld na Flórida reabrirão ao público em 11 de junho

O SeaWorld Entertainment, Inc., uma das empresas de entretenimento líder no mundo, anunciou o projeto de reabertura em fases (com capacidade limitada) dos seus...

Temperaturas caem em Santa Catarina e toneladas de tainha são pescadas (Vejam vídeos)

Por Jefferson Severino especial para o DIÁRIO DO TURISMODe fato, hoje o estado catarinense completa 32 dias com temperaturas negativas. Segundo o Homem do...

Efeitos da pandemia: o fim dos blocos comerciais e início de acordos bilaterais

Por Carlo Barbieri*O mercado globalizado como o conhecemos hoje, já está em plena mudança devido à pandemia. Teremos um realinhamento na estrutura comercial do...

Pedidos de recuperação judicial aumentam depois da Covid-19

O último levantamento da Boa Vista, divulgado no início deste mês, registra alta em maio de 68,6% no número de pedidos de recuperação judicial...

Fronteiras terrestres entre Espanha, Portugal e França abrem em 22 de junho

MADRI (Reuters) - A Ministra da Indústria e do Turismo espanhola, Reyes Maroto, disse nesta quinta-feira que todas as restrições a cruzamentos nas fronteiras...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias