Artigo Jurídico: Assessoria em Conflitos no Turismo

Marcelo Soares Vianna*

O turismo, em suas inúmeras ramificações, envolve potencial conflito de interesses entre fornecedores e consumidores, ou entre os próprios fornecedores entre si, sejam eles meros intermediários ou prestadores diretos dos serviços prestados. Esta tensão, infelizmente, é inerente à atividade do setor e, embora possa ser minimizada, dificilmente deixará de existir.

Contudo, a eficiência na redução dos conflitos ou, quando inevitáveis, o índice de êxito alcançado ao final das demandas instauradas (judiciais ou extrajudiciais) está, em muito, relacionado ao grau de conhecimento que os profissionais do direito envolvidos no caso possuem acerca do setor do turismo.

Parece óbvio, mas a verdade é que não basta saber o direito, nem tampouco ter experiência com resolução de disputas em geral, tem que conhecer (e conhecer muito bem!) as peculiaridades da operação do turismo, o que permite identificar com maior precisão a origem dos conflitos e, por consequência, a estratégia de como evitá-los (e aqui vale ressaltar a grande importância da assessoria preventiva, extrajudicial) ou solucioná-los da melhor forma possível, quando inevitáveis.

Logo, seja sob a perspectiva do consumidor ou do fornecedor, expertise na área por parte do assessor jurídico que conduzirá o caso faz muita diferença, até mesmo para facilitar e agilizar a relação com o cliente, já que ambos “falarão a mesma língua”, viabilizando maior eficiência e produtividade nos resultados alcançados.

Marcelo Soares Vianna é mestre em direito, advogado atuante no setor do turismo, sócio do escritório VIANNA & OLIVEIRA FRANCO ADVOGADOS (www.veof.com.br) e responsável técnico pelo conteúdo desta coluna. Para eventuais considerações sobre o material publicado, está à disposição pelo endereço: marcelo@veof.com.br

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Pós-Pandemia: as companhias estão prontas para atender o público?

por José Cunha* É certo que este período de distanciamento social e interrupção de algumas atividades econômicas vão deixar marcas em nossa sociedade. Também é...

Prefeitura de Salvador dá 40% de desconto do IPTU para hotéis até 2023

Diante da crise provocada pela pandemia, o prefeito de Salvador, ACM Neto, anunciou, nesta quinta-feira (6), medidas tributárias e fiscais de incentivo à economia,...

ibis, ibis Budget e Adagio e minhas três Marias 

15 ANOS DIÁRIOS - Artigo publicado dia 1º de janeiro de 2018 por Paulo Atzingen** Comprei três apartamentos no coração de São Bernardo do Campo em...

Campanha tenta impedir fechamento do restaurante Itamarati, no centro de São Paulo

Desde 1940, advogados, juízes, políticos e diversas autoridades apreciam o bolinho de bacalhau e a empada do Itamarati, restaurante em frente à Faculdade de...

ABEOC faz nota de repúdio e exige de governos data de retorno dos eventos

A presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos - ABEOC - Fátima Thereza Facuri Leirinha, acaba de divulgar uma nota de repúdio à...

Hplus Hotelaria anuncia retomada de suas atividades em Brasília

A Hplus Hotelaria já obteve o selo de Turismo Responsável e  posiciona-se como referência em hospedagem segura e confiável em meio à pandemia EDIÇÃO DO...

Relacionadas

1 COMENTÁRIO

  1. Embora não reflita o “modelo ideal” o Santuário de Aparecida, busca implementar ações para a melhor acolhida dos devotos/turistas, através da ampliação dos locais para refeição e, soube haverá novo Centro de Compras (Shopping). Sabemos que a modalidade de turismo é diversificada: viagem de férias, à trabalho ou eventos e, turismo como o religioso. A questão seria “trabalhar” o foco do público a ser atendido: grupos ou viagens individuais. Por esta razão em Aparecida sempre há reuniões com Organizadores de Caravanas. Muitas vezes, a nítida ausência de capacitação adequada das pessoas dos chamados “Equipamentos de Turismo” fazem com que reservas em hotéis deixem de serem feitas ou citytour/s deixem de ocorrer. Lamento, quando percebo num país de dimensões continentais como o nosso Brasil, de belezas naturais em abundância, o Turismo não esteja “bombando”, como dizem os jovens e, com detalhe de sermos um povo definido como comunicativo e acolhedor. Talvez, tenha que ser redefinida a questão de, geralmente, centralizar eventos mundiais no RJ, em que a natureza de lá já sinaliza a exaustão, como a questão da Baia da Guanabara (forte poluição, com destaque ao problema de saneamento).

Comments are closed.

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat