As 100 melhores crônicas de João Saldanha são reunidas em livro

As crônicas foram selecionadas pelo historiador Alexandre Mesquita após a leitura de todo o acervo disponível sobre João Saldanha entre 1960 e 1990

EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências

Cronista esportivo, técnico de futebol, comentarista, polêmico e muito mais. Essas são algumas das características de João Alves Jobim Saldanha, o João Saldanha que no próximo dia 3 de julho completará 103 anos de vida. Em sua homenagem foi lançado o livro As 100 melhores crônicas – comentadas – de João Saldanha (LivrosdeFutebol), organizado pelo editor Cesar Oliveira, com comentários seus, em parceria com o historiador Alexandre Mesquita (responsável também pela seleção das crônicas) e com o empresário e professor Marcelo Guimarães, ex-diretor de marketing do Botafogo.

As crônicas foram selecionadas pelo historiador Alexandre Mesquita após a leitura de todo o acervo disponível sobre João Saldanha entre 1960 e 1990, do jornal Última Hora, passando pelo O Globo, Placar, até o Jornal do Brasil.  De fora apenas o período de 1966 até 1970, reunidas por Raul Milliet Filho no livro Vida que segue (Nova Fronteira, 2006).

As 248 páginas de As 100 melhores crônicas – comentadas – de João Saldanha estão divididas em quatro capítulos com temas centrais: Futebol, Seleção Brasileira, Botafogo e a Zona do Agrião – termo criado pelo jornalista em referência à grande área dos gramados –, que trata de assuntos gerais.  Dois prefácios enriquecem a obra: de Juca Kfouri e do craque Tostão. Um posfácio, do professor e ensaísta Ivan Cavalcanti Proença, analisa a maneira especial com que João escrevia.

O editor Cesar Oliveira conta que não houve preocupação com o ineditismo em livro das obras reunidas, pois o conceito era trazer aos leitores o que melhor expressasse o pensamento que Saldanha comumente externava, como a necessidade de respeito aos jogadores de futebol e a organização de um calendário, permitindo o profissionalismo do esporte. Pela primeira vez, João tem suas crônicas situadas na linha do tempo, para melhor compreensão do contexto de produção das crônicas.

João sem Medo

Para Cesar, João Saldanha estava muito à frente do seu tempo. Tanto que, em 1962, escreveu Futebol e samba, onde apontava que faltava para a festa popular um grande palco, seu equivalente ao Maracanã. Só em 1984, foi fundado o Sambódromo da Marquês de Sapucaí. “Quem foi seu contemporâneo, não esquece, mas as gerações seguintes pouco ouviram falar do João Sem Medo. O livro é especialmente dedicado aos mais jovens, que nunca tiveram a oportunidade de ler Saldanha. Este livro, mais do que uma homenagem, é necessário para a memória do futebol e uma lembrança da possibilidade de fazer jornalismos esportivo de qualidade, sendo torcedor, sem perder a clareza de avaliação e a precisão com as palavras”, explica Oliveira.

Apoiadores

Trem do Corcovado, BKR – Lopes Machado Auditores, Clécio Régis Cenografia, Associação Brasileira de Imprensa, ACERJ — Associação de Cronistas Esportivos do RJ, Approach Comunicação, Museu da Pelada, WTT – Transportes e Turismo

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    Mais recentes

    Vacine-se já contra o mito da superioridade – por Luiz Henrique Miranda*

    O Brasil, que possui reconhecida competência setorial no ambiente do agronegócio, busca com dificuldades prosperar no mercado global de viagens e turismo. Toda a...

    LATAM leva ventiladores pulmonares para combate da Covid-19 em Manaus (Veja Vídeo)

    A LATAM Cargo Brasil, por meio de seu programa Avião Solidário, e em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e o Governo...

    O Rio de Janeiro e os Eventos – por Bayard Do Coutto Boiteux*                      ...

    O momento atual é de muita prudência e sobretudo de trabalho em equipe. A pandemia nos mostra que a cadeia produtiva do turismo não...

    Decolar condenada a pagar à passageira R$ 8 mil por cancelamento de voo

    O advogado civil e colaborador do DIÁRIO,  David Damião Lopes, sócio do escritório Advogados Lopes acaba de nos enviar o resultado de uma condenação...

    Ministério do Turismo faz pesquisa com consumidores para avaliar retomada

    Uma pesquisa rápida, com seis questões de múltipla escolha e com o objetivo de analisar a opinião do público quanto à vontade de realizar...

    Secretário de Turismo do Rio convida guia de turismo para Coordenador de Operações

    Acaba de ser anunciado pela Secretaria Municipal de Turismo do Rio de Janeiro que Arnaldo Bichucher, fundador e atual presidente da LIGUIA - Liga...

    Relacionadas

    Open chat