Boris Johnson quer que os cidadãos dos EUA venham à Inglaterra “livremente”

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson quer que os cidadãos dos EUA venham à Inglaterra “livremente” e está discutindo um corredor de viagem com os Estados Unidos, disse a rádio LBC na quarta-feira (27), antes de um esperado afrouxamento das restrições do COVID-19 para visitantes do exterior.

REUTERS


Chefes de companhias aéreas e de viagens criticaram a Grã-Bretanha por seguir as regras estritas de viagens do COVID-19, que dizem que o país está ficando para trás em relação à União Europeia na atração de turistas, mas isso parece prestes a mudar.

A decisão de permitir que viajantes totalmente vacinados da UE e dos EUA entrem na Inglaterra sem ter que isolar é esperada em breve e as novas regras podem entrar em vigor na próxima semana, disse uma fonte do governo sob condição de anonimato.

As decisões relativas à saúde são deixadas para as quatro nações individuais da Grã-Bretanha – Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte – e cada uma tem o direito de definir restrições de entrada diferentes durante a pandemia.

Qualquer afrouxamento por parte da Inglaterra – a maior das quatro nações – seria um grande impulso para a indústria de viagens após 16 meses de restrições, que deixaram a maioria das empresas sob forte pressão financeira.

As ações da British Airways (ICAG.L) e easyJet (EZJ.L) saltaram mais de 4%, enquanto as ações da Wizz Air (WIZZ.L) subiram 5%.

“VOCÊ ESTARÁ NOS OUVINDO”

A LBC citou Johnson dizendo que queria que os cidadãos dos EUA totalmente vacinados viessem para a Inglaterra como faziam antes da pandemia de COVID-19.

“Queremos que as pessoas possam vir dos Estados Unidos livremente da maneira que normalmente fazem. Estamos falando com elas o tempo todo”, relatou a LBC Johnson em uma entrevista.

“No momento, estamos lidando com uma onda Delta, os EUA estão lidando com uma onda Delta, mas tenha certeza de que estamos nisso o tempo todo. Assim que tivermos algo a dizer sobre corredores de viagens, você nos ouvirá.”

Por sua vez, os Estados Unidos continuam a barrar quase todos os cidadãos não americanos que estiveram na Grã-Bretanha e na União Europeia, mas a UE agora permite que os cidadãos norte-americanos os visitem, beneficiando suas companhias aéreas e o setor de turismo.

A British Airways, a Virgin Atlantic e o aeroporto de Heathrow reafirmaram nesta quarta-feira seu apelo à abertura da Grã-Bretanha, dizendo que realizaram um teste bem-sucedido que mostrou ao governo que a indústria foi capaz de verificar as credenciais da vacina dos passageiros.

Detalhando a mudança de regra esperada, a fonte do governo disse à Reuters que embora os viajantes totalmente vacinados ficassem isentos da quarentena, eles ainda teriam que fazer dois testes COVID-19, um antes da partida e outro após a chegada.

A EasyJet e a Wizz Air afirmaram que as atuais restrições de viagens da Grã-Bretanha, que incluem vários testes COVID-19 para chegadas, significam que as reservas da Europa estão ultrapassando as reservas do Reino Unido.

Questionado sobre a próxima mudança de regra para os visitantes da UE, o presidente-executivo da Wizz, Jozsef Varadi, disse: “Acho que dará outro impulso ao Reino Unido”.

Reportagem de Guy Faulconbridge, escrita por Sarah Young e Elizabeth Piper

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial