CEO do Airbnb, Brian Chesky: “revolução massiva que muda a cara das viagens para sempre”

No primeiro mês da pandemia, o Airbnb enfrentou uma perda de US$ 1 bilhão devido ao cancelamento de reservas, o que levou o CEO Brian Chesky a declarar: “Viajar como conhecíamos acabou”.

Bloomberg


Entrar em um avião, disse ele, não seria algo que os consumidores estariam dispostos a fazer por muito tempo, deixando os planos de viagem mais orientados por medidas de segurança do que por vontade. Após alguns meses, sua perspectiva não mudou fundamentalmente. Mas o que antes parecia uma previsão cataclísmica do fim do mundo deu lugar a uma visão mais baseada em como as viagens estão evoluindo, não morrendo.

“Algumas coisas vão voltar e outras não”, disse Chesky, prevendo como devem ser as viagens após a pandemia. “Um dia será mais forte do que nunca. Mas quando voltar, com força total, será diferente.”

Entre as coisas que serão diferentes, o executivo destaca o turismo excessivo, viagens de negócios e, em menor medida, programas de fidelidade.

Chesky também vê o surgimento de novos e mais variados destinos para visitar, incluindo cidades mais resilientes.

Os comentários chegam em um momento crítico para Chesky e sua empresa. O Airbnb segue para o final do verão no hemisfério norte com uma história de retorno improvável, tendo saído de uma queda de 90% nas reservas e relatando US$ 400 milhões em perdas ajustadas no segundo trimestre para um aumento de 22% nos gastos do consumidor em relação ao ano anterior em julho, além do pedido para a tão esperada oferta pública inicial.

Isso não significa que o Airbnb está fora de perigo. Dados fornecidos pela empresa mostram que, embora os viajantes tenham reservado quase o dobro de estadias em relação ao ano passado, os aluguéis de casas nos mercados urbanos ainda estão em dificuldade.

“Estadias espontâneas”
Outras estatísticas divulgadas pela empresa como parte de um relatório de tendências para a próxima estação indicam que os aluguéis de longa duração ainda estão em demanda e que as estadias espontâneas, planejadas apenas alguns dias antes da partida, estão aumentando — nenhuma surpresa, dada a imprevisibilidade das restrições de viagens em todo o mundo.

Mas Chesky tem muito a dizer sobre o futuro das viagens que não pode ser capturado por números absolutos. O que estamos vendo, diz ele, “é uma revolução massiva” que “muda a cara das viagens para sempre.

O CEO do Airbnb vê histórias distintas para a indústria de viagens, definidas menos por restrições de fronteiras do que pelo potencial para turismo doméstico. Veja os Estados Unidos, França e Reino Unido, “eles são vastos e também são destinos populares”, explica ele. “Portanto, embora tenham perdido o tráfego transfronteiriço, estão vendo um boom nas viagens domésticas.

Em contraste, Chesky aponta para partes do Sudeste Asiático e do Caribe. Esses destinos, diz ele, “dependem de pessoas que voem até lá. Você não tem uma grande demanda de pessoas que moram nas Bahamas e também querem ficar em um resort nas Bahamas. ”

A Alemanha é outro exemplo: “Eles têm uma economia muito forte, mas os alemães costumam deixar a Alemanha quando viajam, então não estão tão bem quanto a França, onde há muito mais destinos que os locais têm interesse em reservar. Pelo menos é o que os dados explicam.”

Pulverizar turistas
Tudo isso sugere que os destinos aéreos que dependem do turismo precisarão diversificar suas economias no curto prazo para enfrentar uma seca prolongada nas visitas, enquanto os pontos negligenciados próximos às grandes cidades continuarão a ter sucesso.

Mas, a longo prazo, todos têm a ganhar, argumenta Chesky. Distribuir os viajantes para mais destinos, em vez de concentrá-los em alguns locais, ele diz, “é mais sustentável do que as pessoas pensam”.

 

Redação
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Emirates mantém ajuda a Beirute e conta com a generosidade de seus clientes

DIÁRIO com agências Em nota, a empresa aérea informa que as contribuições chegam de clientes da Emirates do mundo todo, em dinheiro ou milhas Skywards,...

IATA altera para baixo sua previsão de tráfego aéreo para 2020

Genebra - A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) alterou para baixo sua previsão de tráfego para 2020, refletindo uma recuperação mais fraca do...

Em 1982 fiz a minha primeira viagem para a Itália

Em 1982 fiz a minha primeira viagem para a Itália para participar da Convenção Anual da AEB SPA, empresa de produtos enológicos, na época...

Instituto da Transformação Digital lança programa ITD Partners

No próximo dia 2 de outubro o Instituto da Transformação Digital lança o programa ITD - Partners. DIÁRIO com agências O evento, obviamente digital, acontecerá em...

E-book detalha informações sobre recuperação judicial de empresas

Informações relevantes sobre as medidas necessárias e exigidas por lei em relação à retomada de negócios, principalmente, no atual cenário econômico imposto pela pandemia...

Harvard: máscaras faciais usadas durante toda a viagem oferecem grande proteção contra a COVID-19

As máscaras faciais são parte essencial de uma estratégia em múltiplas frentes para manter os clientes seguros e reduzir a transmissão de COVID-19 durante...

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat