CNC: Brasil perdeu mais com década de 2010 do que com os anos 1980

Estudo especial produzido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) indica que a década de 2010 causou mais prejuízos ao País do que a de 1980, conhecida como a Década Perdida. De acordo com a pesquisa, que compara indicadores dos dois períodos, a recessão de 2015-2016 teve efeitos ainda mais adversos do que nos anos 1980, resultando em recuperação lenta da economia, com reflexos no mercado de trabalho e na concentração de renda.

EDIÇÃO DO DIÁRIO

“Ambas as décadas tiveram impacto contundente nas empresas e trabalhadores, como o aumento do desemprego e a ampliação da má distribuição e concentração de riqueza, ocasionando uma piora significativa nas condições de vida dos brasileiros”, afirma o presidente da CNC, José Roberto Tadros. Em relação à evolução do Produto Interno Bruto (PIB), o Brasil cresceu 33,3%, à taxa média anual de 2,9%, no intervalo de 10 anos, iniciados em 1980. Já no mesmo período a partir de 2010, nota-se crescimento abaixo da metade, acumulado em 14,1%, com média anual de 1,3%.

Segundo a análise da CNC, se o PIB de 2019 aumentar 1% – confirmando a expectativa do mercado –, a economia brasileira deverá registrar baixo crescimento médio anual durante esse período, retardando as chances de absorver o contingente de desempregados. “O cenário é bem diferente do que o observado nos anos 1980, quando, mesmo com as recessões de 1981 e 1983, verificou-se forte capacidade de recuperação, evidenciada através do ritmo de crescimento econômico durante a segunda metade da década”, afirma Antonio Everton, economista da CNC responsável pelo trabalho.

Nos anos 1980, a crise encolheu a produção brasileira em 7,2%, enquanto nos anos 2010 a contração foi ligeiramente menor, de 6,9%. Contudo, a economia não conseguiu encontrar condições suficientes para voltar a crescer a partir de 2017. De acordo com o economista da CNC, “o crescimento médio entre 2017 e 2019 pode ter ficado em 1,2%”. “Na década de 1980, de 1984 até 1989, depois das recessões, a economia cresceu aproximadamente 30%”, completa.

As crises

Apesar de terem tido efeitos semelhantes na vida dos brasileiros, as crises de 1980 e 2010 tiveram motivações distintas. A primeira aconteceu em decorrência da vulnerabilidade do País fazer frente ao pagamento da dívida externa, o que gerou volatilidade cambial e inflação elevada. Já a última, apesar de não apresentar desequilíbrio no balanço de pagamento, deveu-se aos ajustes financeiros do setor público, com a redução de gastos e investimentos, principalmente a partir da segunda metade da década. “A lentidão da recuperação durante os anos de 2010 pode ser atribuída à menor capacidade do setor público em realizar investimentos, assim como do setor privado em capitanear o crescimento”, destaca Antonio Everton.

Ampliando as comparações para o cenário internacional, as decisões de política econômica posicionaram o Brasil na contramão do resto do mundo, nos dois momentos analisados. Estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) aponta que, entre 1981-1990 e 2011-2018, o Brasil cresceu menos do que o resto do mundo e aquém das economias emergentes. Entre 1981-1990, entretanto, conseguiu superar o crescimento das economias da América Latina e Caribe. “Enquanto o resto do mundo se ajustava às alternâncias do mercado global, o Brasil optava por fazer justamente o contrário. O País andou a reboque da economia internacional, atrasando o seu desenvolvimento”, ressalta Everton.

O estudo também comparou indicadores como: taxa de investimento; taxa de desemprego; carga tributária; inflação; desigualdade; população; setor externo; e bolsa de valores.

Para mais informações acesse: http://www.cnc.org.br/

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Governo prorroga prazo para recolhimento de INSS, PIS e COFINS

Por Marcelo Vianna* O Ministério da Economia acaba de publicar a Portaria 139, de 03.04.2020, prorrogando o prazo de recolhimento dos seguintes tributos federais:INSS das competências de março...

CEO e Fundador do Grupo OYO renuncia a salário anual seguido por equipe de liderança

O COVID-19 impactou significativamente o setor de hospitalidade global, com as ocupações de diversas redes de hotéis sendo afetadas drasticamente. Nesse período difícil e...

Abav-SP e Aviesp realizam LIVE para esclarecer dúvidas dos agentes de viagens

A Abav-SP e Aviesp realizarão uma transmissão ao vivo pela página do Instagram (https://www.instagram.com/abavsp.aviesp/), no dia 7 de abril (terça-feira), às 14h30. A LIVE...

Máscaras caseiras podem ajudar a evitar transmissão da doença (ouça áudio)

Com a disseminação do coronavírus (Covid-19) por todos os estados do país e a falta de máscaras para reduzir a transmissão da doença, muitas...

Festival Coolritiba 2020 será reagendado por conta do COVID-19

A 4ª edição do festival mais cool do Brasil será reagendada! O Coolritiba 2020, previsto para acontecer em Maio, diante do avanço da COVID-19...

Curiosidade: quando surgiram os mapas?

Os mapas mais antigos que se têm registro hoje são os mapas babilônicos, confeccionados em argila por volta de 2.300 A.C. REDAÇÃO DO DTMuito...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias