Como a hospitalidade se faz com um “avuado”, em Joanes, no Marajó

REDAÇÃO DO DIÁRIO (De Salvaterra, Marajó) – 15 ANOS DIARIOS  – 20 de janeiro de 2017

A solidariedade do povo marajoara é fora da curva. Por viverem em um ambiente farto em água, sol e vento transferem às pessoas que lhes visitam essa generosidade. Em nosso primeiro dia no Marajó, fomos conhecer Joanes, o vilarejo mais antigo da ilha. Lá, paramos primeiro na praia do Cururu e conhecemos o pescador Bidi, que acabara de chegar do trabalho. “Já almuçaram”?, perguntou assim, na lata. “Não”, respondemos. Ele voltou ao barco e trouxe uma renca de mais ou menos umas cinco pescadas recém-capturadas.

“Vamos fazer um avuado”, disse assim, naquela linguagem caiçara como se tivéssemos um tradutor do lado. Mas ele, gentil, explicou: era o  peixe feito ali, na brasa, na hora, com limão e sal.

Como ventava muito, fomos convidados para a casa dele. Seu Bidi mora com a esposa no alto de uma encosta que dá na praia, a pouco menos de cem metros do mar, onde ele e seus amigos pescadores ancoram os barcos.

É nessas naus que Bidi pesca seu sustento dia e noite, dependendo da maré marajoara. Além de alimento para consumo próprio e servir convidados como nós, os pescados são levados por ele ao Mercado Ver o Peso, em Belém. Lá, Bídi vende para comerciantes do lugar e revendedores, ou aos conhecidos atravessadores.

Mas dentro de sua casa a história é outra! Convidados só sentam ao redor da mesa e junto aos gatos, as galinhas e o galo, assistem  Bídi lavar e limpar o peixe. O avuado do dia será das cinco pescadas. Com dois cortes precisos, retira a cabeça e abre a barriga do peixe tirando a barrigada. Depois, retira alguns espinhos, lava e prepara um filé à moda da sua casa. Tempera a carne apenas com limão e sal. Aí coloca na brasa que já estava pronta para o uso. Segundo o cozinheiro pescador, não se deve retirar a escama do peixe porque ela tem um papel importante no cozimento. “Mantém a carne boa!”, justifica com sua simplicidade genial.

A mulher sai à janela e participa da prosa. A hospitalidade está completa quando ela prepara o café e nos serve. Pergunto sobre os filhos e Bidi, com orgulho responde: “Meu filho tá na faculdade. Estuda oceanografia na Universidade da Bahia”. O ciclo da vida está completo, pai influenciando o filho com o seu trabalho do mar.

É esse perfil de pessoas que encontramos no nosso primeiro dia no Marajó. Aptas para o diálogo e prontas para servir sem o hábito insepulto de querer sempre alguma coisa em troca.

*A equipe do DIÁRIO, composta por Paulo Atzingen, Ana Elisa Teixeira e Guilherme Ataíde, teve o apoio logístico no Marajó da Secretaria de Turismo do Estado do Pará

Confira o álbum:

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Radisson Blu São Paulo tem protocolos auditados e aprovados

Se já não bastassem as portarias e exigências dos órgãos oficiais de saúde (Organização Mundial da Saúde e Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o...

Guias e monitores de Turismo da Bahia cobram aprovação de PL 23845

SALVADOR (BA) - Cerca de 30 guias de turismo e monitores  realizaram um manifesto em frente à Assembléia Legislativa do Estado da Bahia nesta...

Parque Nacional do Itatiaia (PNI) reabre nesta quarta-feira (5)

Avanços na retomada do Turismo na região das Agulhas Negras. Nesta quarta-feira (5), o Parque Nacional do Itatiaia (PNI), uma das mais importantes Unidades...

Emirates usa seu A380 em voo para Guangzhou, Cidade do Kuwait e Lisboa

A Emirates acaba de anunciar que usará sua icônica aeronave A380 nos voos para Guangzhou a partir de 8 de agosto de 2020. A...

Foz do Iguaçu retoma atividades agora em definitivo, acreditam empresários do turismo

Dia 10 de junho foi anunciado pelo DIÁRIO DO TURISMO a volta das atividades turísticas em Foz do Iguaçu, porém infelizmente por determinação das...

Organizações pedem liberação de R$ 2 bi de fundos socioambientais

Carta aberta ao BNDES lançada nesta terça-feira (4) exige medidas concretas para evitar financiamento a desmatadores e a revisão da política socioambiental do Banco EDIÇÃO...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat