Cris Vieira, da American Ways: “quem trabalha em hotel tem que melhorar a pronúncia do inglês”

Para receber bem o turista estrangeiro, ter domínio do inglês para hotelaria é requisito para qualquer profissional da área.  Sabendo que o inglês é o segundo idioma mais falado do mundo, é nessa língua que muitos estrangeiros irão iniciar uma conversa na recepção do hotel. 

REDAÇÃO DO DIÁRIO 


 

Mesmo que você não tenha o domínio total do inglês, é preciso estar atento a algumas expressões utilizadas no meio hoteleiro para registrar clientes, fazer check-in e check-out e oferecer uma hospitalidade confortável para os hóspedes.

De acordo com Cris Vieira, fundadora da American Ways, para não ter constrangimento e oferecer um tratamento robótico em seu trabalho é preciso investir no vocabulário. “Invista no treinamento do seu vocabulário, não se sinta pressionado em falar muito rápido e não se esqueça que o  inglês não é sua língua materna, então se as vezes você precisar de uma pausa de alguns segundos, é normal”, dá a dica. O DIÁRIO a entrevistou, confira:

DIÁRIO  – Como a senhora avalia os profissionais que trabalham hoje na hotelaria e seus respectivos níveis de inglês?

CRIS VIEIRA: Bom, o que eu percebo nos profissionais de hotelaria é que normalmente um dos profissionais vai ter o inglês um pouco melhor, e os outros mantém um inglês básico. O que fica muito evidente, meio que um susto, um medo de falar. Então, existe muito cuidado e o inglês fica restrito ao “como vai” “tudo bem” “ gostaria de fazer o check-in” ou “ como gostaria de pagar”. Então existe ainda, um pouco de timidez eu diria, até pra poder usar o inglês de uma maneira à vontade e segura.

DIÁRIO – Quais são as principais falhas no atendimento, especificamente na linguagem (inglês), segundo sua análise?

CRIS VIEIRA: Falando da falha de atendimento do ponto de vista linguístico, eu percebo uma discrepância entre o atendimento que é dado ao brasileiro, o atendimento doméstico ao atendimento estrangeiro. Justamente pela limitação que o inglês pode trazer, não é apenas gramática, são dois pontos, o primeiro é o “Small Talk” que é uma conversa cordial e rápida, sem invadir a parte pessoal do hóspede obviamente, mas é aquela conversa que mostra cortesia e que você está sendo hospitaleiro como o povo brasileiro realmente é, então a linguagem é importante e fazer o “Small Talk” significa que você confia no seu inglês e confia que caso o hóspede queira prosseguir com a conversa você está ali para escutar e caso seja necessário pode continuar.

O ponto número dois: A confiança na pronúncia, fica muito confuso para o estrangeiro ouvir um inglês cuja pronúncia não esteja alinhada. Não tem nada a ver com sotaque, todos temos sotaque e cada um, nem que seja dentro do próprio país ou fora comparando os países, todo mundo tem sotaque. Ele não é uma coisa ruim, então não é o que precisa ser mudado. O que a gente precisa mudar é a pronúncia, se ela estiver clara o que acontece, a comunicação vai de uma maneira super tranquila e sem interrupções. O que confunde o estrangeiro é a pronúncia estar desalinhada, então o que eu noto é uma palavra interrompida no meio, talvez porque a pessoa que trabalha no hotel não sabe exatamente como pronunciar e já repete a frase pronta e não tão bem pronunciada e causa tanta confusão e muitas coisas passam despercebidas e esse hóspede sai com a ideia de que ele não foi muito bem entendido.

DIÁRIO – O que a senhora sugere para melhorar o nível de linguagem para esses profissionais?

CRIS VIEIRA: Para melhorar o nível de linguagem de hotelaria e eu falo também para pilotos e comissários de bordo é alinhar a pronúncia, o inglês ensinado no Brasil, é um inglês focado na gramática, na estrutura e não se tem esse aprofundamento que os sons que o inglês tem em comparação ao português, então o que se percebe é um inglês falado na maneira que ele é lido, quando o inglês é totalmente ao contrário. O inglês não é o que você vê é o que você escuta. O inglês é som, ele não é uma língua fonética, então não tem como você olhar a língua e ler do jeito que está vendo, e isso causa um barulho na comunicação muito grande. Então é muito importante que se faça um curso de alinhamento de pronúncia, para que a linguagem saia clara e o hóspede entenda e seja entendido. Quando a pronúncia está alinhada o profissional de hotelaria consegue perceber as nuances e tudo o que aquele hóspede está querendo dizer, esse é o primeiro ponto. O segundo, é o que a gente chama de “cross culture” é importante que seja dado um treinamento, que eu costumo dar para as empresas aqui nos EUA onde nós conversamos sobre choque cultural, diferenças de cultura, e o que o hóspede espera. E isso enriquece muito esse relacionamento do estrangeiro com o hotel.

 


Serviço:

AMERICAN WAYS

 274 Madison Avenue, Suite 1004, Midtown,NY, 10016, USA

+1 (917) 640-3442

hello@awlanguage.com

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

GOL lança check-in por WhatsApp

A GOL Linhas Aéreas acaba de anunciar que disponibiliza nesta sexta-feira (3), novas funcionalidades em seu atendimento via WhatsApp, dando um primeiro passo para...

Rio Othon Palace otimiza quartos para oferecer serviço de Room-Office

O Rio Othon Palace otimizou parte dos seus quartos para oferecer o serviço de Room-Office a sua clientela corporativa. EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências A iniciativa...

Selo Turismo Responsável dá tranquilidade aos hóspedes na rede Bourbon

Os protocolos de higiene e segurança adotadoS nos hotéis resgatam a confiança do hóspede no retorno aos empreendimentos e aos seus dias de relax....

Comércio e Serviços de SP poderão abrir por 6 horas, em 4 dias úteis

O governo de São Paulo vai dar uma segunda opção de funcionamento para os estabelecimentos comerciais autorizados a operar nas regiões do estado que...

Costa Cruzeiros mantém paralisação global até 15 de agosto de 2020

A Costa Cruzeiros acaba de anunciar que estende a pausa voluntária de suas operações globais até o dia 15 de agosto de 2020 e...

Nasci há 10 mil anos atrás – por Werner Schumacher*

Como diria o Mestre Seixas, não é a minha praia, mas a canção te leva a cantá-la e reconheço isto, assim como acabo muitas...

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias