CTPM condenada a indenizar passageira vítima de assédio sexual

Por Marcelo Vianna*

Nesta última terça-feira (15), a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) condenou a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) a indenizar em R$ 20 mil uma passageira que sofreu assédio sexual em vagão da empresa. A decisão** representa um importante precedente, pois que a jurisprudência sobre o assunto até então afastava a responsabilidade da transportadora por atos de terceiros.

No caso, a passageira estava dentro do vagão e um homem esfregou-se em suas nádegas, ao virar-se para se queixar ao agressor, verificou que ele estava com o pênis ereto. A passageira alega ainda ter sido hostilizada pelos demais passageiros, que lhe chamaram de “sapatão” por reclamar do abuso.

Para a Min. Nancy Andrighi, relatora do caso, o ato praticado por terceiro é conexo com as atividades regularmente prestadas pela transportadora, razão pela qual o prestador do serviço deve responder perante o passageiro, pois que há uma série de ações que poderia ter sido adotadas para evitar ou minimizar o risco desse tipo de abuso.

Em seu voto, Nancy destacou:

O ciclo histórico que estamos presenciando exige um passo firme e corajoso, muitas vezes contra uma doutrina e uma jurisprudência consolidadas. É papel do julgador, sempre com o olhar cuidadoso, tratar do abalo psíquico decorrente de experiências traumáticas ocorridas durante o contrato de transporte. (…) O momento é de reflexão, pois não se pode deixar de ouvir o grito por socorro das mulheres, vítimas costumeiras dessa prática odiosa, que poderá no futuro ser compartilhada pelos próprios homens, também objetos potenciais de prática de assédio. Resta evidente que ser exposta a assédio sexual viola a cláusula de incolumidade física e psíquica daquele que é passageiro de um serviço de transporte de pessoas.”

O STJ já havia sinalizado em dezembro passado a possibilidade de a transportadora ser responsável por casos deste tipo. Contudo, esta é a primeira vez que, efetivamente, uma transportadora foi condenada a indenizar uma usuária do serviço público vítima de ato libidinoso e obsceno praticado por outro passageiro.

*Marcelo Vianna é advogado atuante no ramo do turismo e sócio do escritório VIANNA & OLIVEIRA FRANCO ADVOGADOS (www.veof.com.br). Para eventuais considerações a respeito do texto acima, está à disposição pelo e-mail: marcelo@veof.com.br

** Recurso Especial n. 1.662.551

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Ronaldo Albertino, da Hotel Care, faz prognósticos do setor: “a regra vai ser fechar as contas no zero a zero”

Quando iremos retomar a normalidade da atividade econômica, em especial as atividades hoteleiras? por Paulo Atzingen*Uma recente enquete do Bradesco BBI (Banco de Investimento da...

Decidido: ABIH-SC transfere 33ª edição do Encatho & Exprotel para agosto de 2021

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina ABIH-SC, informou na tarde desta terça-feira sua decisão de transferir a 33ª edição do...

Jornalista: um escritor que navega pelas correntezas do verossímil

Por Paulo Stucchi*Recordo-me de um professor – daqueles que marcam a vida da gente numa época em que queremos abraçar o mundo, mas não...

Vila Galé apoia MP 936/2020 que preserva empregos e renda de colaboradores

Em comunicado emitido na manhã desta terça-feira (7), o grupo português Vila Galé congratula-se com as primeiras medidas aprovadas pelo Governo Federal brasileiro de...

Cabe negociação coletiva se houver suspensão contratual durante pandemia

As empresas deverão notificar os sindicatos da intenção de suspender temporariamente contratos e de realizar corte salarial. É o que determina o ministro Ricardo Lewandowski, do...

Obras no Largo do Boticário do JO&JOE são iniciadas

As obras de revitalização e transformação das cinco casas que constituem o histórico Largo do Boticário, no Cosme Velho, zona Sul do Rio de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias