DIÁRIO apoia carta-manifesto de preservação do Cine Roxy, no Rio

O DIÁRIO DO TURISMO, por meio de seu Conselho Editorial, sempre defendeu os interesses do patrimônio histórico, da cultura e da preservação da nossa memória, que de uma forma ou de outra servem tanto à população como aos visitantes e turistas.

REDAÇÃO DO DIÁRIO 


Em dezembro do ano passado apoiamos um abaixo-assinado contra o Projeto de Concessão do Governo do Estado para os equipamentos do Ginásio do Ibirapuera e do Conjunto Desportivo “Constâncio Vaz Guimarães” (Leia matéria). Mais recentemente, em fevereiro deste ano, apoiamos um manifesto virtual que defendia a reabertura do Museu da Baleia, em Imbituba, Santa Catarina. (Leia a matéria)

Agora, apoiamos a carta-manifesto que defende a preservação do Cinema Roxy, em Copacabana.

Esta carta é destinada ao prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes e demais lideranças da cidade, para a empresas e profissionais do audiovisual e das mídias, a docentes e discentes de IEs da área de Cinema e Comunicação, cinéfilos e sociedade civil:

Nela, é externada a grande preocupação da extinção do Cinema ROXY, considerando que na ultima semana o Grupo Severiano Ribeiro/Kinoplex anunciou a venda desse cinema para a iniciativa privada, e que provavelmente pode vir a abrigar diversos empreendimentos, como lojas de departamentos, bancos, igrejas, estacionamentos etc.

Abaixo, transcrevemos trechos da carta-manifesto e, ao final, incluímos o link para a assinatura.

- Advertisement -

O Cinema ROXY, localizado em Copacabana é um dos mais antigos espaços de exibição de filmes do Rio de Janeiro, que, no dia 3 de setembro de 2021, completaria 83 anos de vida, se não fosse a decisão do Grupo Severiano Ribeiro/Kinoplex de encerrar permanentemente as suas atividades.

Após sua desativação como cinema, ele, provavelmente, pode vir a abrigar diversos empreendimentos, como lojas de departamentos, bancos, igrejas, estacionamentos etc.

Das salas de cinema de Copacabana, o ROXY era o único que ainda continuava em funcionamento, apesar de se encontrar temporariamente fechado, desde o ano passado, devido à pandemia da Covid-19. Antes de seu fechamento oficial, o bairro também já havia perdido o Cine Joia. O ROXY foi mais um dos equipamentos de lazer cinematográfico que não retornaram às atividades no início de 2021, tal como outros cinemas do circuito exibidor comercial carioca.

bela escadaria “art déco” do Roxy. (Crédito: Blog Saudades do Rio)

Pelo Decreto N° 22.773 de 3 de abril de 2003 da Prefeitura do Rio de Janeiro, o ROXY tem as suas três salas de exibição provisoriamente tombadas. Aliás, o decreto dá destaque, justamente, ao valor do equipamento como um marco referencial da cultura cinematográfica e da arquitetura moderna da cidade. O letreiro, a fachada, o foyer, os corrimãos, as luminárias e demais elementos de design e estrutura arquitetônica originais não poderão ser alterados pelos próximos donos do local. Porém, isso não impede o desmonte cultural do ROXY, uma vez que a referida medida legal não abrange a preservação do imóvel por uso, isto é, não há garantias concretas em relação à continuidade de sua finalidade cinematográfica e artístico-cultural.

Para um público que sempre o prestigiou em Copacabana, cinemas de rua mais próximos só poderão ser acessados em bairros como Botafogo, Ipanema ou Leblon. Isso significa que esse bairro de grande densidade populacional de nossa cidade, que concentra cerca de 150 mil habitantes, ficará sem nenhuma grande tela sequer: trata-se de um fato preocupante por também significar a perda de três excelentes salas exibidoras entre as já poucas 380 salas/telas de cinema existentes, em média, em todo o Estado do Rio de Janeiro.

O ROXY foi responsável ao longo de décadas e décadas pela exibição das mais variadas tendências cinematográficas, tornando-se um reduto cultural e de modismos. Não era apenas de cinema que ele vivia. O bochicho à sua porta e em sua sofisticada sala de espera, cujo design flerta com um ar “hollywoodiano”, tornava-se um programa para quem também queria mais do que assistir a um bom filme. Sua localização, os ótimos números de público frequentador, os bares e restaurantes que ele ajudou a impulsionar no entorno, as luzes acesas até tarde da noite, iluminando e ocupando as calçadas com vida são fatores que há oito décadas fazem daquele trecho num dos mais bem sucedidos pedaços comerciais e urbanos de Copacabana.

Como um importante equipamento de cultura, o ROXY cumpriu até o seu fechamento o papel de sala de espetáculo cinematográfico, fomentando o acesso à arte e ao conhecimento, a produção de laços de sociabilidade, além de movimentações econômicas/comerciais na área, sem contar com os empregos de seus funcionários.

Entre tantos avanços históricos, o ROXY sempre acompanhou o progresso técnico do cinema mundial, apostando em inovações em termos de qualidade de projeção de imagens, tela, som e conforto para as plateias. Na década de 1960, chegou a abrigar um sistema de projeção/tela Cinerama 70mm. Quanto à programação, o público sempre pode contar com sessões de filmes para todas as idades e gostos. O ROXY também foi um dos cinemas mais relevantes para lançamentos de filmes e eventos do Festival do Rio.

Cinemas de rua são espaços de memória, afeto, promoção de cultura, lazer, cidadania… São espaços que provocam a ocupação urbana, o uso das ruas, o contato com a arte e o conhecimento, a mobilização de pessoas e de diversas formas de pensar. 

Não podemos admitir que mais um cinema de rua do Rio de Janeiro morra. Não podemos admitir que suas cadeiras fiquem vazias, que as suas telas se apaguem… Não podemos aceitar naturalmente que a cultura carioca e a cidade do Rio de Janeiro se atrofiem cada vez mais em processos de sucateamento, sendo alienadas de seus lugares de memória, das possibilidades de bons encontros, do contato com a beleza da vida, esteja ela nas telas, esteja ela na experiência cotidiana das pessoas.

Que as autoridades competentes do Rio de Janeiro também se engajem na luta pela preservação da função cultural deste patrimônio cinematográfico, arquitetônico, histórico, urbano e afetivo carioca!

Diante do exposto: ajudem-nos a SALVAR o CINEMA ROXY! Assine a petição e compartilhe! 

 

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias para a sua viagem!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    Mostra de Cinema de Gostoso tem apoio do governo do RN

    Entre os dias 26 e 30 de novembro, a praia do Maceió se transformará em uma sala de cinema à beira mar com exibição...

    Copa Airlines celebra 15 anos de operações no Rio de Janeiro

    A companhia opera no Rio de Janeiro com dois voos diários conectando a cidade com 65 destinos, em 28 países da América do Sul...

    Abeta Summit 2021 debate o ecoturismo e turismo de aventura no Brasil

    Promovido pela Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta), evento acontece até este sábado Por Redação Sob o tema (Re)Construindo um Turismo...

    Roda-gigante de Faz do Iguaçu (PR) será inaugurada em dezembro

    Foz do Iguaçu foi escolhida por atrair brasileiros e estrangeiros e por ser um destino que alia belezas naturais com uma ótima estrutura de...

    Seridó (RN) pode se tornar segundo geoparque do país reconhecido pela UNESCO

    O Geoparque Seridó compreende seis municípios do Rio Grande do Norte: Acari, Carnaúba dos Dantas, Cerro Corá, Currais Novos, Lagoa Nova e Parelhas Edição DIÁRIO...

    Aparecida quer se posicionar como destino de férias

    Para mostrar a cidade além do turismo religioso, cidade investe em press trip com jornalista Por Amadeu Castanho Interessadas em estimular o perfil do turismo local,...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing