E-book detalha informações sobre recuperação judicial de empresas

Informações relevantes sobre as medidas necessárias e exigidas por lei em relação à retomada de negócios, principalmente, no atual cenário econômico imposto pela pandemia de Covid-19, estão detalhadas no e-book “A Recuperação Judicial no Brasil”, elaborado pela advogada e professora Alexsandra Marilac Belnoski.

De acordo com a advogada, a recuperação judicial tem sido alternativa para o reerguimento da empresa, a qual pode ser dar em juízo ou fora dele. “As empresas adotam as medidas visando a reestabelecer os seus negócios, pois uma eventual falência é vista como uma medida drástica e de grande repercussão jurídica ou comercial”, observa.

No e-book, Alexsandra Marilac afirma a necessidade de ajustes na Lei nº 11.101/2005, que introduziu esse recurso no Brasil. De acordo com ela, muitos processos de recuperações judiciais no Brasil que estão em curso foram propostas há pouco mais de quatro anos.

Em razão da recente crise que o país atravessa, muitas empresas optam pelo uso da lei para evitar o encerramento das atividades, ou, até mesmo, a decretação da falência

Em outras palavras, a advogada destaca que, em razão da recente crise que o país atravessa, muitas empresas optam pelo uso da lei para evitar o encerramento das atividades, ou, até mesmo, a decretação da falência. “Por conta disso, é necessário avaliar que o uso da recuperação de empresas ainda está em fase de avaliação pelo Poder Judiciário”. E frisou que “o projeto de lei nº 10.220/2018, em trâmite, necessita de análise cuidadosa”.

“A Lei nº 11.101/2005 tem como objetivo garantir o soerguimento empresarial por meio da aplicação dos princípios da continuidade e manutenção do negócio, garantia de empregos e função social”, explica. A advogada observa que “o âmbito econômico deve ser considerado no procedimento, porque  a ideia central não é retirar a empresa do mercado, ao contrário, é saneá-la para que retome as suas atividades e possa ser introduzida novamente no contexto comercial”.

Segundo Alexsandra Marilac, ao se tratar da recuperação judicial é necessário considerar que as empresas que buscam esta solução estão num momento mais avançado de dívidas, pois numa fase anterior, é possível adotar outro recurso proposto pela lei falimentar, ou seja, a recuperação extrajudicial. Ela destaca que as modalidades são diversas, uma vez que a primeira se faz integralmente em juízo, e a segunda é realizada diretamente com os credores extrajudicialmente. “A pretensão de soerguimento pode se dar em qualquer fase em que a empresa se encontra, isto é, seja numa fase mais branda, a qual se aplica a recuperação extrajudicial, seja numa fase mais severa, a qual se aplica a recuperação judicial”, ressalta.

Para a advogada é importante salientar que o propósito da recuperação de empresas é o mesmo, já que a negociação com os credores se dará, em ambos os casos, na tentativa de pactuar novos prazos para as dívidas, técnicas e modalidades de melhoramento do negócio.

O ebook está disponível gratuitamente em https://marilac.adv.br/ebook-a-recuperacao-judicial-no-brasil/. Nele estão detalhados os seguintes pontos: como ingressar com a recuperação judicial, quem pode propor a recuperação judicial, início da recuperação das empresas, o administrador judicial na recuperação de empresas, os credores da recuperação de empresas, a possibilidade de desistência pelo recuperando, o plano de recuperação e encerramento da recuperação das empresas.


Sobre Alexsandra Marilac Belnoski – professora e advogada especialista em Direito Empresarial pela FAE, aperfeiçoamento em Direito da Empresa e Recuperação de Empresas pela Universidade de Coimbra e mestre em Gestão Ambiental pela Universidade Positivo.

Redação
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Recuperação das cidades Pós-Covid-19 precisa de planejamento macro

Como serão as cidades brasileiras Pós-Covid-19? Como nossos governantes planejarão o futuro? Essas e outras perguntas foram discutidas na última terça-feira (20), na palestra...

Começa nesta quinta-feira (22) o 35º Natal Luz de Gramado

A 35ª edição do Natal Luz de Gramado inicia no final da tarde desta quinta-feira, dia 22, às 18 horas em cerimônia na Villa...

Certificação de Bandeira Azul em Santa Catarina tem investimentos da Santur

Com a intenção de aumentar a presença da Bandeira Azul em praias catarinenses nos próximos anos, a Agência de Desenvolvimento do Turismo de Santa...

Conotel – Edição Especial acontece de maneira híbrida nos dias 28 e 29 de outubro

Um dos principais eventos da hotelaria no Brasil, o Congresso Nacional de Hotéis – Conotel, apresenta sua edição especial 2020, que acontecerá de forma...

LATAM é condenada a pagar R$ 500 mil por dispensa coletiva abusiva

O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT-15), por meio de sua Seção de Dissídios Coletivos, julgou pela procedência parcial de uma ação...

Pesquisa revela o perfil comercial das agências paulistas

A Secretaria de Turismo do Estado, por meio da Coordenadoria de Turismo e do Centro de Inteligência e Economia do Turismo (CIET), acaba de...

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat