Editorial: Turismo da República Dominicana responde por 12% do PIB

Este país alegre que se transformou a República Dominicana lembra com toda a certeza o Brasil em seus dias de milagres e mágicas econômicas, guardadas evidentemente as proporções territoriais.

por Paulo Atzingen*

O país caribenho vive um boom de crescimento econômico com grandes e consistentes investimentos no turismo, em especial na hotelaria. Hoje, segundo fontes do Ministério do Turismo, a atividade responde por 12% do Produto Interno Bruto do País (PIB).

 

Não é pouco. A partir da década de 70 – ou seja a quase 50 anos – o turismo começou a ser levado a sério no país. Naquela época o  governo percebeu que produzir apenas banana e minério seria ir na contra-mão do futuro e permaneceriam no bloco do terceiro mundo. O que fizeram? Abriram uma série de linhas de isenção para o investimento estrangeiro. E não faltaram interessados, principalmente os grupos hoteleiros espanhóis endinheirados.

Concessões e isenções

Segundo René Contreras, representante do Ministério do Turismo da República Dominicana no Brasil, tudo começou em Puerto Plata a partir de concessões de uso e isenções de impostos, e outras facilidades como, por exemplo, terrenos oferecidos a preço irrisórios.

René Contreras: “sistema all inclusive começou em Puerto Plata” (Crédito: Paulo Atzingen)

“Quase todas as redes hoteleiras espanholas vieram para cá e o sistema all-inclusive foi implantado primeiramente em Puerto Plata”, afirma René. Segundo o executivo, a República Dominicana serviu de campo de ensaio para o sistema all-inclusive que acabou sendo disseminado por todos os países caribenhos.

 

A isenção fiscal que é garantida por uma lei de incentivo turístico é oferecida por meio do Confotur (Conselho de Fomento do Turismo – com tradução literal) , o que atraiu e continua atraindo empresas multinacionais para o país.

Ocupação média

Beneficiados por uma temperatura estável em torno de 28º com máximas de até 33º, o país não possui baixa estação e o problema de sazonalidade hoteleira não existe. “Temos uma média de ocupação anual em torno de 78% a 82%”, afirma Sheyly Viuque, diretora executiva da Asonahores – Associação Nacional de hoteis e turismo da República Dominicana.

Sheyly Viuque, diretora de mercado da Asonahores: média de ocupação anual entre 78% a 82% (Crédito: Paulo Atzingen)

Sustentabilidade e inclusão

A seriedade que os dominicanos levam o turismo pode ser constatada no lançamento de mais um resort esta semana em Punta Cana, o Circle by Meliá at Paradisus Palma Real, com investimento na ordem dos 100 milhões de dólares. Conscientes da importância do empreendimento em termos de geração de divisas, trabalho e renda, o hotel foi concebido com princípios de redução das emissões de dióxico de carbono e com a proposta de ser um hotel inclusivo, responsável com o meio ambiente e integrado aos membros da comunidade local.

Evidentemente, que os US$ 350 dólares pagos a uma camareira (acrescidos de gorjeta) é ainda motivo de embates entre a classe trabalhadora e os empregadores. Mas aqui não é o paraíso, embora pareça, e isto poderá ser resolvido com negociações entre as classes.

O presidente Danilo Medina Sanchez participou da inauguração (Crédito: Paulo Atzingen)

O turismo aqui é fundamental para a vida dos dominicanos. Essa indústria tem impactado em todos os segmentos da população e as profissões são executadas com alto grau de profissionalismo. As camareiras, os garçons e os recepcionistas falam duas ou três línguas além do espanhol. As pessoas que trabalham nas áreas de hospitalidade e recreação são afáveis, amáveis e simpáticas. Mas ninguém brinca. A coisa é tão séria que o próprio presidente da República, Danilo Medina Sánchez, participou da inauguração do Circle by Meliá.

 

*O jornalista Paulo Atzingen viajou convidado pela Associação de Hotéis e Turismo da República Dominicana (Asonahores) e seguro GTA

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Pesquisa revela: 38% dos brasileiros vai esperar 9 meses para entrar em avião

Pandemia cria novas formas de consumo a longo prazo para 67% dos brasileiros EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências O isolamento social ditou uma nova forma de...

IATA: financiamento público de medidas de saúde deve ser assegurado

Nesta quinta-feira (2), o Conselho Internacional de Aeroportos de Montreal (ACI) e a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) solicitaram que os custos relacionados...

Porto de Galinhas faz mutirão de postagens “Meu Destino é Porto de Galinhas”

"Quando tudo isso passar, meu destino é #PortodeGalinhas" REDAÇÃO DO DIÁRIO Em uma ação coordenada entre os hoteleiros e o outros diversos segmentos do turismo receptivo...

Califórnia fecha bares e restaurantes na maior parte do Estado para deter Covid-19

SACRAMENTO, Califórnia (Reuters) - Salões internos de restaurantes, cinemas e outros estabelecimentos serão proibidos de funcionar na maior parte da Califórnia por pelo menos...

Imbróglio: Aeroporto de Natal, em São Gonçalo do Amarante, pode fechar

O novo aeroporto de Natal, em São Gonçalo do Amarante, foi construído pela iniciativa privada a partir de 2011, começou a operar em 2014...

O “assédio moral corporativo” e o novo normal

por Gervasio Tanabe* É chover no molhado comentar sobre os efeitos que a pandemia provoca no ecossistema do Turismo, o setor mais atingido em toda...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias