Exclusivo: Fundador da Pitaia Bank fala sobre o primeiro banco digital do Brasil

Eles querem revolucionar o mercado financeiro tradicional e oferecer um “Digital Bank” mais seguro, moderno, ágil e arquitetado em blockchain, uma das tecnologias mais seguras do mundo. O DIÁRIO conversou com Augusto Santos COO e Sócio Fundador da Pitaia Bank, que terá o universo das criptomoedas como principal ativo.

REDAÇÃO DO DIÁRIO

Nesta entrevista, concedida ao editor do DT, jornalista Paulo Atzingen, Augusto fala das questões jurídicas, legais e da incomparável segurança que o sistema oferece: “a natureza jurídica da empresa nos obriga a ter as melhores práticas de compliance e segurança utilizadas no mercado financeiro tradicional que são vigiados por órgãos regulamentados”, afirma ao DIÁRIO. 

Segundo Augusto, que tem como sócia a CEO da plataforma, Simone Abravanel, a conta digital oferecerá cartão de débito para utilização em estabelecimentos, pagamento de contas, transferências, recarga de celulares, além de compra e venda de criptomoedas. Acompanhe abaixo a entrevista completa:

DIÁRIO –  O blockchain é realmente inviolável? Vocês possuem casos de tentativas de fraude que foram detectadas e impedidas? Dêem um exemplo para nossos leitores

AUGUSTO SANTOS – O blockchain é um protocolo inviolável, onde os fraudadores mais frequentes se aproveitam da vulnerabilidade dos computadores que os individuos e empresas utilizam para acessar serviços baseados em blockchain.
Há casos de empresas que tem seus dados ou valores violados, por falha da segurança da empresa. Sem essa falha “humana”, seria impossível violar.

DIÁRIO –  Até que ponto o Banco Digital obedece as questões legais e jurídicas do país?

AUGUSTO SANTOS – A PitaiaBank permite que seus clientes transacionem valores na plataforma. Sendo assim, a natureza jurídica da empresa nos obriga a ter as melhores práticas de compliance e segurança utilizadas no mercado financeiro tradicional que são vigiados por órgãos regulamentados.

Natureza jurídica da empresa nos obriga a ter as melhores práticas de compliance e segurança utilizadas no mercado financeiro

DIÁRIO – A febre do Bitcoin diminuiu em alguns países. Vocês acreditam que o brasileiro está preparado para esta revolução digital?

AUGUSTO SANTOS – Na bolsa de valores brasileira tem menos de um milhão de CPFs cadastrados. Já no mercado de investimento em moedas digitais, já soma-se mais de três milhões de investidores desde 2017. Isso demonstra que o brasileiro é inclinado a testar novas tendências, mesmo que ainda temos um grande espaço para conquistar.

DIÁRIO – Vocês estão lançando o primeiro Digital Bank brasileiro para transações em Bitcoin. Quem pode ser seus clientes?

AUGUSTO SANTOS – Tanto pessoa jurídica como pessoa física pode ter conta na PitaiaBank.
Nossa missão é democratizar o meio de pagamento em moedas eletrônicas. Assim sendo, abordamos lojas físicas e onlines para aceitarem moedas eletrônicas como meio de pagamento através da nossa plataforma. Quanto mais o comércio aceitar pagamento em moedas eletrônicas, mais pessoas vão utilizar esse ativo com um meio de pagamento e não só para especular.

O objetivo da empresa é atingir o público digital, investidor de criptomoedas e entusiastas

DIÁRIO – Os sistemas bancários tradicionais têm juros extorsivos.  Quais são as perspectivas de margem de lucro (ou outra coisa) para a sobrevivência de um banco digital?

AUGUSTO SANTOS – Os bancos tradicionais construíram ao longo dos anos um passivo de imobilizado e uma folha de funcionários que gera um custo anual elevado, isso é repassado aos clientes através das tarifas. Um banco digital já nasce com todas as operações automatizadas e com pouca intervenção humana, isso faz com que o banco digital não precise cobrar altas taxas. O desenvolvimento da tecnologia blockchain é custosa atualmente, por isso temos taxas, mas são taxas justas. A margem de lucro virá com a escalabilidade do produto.

DIÁRIO – Como está o processo de regularização das criptomoedas no país? podem nos atualizar?

AUGUSTO SANTOS – No fim de janeiro de 2019 a Câmara dos Deputados arquivou o projeto de lei que discute a regulamentação de moedas virtuais, o PL 2303/2015 de autoria do Deputado Aureo Ribeiro. Segundo o Deputado Federal Daniel Coelho, o congresso entende pouco sobre o assunto e criar uma regulamentação pode inviabilizar este mercado. Dessa forma, seguimos sem regulamentação no Brasil, mas a Pitaia Bank conduz o projeto como se estivesse num país regulamentado e com as melhores práticas do mercado financeiro.

https://www.pitaiabank.com/home 

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

PL 2034 aprovado pelo governador do Rio de Janeiro é vitória para os guias de turismo

O Projeto de Lei Nº 2034 acaba de ser aprovado pelo governador do Rio de Janeiro Wilson Witsel e se transforma na Lei Estadual...

Parques da SeaWorld na Flórida reabrirão ao público em 11 de junho

O SeaWorld Entertainment, Inc., uma das empresas de entretenimento líder no mundo, anunciou o projeto de reabertura em fases (com capacidade limitada) dos seus...

Temperaturas caem em Santa Catarina e toneladas de tainha são pescadas (Vejam vídeos)

Por Jefferson Severino especial para o DIÁRIO DO TURISMODe fato, hoje o estado catarinense completa 32 dias com temperaturas negativas. Segundo o Homem do...

Efeitos da pandemia: o fim dos blocos comerciais e início de acordos bilaterais

Por Carlo Barbieri*O mercado globalizado como o conhecemos hoje, já está em plena mudança devido à pandemia. Teremos um realinhamento na estrutura comercial do...

Pedidos de recuperação judicial aumentam depois da Covid-19

O último levantamento da Boa Vista, divulgado no início deste mês, registra alta em maio de 68,6% no número de pedidos de recuperação judicial...

Fronteiras terrestres entre Espanha, Portugal e França abrem em 22 de junho

MADRI (Reuters) - A Ministra da Indústria e do Turismo espanhola, Reyes Maroto, disse nesta quinta-feira que todas as restrições a cruzamentos nas fronteiras...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias