Fazenda Mironga, em Soure (Marajó), comemora Indicação Geográfica do Queijo Marajoara

Indicação enriquece o destino turístico do Marajó, conhecido por seus campos alagados, grandes fazendas e búfalos

A semana não poderia ter sido melhor para os produtores de leite e queijo da ilha do Marajó, no Pará. Na terça-feira (23), o queijo do Marajó conquistou a Indicação Geográfica (IG), reconhecido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A publicação na Revista de Propriedade Industrial concede ao produto, genuinamente marajoara e paraense, a indicação de procedência, uma grande vitória dos produtores e do Estado do Pará.

REDAÇÃO DO DIÁRIO (Paulo Atzingen)

A Indicação Geográfica (IG) é a única propriedade industrial coletiva, benefício que se estende a todos os produtores de queijo de leite de búfala, respeitados os padrões que classificam o Queijo do Marajó, situados nos municípios de Cachoeira do Arari, Chaves, Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Arari e Soure. Locais que integram o Arquipélago do Marajó. A partir de agora, só pode ser chamado de Queijo do Marajó, a iguaria produzida nessas localidades.

Essa indicação enriquece o destino turístico do Marajó, conhecido por seus campos alagados, grandes fazendas e búfalos

O DIÁRIO conversou com Gabriela Gouvêa, Responsável Técnica da Fazenda Mironga e Presidente da Associação de Produtores de Leite e Queijo do Marajó (APLQMARAJO).

Segundo ela, essa indicação foi um longo processo de aprimoramento e construção da marca. “Passamos por grandes marcos na trajetória do queijo do Marajó. Desde a introdução do búfalo na produção, o uso da desnatadeira até o seu reconhecimento, em 2011 com a Lei de Lei de Produtos Artesanais, e em 2013 com a certificação do Queijo do Marajó”, explica Gabriela.

- Advertisement -

Pegue-Leve na Fazenda Mironga, no Marajó, atende turistas em busca do queijo marajoara (Crédito: Fazenda Mironga)

Um sonho se materializando!

“Sempre acreditamos que a Indicação Geográfica possa ser um instrumento de desenvolvimento local. Com a segurança jurídica do saber, a valorização do mestre queijeiro e principiante a preservação da arte. É um sonho se materializando”, completa Gabriela.

A fazenda Mironga produz em média 40 kg de queijo por dia e sua venda é feita praticamente toda na fazenda. “Temos um pegue-pague e vendemos o queijo como um souvenir diretamente aos nossos visitantes”, avisa a técnica.

A associação que Gabriela preside integra 12 queijarias nos municípios de Soure, Cachoeira do Arari, Salvaterra, Muana e Ponta de Pedras.

Gabriela Gouvêa, Responsável Técnica da Fazenda Mironga e Presidente da Associação de Produtores de Leite e Queijo do Marajó (APLQMARAJO) (Crédito: Fazenda Mironga)

Novos Mercados se abrem

A engenheira agrônoma Marcia Tagore, que coordena o Fórum Estadual de Indicações Geográficas no Pará, também falou ao DIÁRIO.

“A Indicação Geográfica tem um papel importante que vai além da questão de mercado, que é dar visibilidade e reconhecimento do saber fazer diferenciado. É o valor do tradicional, do conhecimento passado de gerações. Claro, que novos mercados se abrem, pois o consumidor está atento e mais exigente e quer um produto que tenha história, que tenha um diferencial. ainda que o mundo esteja globalizado, as portas se abrem para o nicho de mercado interessado em produtos únicos, singulares,” enumera Márcia.

Márcia Tagore, coordenadora o Fórum Estadual de Indicações Geográficas no Pará (Reprodução Youtube)

“O Marajó já é uma região conhecida pelo seu apelo turístico e a IG complementa esse potencial. O turismo gastronômico das ilhas é muito forte, principalmente com o queijo do Marajó. O Marajó tem muitas fazendas, mas nem todas produzem queijo. As “queijarias” com maior destaque são: São Vitor, Mironga, Laticínio Leal, Queijaria três irmãos, entre outras.

Segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará –  ADEPARÁ o arquipélago do Marajó possui 1.315 propriedades que criam só bubalinos, somadas a outras 455 propriedades que criam bubalinos e bovinos juntos.

“Acreditamos que a IG possa ser um instrumento que ajude na promoção do desenvolvimento sustentável desse território riquíssimo!”

Leite Marajoara, matéria prima para o queijo (Crédito: Fazenda Mironga)


Serviço:

Fazenda Mironga

Rod Soure Pesqueiro s/n km06

Telefone 91 982670202

fazenda.mironga@hotmail.com

@queijodomarajomironga (insta)

Mironga Marajó

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    Por que as Olimpíadas de Tóquio são a mais cara da história? (Veja os Infográficos!)

    Pesquisa revela um gasto superior duas vezes que a média das outras olimpíadas EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências As Olimpíadas de Tóquio é considerada as olimpíadas...

    Dia dos Avós, 26 de julho, uma data para sempre lembrar

    Em comemoração ao Dia dos Avós, que é comemorado neste 26 de julho, conversamos com nossa @vovolegal, para saber um pouco mais dessa relação...

    Medellín se posiciona como um centro de talentos para o mundo

    A cidade de Medellin terá mais de 11 mil cidadãos treinados para os empregos do futuro EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências Na última quinta-feira (22) foi...

    Companhias aéreas dos EUA se recuperam antes que as europeias

    As companhias aéreas dos Estados Unidos estão voltando à lucratividade mais rapidamente do que suas congêneres europeias graças à generosa ajuda do governo, às...

    Pantanal Jungle Lodge faz promoção 3 x 2

    Por Patrícia de Campos Para fomentar o turismo nacional, o Pantanal Jungle Lodge criou a promoção 3 x 2 para que visitem o pantanal do...

    Castelo Park Aquático reabre no interior paulista

    Fechado durante toda a pandemia, Castelo Park Aquático reabre com protocolos de segurança EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências Uma nova temporada de muita diversão acaba de...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing