IATA é a favor ao uso de máscaras mas contrária ao de poltronas vazias para o distanciamento

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) apoia a cobertura facial para passageiros e o uso de máscara para membros da tripulação a bordo das aeronaves.
EDIÇÃO DO DIÁRIO
Em nota a associação reforça que essas medidas são essenciais para a biossegurança a serem implementadas temporariamente quando as pessoas retomarem as viagens aéreas.
A IATA não apoia, no entanto,  a imposição de medidas de distanciamento social que deixariam assentos vazios entre passageiros.

Segundo a entidade, evidências sugerem que o risco de transmissão a bordo das aeronaves é baixo. O uso de máscaras por passageiros e tripulantes o reduzirá ainda mais, evitando também um drástico aumento nos custos das viagens aéreas que as medidas de distanciamento social a bordo causariam.

“A segurança dos passageiros e membros da tripulação é fundamental. O setor da aviação trabalha com os governos para reiniciar os voos assim que for seguro. As evidências sugerem que o risco de transmissão a bordo das aeronaves é baixo. Mesmo assim, tomaremos medidas para aumentar a proteção, como o uso de máscaras por passageiros e membros da tripulação. Precisamos encontrar uma solução que garanta aos passageiros a confiança para voar e que mantenha o custo do voo acessível. A presença de apenas um desses fatores não trará benefícios duradouros”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

Medidas para reduzir o já baixo risco de transmissão a bordo

A IATA recomenda a obrigatoriedade da cobertura facial para passageiros e o uso de máscaras para membros da tripulação como uma das várias ações para reduzir ainda mais o risco de contrair a COVID-19 a bordo de aeronaves.
Além de cobrir o rosto, as medidas temporárias de biossegurança propostas pela IATA incluem:

• Medição da temperatura de passageiros, funcionários do aeroporto e viajantes,
• Processos de embarque e desembarque com contato reduzido com outros passageiros ou tripulação,
• Movimentação limitada na cabine durante o voo,
• Limpeza da cabine mais frequente e reforçada, e
• Procedimentos simplificados dos serviços de alimentação para reduzir a movimentação da tripulação e as interações com os passageiros.

Quando comprovados e disponíveis em grande escala, os testes da COVID-19 ou passaportes de imunidade também podem ser incluídos como medidas temporárias de biossegurança.

A IATA não recomenda restringir o uso do “assento do meio” para criar distanciamento social a bordo da aeronave.

Impacto econômico

A implementação de medidas de distanciamento social nas aeronaves mudaria significativamente a economia da aviação, reduzindo a taxa de ocupação máxima para 62%, que está bem abaixo da taxa de ocupação mínima de 77% para que as companhias aéreas não tenham prejuízo.
Com menos assentos para vender, os custos unitários aumentariam muito. Em relação a 2019, as tarifas aéreas precisariam aumentar consideravelmente – entre 43% e 54%, dependendo da região – apenas para cobrir os custos.

“As companhias aéreas estão lutando para sobreviver, então manter o assento do meio vago aumentará os custos. Se isso puder ser compensado com tarifas mais altas, as viagens deixarão de ser acessíveis. Por outro lado, se não puderem neutralizar os custos com tarifas mais altas, as companhias aéreas irão à falência. Esta também não é uma boa opção quando o mundo precisará de uma forte conectividade para ajudar na recuperação econômica causada pela COVID-19”, disse de Juniac.

VejapresentaçãoCustdaviagenaéreadepoidarestriçõedCOVID19
VejapresentaçãoComprevenitransmissãdCOVID1bordo

Notas aos editores:

A IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo) representa cerca de 290 companhias aéreas, representando 82% do território aéreo global. Siga a IATA no Twitter twitter.com/iata e veja notificações, posicionamentos e outras informações úteis sobre o setor.

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Califórnia retrocede na reabertura com expansão do coronavírus nos EUA

SACRAMENTO, Estados Unidos (Reuters) - O governador da Califórnia decretou nesta segunda-feira um recuo no plano de reabertura da economia do Estado norte-americano, após...

La Casa de Papel: a transferência de liquidez relatada pelo refém brasileiro**

Por Paulo Atzingen* (de Madri) Só depois de passados alguns anos do assalto à Casa da Moeda da Espanha e me tornado refém por aquele...

Dentro de uma capela brasileira feita de vinho

por DANIELLE BAUTER* Com sua paisagem de colinas verdes ondulantes pontilhadas de fazendas familiares, a vista pode facilmente ser confundida com a Toscana. O estado...

A politização da Pandemia – por Gaudêncio Torquato*

Cada coisa em seu lugar. Ou, em outros termos, cada macaco em seu galho. A popular expressão aconselha que cada pessoa deve exercer o...

Fairmont Rio de Janeiro reabre dia 1º de setembro

O Fairmont Rio de Janeiro Copacabana se prepara para receber seus primeiros hóspedes pós-quarentena a partir de 1º de setembro de 2020. EDIÇÃO DO DIÁRIO...

Os riscos do desconfinamento e o Turismo

por Bayard Do Coutto Boiteux* No momento em que escrevo o presente artigo vejo que vários países europeus estão sendo obrigados a retomarem programas de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias