Mitos e Verdades sobre a Cidadania Italiana: confira os 13 mitos!

O passaporte europeu vem sendo cada vez mais objeto de desejo de milhares de brasileiros. O reconhecimento da Cidadania Italiana é um direito de todos os descendentes de imigrantes italianos, porém, ainda existem muitas dúvidas sobre o processo.

EDIÇÃO DO DIÁRIO com agências


Patricia Mora, proprietária do Ser Italiano, empresa que há quase 10 anos oferece serviços relacionados ao processo de reconhecimento da Cidadania Italiana, conta que muitas pessoas a procuram porque não têm certeza se realmente têm direito à Cidadania.

“Deixamos sempre claro que qualquer pessoa que tem um antepassado italiano na família, seja homem ou mulher, pode ter direito à Cidadania Italiana, que, inclusive, não tem limite de gerações”. Outro ponto importante é que a Cidadania não é transmitida pelo sobrenome, mas sim pelo sangue. “Temos muitos clientes de sobrenome Silva, Campos ou Almeida que não carregam o sobrenome italiano e acham que isso pode ser um impeditivo. Quando existe uma mulher na linha de transmissão, normalmente, o sobrenome do antepassado italiano se perde, mas o direito é mantido. Por isso, nunca subestime suas chances. São mais de 30 milhões de descendentes de italianos no Brasil e muitos nem sabem disso”, adverte Patricia.

Confira a seguir os 13 mitos sobre o assunto:

1. Se tiver uma mulher na minha linha, eu perco o direito à Cidadania Italiana.

Muita gente tem dúvida sobre a questão da Via Materna, que é quando existe uma mulher na linha de transmissão. A situação chamada de Via Materna se configura quando o filho ou filha da primeira mulher da linha de transmissão nasceu antes de 1948. Até alguns anos atrás, estas pessoas não tinham direito à Cidadania, porém, desde 2009, com a sentença número 4466 de 25/02/2009, se tornou possível solicitar o reconhecimento da Cidadania Italiana por Via Judicial, pois abriu-se uma jurisprudência e, a partir de então, todos os processos que utilizaram a mesma argumentação tiveram causa procedente.

- Advertisement -

2. A Cidadania Italiana tem limite de gerações.

A Cidadania Italiana não tem limite de gerações! Todos que têm uma pessoa nascida na Itália em sua linha de transmissão, em qualquer nível de geração, têm direito ao passaporte europeu.

3. Se eu não tiver o sobrenome do meu antepassado, eu perco o direito.

Não é preciso ter sobrenome italiano para obter a Cidadania. Se a pessoa tiver um descendente italiano e conseguir comprovar isso, ela tem direito. Não importa que o sobrenome italiano tenha se perdido. Muitas vezes, quando existe uma mulher na linha de transmissão, o sobrenome italiano se perde e não passa de uma geração para outra, mas isso não significa que o direito à Cidadania também se perde, uma vez que ela é transmitida pelo sangue, pela relação sanguínea, e não pelo sobrenome.

4. Se eu tiver o sobrenome italiano e ele tiver sido modificado, preciso corrigi-lo.

As mudanças de sobrenome e de grafia são muito comuns e elas não comprometem o direito à Cidadania. Muitos italianos que chegaram ao Brasil de navio há mais de 120 anos declararam seus nomes à Imigração e, às vezes, eram mal compreendidos. Como os documentos eram escritos à mão com uma grafia muito ruim, muitas vezes, havia divergências de nomes e sobrenomes. Outra situação que gera dúvidas é quando é feita a tradução do nome, de Giovanni para João, Luigi para Luiz ou Giuseppe para Jose, por exemplo. Em todos estes casos, a Análise Documental é muito importante para avaliar se os documentos precisam ou não passar por retificações antes de iniciar o processo da Cidadania.

5. Eu já tenho Cidadania Portuguesa (ou outra), então, não posso ter, também, a Italiana.

Isso é um mito, pois a pessoa pode ter quantas Cidadanias quiser, desde que os outros países também permitam isso. No caso de Portugal e Itália, por exemplo, é possível manter as duas.

6. Se eu me naturalizar italiano pelo matrimônio, eu perco a Cidadania Brasileira.

Isso não é verdade, pois quando a pessoa se naturaliza italiana pelo matrimônio, este processo é vinculado ao casamento com um cidadão italiano, o que não tem nada a ver com a Cidadania Brasileira. A Itália não exige que se abra mão de uma Cidadania para obter outra. Para o Brasil, é necessário fazer um pedido oficial que é publicado no Diário Oficial.

7. Minha esposa ou meu marido pode entrar comigo no processo.

Isso não é verdade. No caso de cônjuges, eles não podem entrar no processo principal com o requerente descendente italiano. O primeiro passo é fazer a Cidadania do descendente italiano e, depois, se for o caso, pode ser solicitada a naturalização por matrimônio, iniciando um novo processo. Apenas para casamentos realizados antes de 27/04/1983, a mulher pode ingressar no mesmo processo que o marido.

8. Se meu filho nascer na Itália ele já será italiano.

Isso também não é verdade, pois a Itália adota a lei perante o direito do sangue, então, a pessoa só é considerada italiana naturalmente quando nasce lá se ela for filha de um italiano ou italiana. O direito à Cidadania por ter nascido em solo italiano não existe na Itália.

9. Um primo ou tio meu já fez a Cidadania, então, isso facilitará a minha.

Na verdade, isso até chega a facilitar um pouco o processo, pois as cópias já existentes dos documentos podem ajudar na localização dos descendentes e destes documentos, mas o processo será feito do início de qualquer forma, independentemente de qual modalidade for feito.

10. Meu Processo Presencial só poderá ser no Comune onde meu antepassado nasceu.

Não é uma exigência – o processo pode ser feito em qualquer Comune da Itália, desde que a pessoa tenha residência no local escolhido. O pré-requisito para fazer o processo presencial é ser residente na Itália para estar presente no processo.

11. Eu já sou Cidadão italiano reconhecido. Quando meu filho nascer, ele também já será automaticamente.

Neste caso, o filho já nasce com o direito a ser reconhecido italiano, mas o processo precisa de registro, então, não é automático. O registro precisa ser feito o quanto antes no Consulado Italiano de residência do genitor, aí sim, ele passa a ter a Cidadania Italiana também.

12. Para eu fazer minha Cidadania, meu pai ou minha mãe precisam fazer antes.

Isso é uma exigência só para quem é menor de idade – aí, sim, é preciso fazer a do pai ou da mãe em primeiro lugar. Maiores de idade podem fazer sozinhos, independentemente se o genitor reconhecer ou não sua própria Cidadania.

13. Se eu demorar para fazer o processo, eu posso perder o direito.

O direito existe enquanto a lei for favorável à Cidadania, ou seja, se ela lei mudar, aí sim, pode ser que a pessoa perca o direito. O ideal é fazer o quanto antes e não correr este risco.

Compartilhe com um amigo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redaçãohttps://diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias para a sua viagem!


    Mais lidas

    Site do Editor

    O jornal dos melhores leitores

    Mais recentes

    Flávia Alessandra e Otaviano Costa vão representar Hotéis Hard Rock no Brasil

    A rede de hotéis Hard Rock, desenvolvida no Brasil pela incorporadora VCI SA, terá Flávia Alessandra e Otaviano Costa como embaixadores e membros consultivos...

    Petrópolis (RJ) realiza 21º Festival Petrópolis Gourmet

    Em formato presencial, de 3 a 19 de dezembro acontecerá a 21ª edição do festival gastronômico Petrópolis Gourmet Edição DIÁRIO com agências A previsão é a...

    Turismo da Cidade do Cabo despenca com a nova variante do coronavírus Omicron

    CIDADE DO CABO, 30 DE NOVEMBRO (Reuters) - A chegada do transatlântico Europa na Cidade do Cabo nesta terça-feira (30) deveria ser uma celebração...

    Governo paulista cria Distrito Turístico Serra Azul para ser a ‘Orlando brasileira’

    "O distrito turístico tem uma capacidade impulsionadora para investimentos privados, empregos e oportunidades em toda a região”, afirmou Doria Edição DIÁRIO com agências O Governador de...

    “O setor não suporta mais a recessão que vem enfrentando”, afirma Manoel Linhares

    Em artigo, presidente da ABIH Nacional fala sobre novas restrições e diz que dificultar as viagens internacionais parece não ser a solução Por Manoel Linhares O...

    Siderley Santos, CEO do grupo Arbaitman: “Nunca vendemos tanto o destino Brasil”

    A chegada do fim do ano combinada com os avanços da vacinação e a abertura das fronteiras de destinos internacionais têm dado novo ânimo...

    Relacionadas

    Compartilhe com um amigo:
    Pautas e Marketing