Nasci há 10 mil anos atrás – por Werner Schumacher*

Como diria o Mestre Seixas, não é a minha praia, mas a canção te leva a cantá-la e reconheço isto, assim como acabo muitas vezes reconhecendo coisas que não havia compreendido bem e acabei criticando.


Posso até ser meio jurássico em algumas coisas, mas nasci em 1953, na metade do século passado, que foi marcado pelo avanço técnico e científico em muitas áreas, entre elas a da enologia.

Vivemos mais hoje – foi comprovado cientificamente – pelo consumo moderado de vinho, mas também pelo avanço da medicina e isto está em mim impregnado, não sai e não se solta, acredito por demais na Ciência.

A esta altura do campeonato não vejo possibilidades de mudança em relação a esses dogmas pessoais, mas reconheço que devo aceitar alguns movimentos que ainda tenho dúvidas, mais me parece saudosismo, empirismo, crença, religião e sei lá, menos resultado da Ciência.

Falo aqui dos vinhos naturais, orgânicos, biodinâmicos, veganos, ancestrais, etc. Naturalmente reconheço que há um movimento importante neste sentido, mas parece que carecem de fundamentos científicos, não consigo entender como um chifre de gado pode ajudar no desenvolvimento de uma videira.

Nesses últimos dias vi uma grande variedade de vinhos oferecidos com variedades de uvas resistentes à doenças, de alta produtividade, e muitos desses vinhos eram apresentados inclusive por empresas de renome internacional, como as famílias Catena-Zapata e Miguel Torres.

A Catena com um vinho da uva criolla e a Torres com um espumante de uva país; não são vinhos baratos, mas não consigo entender como produtos derivadosde uvas tão baratas, (menos de R$ 0,50/kg), alcançam preços tão elevados, apenas por serem orgânicos.

Para facilitar, vou considerar este tipo de vinho como orgânico, palavra que eu entendo melhor para defini-lo. A produção de uva orgânica não aceita defensivos agrícolas, menos custo, o vinho requer menores doses de sultifo, não aceita o uso de leveduras selecionadas e outras práticas enológicas, idem menor custo e assim vai.

Qual a razão que os faz ser tão caros?

Sinceramente, eu não encontro razões.

Mais, o que o faz ser melhor em relação a um vinho não orgânico? Por trás há uma ciência com grande conhecimento técnico e cientifico que fez crescer enormemente a qualidade dos nossos vinhos.

Na minha modesta opinião, estamos vivendo uma batalha que não interessa a ninguém, pois um não anula o outro, ambos têm a intervenção humana, um mais que o outro, mas são igualmente naturais.

Nenhum está saindo vencedor, mas perdedores, quem está ganhando é o vinho globalizado e padronizado, a cerveja, a coca-cola, a água, entre outros, resta-nos fazer uma reflexão sobre o assunto.

Como disse Pau Roca, dirigente da OIV (Organização Internacional da Vinha e do Vinho), o mundo do vinho é um só e por este devemos lutar.



*Werner Schumacher estudou Economia na PUC/RS e é um dos responsáveis pela profissionalização da vitivinicultura no Brasil.

 

 

Avatar
Redaçãohttps://www.diariodoturismo.com.br
Primeiro e-Diário de Turismo do Brasil

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Prefeitura de Salvador dá 40% de desconto do IPTU para hotéis até 2023

Diante da crise provocada pela pandemia, o prefeito de Salvador, ACM Neto, anunciou, nesta quinta-feira (6), medidas tributárias e fiscais de incentivo à economia,...

ABEOC faz nota repúdio e exige de governos data de retorno dos eventos

A presidente da Associação Brasileira de Empresas de Eventos - ABEOC - Fátima Thereza Facuri Leirinha, acaba de divulgar uma nota de repúdio à...

Hplus Hotelaria anuncia retomada de suas atividades em Brasília

A Hplus Hotelaria já obteve o selo de Turismo Responsável e  posiciona-se como referência em hospedagem segura e confiável em meio à pandemia EDIÇÃO DO...

Campanha tenta impedir fechamento do restaurante Itamarati, no centro de São Paulo

Desde 1940, advogados, juízes, políticos e diversas autoridades apreciam o bolinho de bacalhau e a empada do Itamarati, restaurante em frente à Faculdade de...

Webinar denuncia: “golfinhos criados em cativeiro vivem menos”

O biólogo e professor do Instituto de Biociências da Unesp, Mario Rollo apresentou na noite desta quarta-feira (5) o Webinar: “Atrações com golfinhos e a...

Embraer tem prejuízo de R$ 1,68 bilhão no segundo trimestre

A fabricante de aeronaves Embraer encerrou o segundo trimestre com prejuízo líquido atribuído aos sócios da controladora de R$ 1,68 bilhão, comparável a lucro...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias

Open chat