Omicron representa risco global muito alto, mundo deve se preparar, alerta OMS

A variante do coronavírus Omicron com fortes características mutantes, provavelmente se espalhará internacionalmente e representa um risco muito alto de surtos de infecção que podem ter “consequências graves” em alguns lugares, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (29).

Agências internacionais com EDIÇÃO DO DIÁRIO


Nenhuma morte ligada a Omicron ainda havia sido relatada, embora mais pesquisas tenham sido necessárias para avaliar seu potencial de resistência às vacinas e à imunidade induzida por infecções anteriores, acrescentou.

Antecipando o aumento dos números de casos à medida que a variante, relatada pela primeira vez na semana passada, se espalha, a agência das Nações Unidas ordenou seus 194 Estados-membros a acelerar a vacinação de grupos de alta prioridade.

“A Omicron tem um número sem precedentes de mutações de pico, algumas das quais são preocupantes por seu potencial impacto na trajetória da pandemia”, disse a OMS.

“O risco global global global … é avaliado como muito alto.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, disse que o surgimento de Omicron mostrou o quão “perigosa e precária” é a situação.

“Omicron demonstra exatamente por que o mundo precisa de um novo acordo sobre pandemias”, disse ele no início de uma assembleia de ministros da saúde.

“Nosso sistema atual desencoraja os países de alertar outros para ameaças que inevitavelmente desembarcarão em suas costas.”

O novo acordo global, previsto para maio de 2024, abrangeria questões como o compartilhamento de dados e sequências de genomas de vírus emergentes e de quaisquer vacinas potenciais derivadas da pesquisa.

O cientista Richard Hatchett, CEO da Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias (CEPI), uma fundação que financia o desenvolvimento de vacinas, disse que o surgimento da Omicron havia cumprido previsões de que a transmissão do vírus em áreas com baixas taxas de vacinação aceleraria sua evolução.

“A iniquidade que caracterizou a resposta global agora voltou para casa”, disse ele nas conversações, observando que Botsuana e África do Sul haviam se vacinado totalmente menos de um quarto de suas populações.

‘EXIGÊNCIAS ESMAGADORAS’

Omicron foi relatado pela primeira vez em 24 de novembro da África do Sul, onde as infecções aumentaram vertiginosamente.

Desde então, espalhou-se para mais de uma dúzia de países, muitos dos quais impuseram restrições de viagem para tentar se isolar. O Japão se juntou a Israel na segunda-feira dizendo que fecharia completamente suas fronteiras para estrangeiros.

A OMS reiterou que, enquanto aguardam novos conselhos, os países devem usar uma “abordagem baseada em riscos para ajustar as medidas de viagem internacionais”, ao mesmo tempo em que reconhece que um aumento nos casos de coronavírus pode levar a maiores taxas de morbidade e mortalidade.

“O impacto sobre as populações vulneráveis seria substancial, particularmente em países com baixa cobertura vacinal”, acrescentou.

Em pessoas vacinadas, entretanto, “SÃO esperados casos e infecções do COVID-19 … embora em uma proporção pequena e previsível”.

No geral, houve “incertezas consideráveis na magnitude do potencial de fuga imune de Omicron”, e mais dados eram esperados nas próximas semanas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT