Turismo brasileiro em 2021: não será para amadores

Vacinação da população, sobrevivência de pequenas empresas, manutenção de empregos, ajuda do governo, resiliência e renovação serão temas centrais para o turismo

 

POR ZAQUEU RODRIGUES – Especial para o DIÁRIO

PAULO ATZINGEN (edição)


De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), 2020 foi o pior ano da história do turismo internacional. A entidade avalia que o setor retrocedeu a níveis de 1990. De janeiro a outubro de 2020 o setor perdeu 900 milhões de viajantes em comparação com o mesmo período de 2019. A OMT avisa que a recuperação do setor, mesmo após a vacinação da população, encontrará um longo caminho pela frente.

De março a dezembro de 2020 o turismo brasileiro amargou um prejuízo de R$ 261,3 bilhões de reais. É o que estima a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Para Fábio Bentes, economista da CNC, o turismo brasileiro só deverá retomar os níveis de receitas pré-pandemia no segundo semestre de 2022.

As expectativas positivas para o começo de 2021 foram derretidas por uma nova escalada de contaminação do vírus no país. Neste mês o Brasil já ultrapassou a marca de 200 mil mortes causadas pela pandemia de coronavírus. Enquanto não começa a vacinar a população, as perdas do setor devem alcançar patamares ainda mais dramáticos, já que muitos estados começam a aumentar as restrições de deslocamentos.

Mariana Aldrigui: adesão maciça da população à vacina será determinante para a recuperação do turismo (Crédito: arquivo DT)

Em meio a um cenário delineado por incertezas, o turismo brasileiro pode esperar o quê de 2021? A professora de turismo da USP e presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, afirma que a adesão maciça da população à vacina será determinante para a recuperação do setor. E projeta: “infelizmente, com a postura do governo federal e a inação que se viu ao longo de 2020, as perspectivas são muito pessimistas”.

Neste momento, prossegue Aldrigui, é fundamental “investir em mapeamento de produtos e serviços que possam atender à demanda [de viagens] de curta distância (até 300km), valorizando percursos em carro, próprio ou alugado”. Entre as prioridades estão a sobrevivência de pequenos e médios negócios e a geração de empregos para as pessoas que ficaram desamparadas pelo auxílio emergencial do governo federal.

Quedas e demissões

Os pequenos e médios negócios foram os mais impactados pela pandemia. Segundo a CNC, 49,9 mil empresas de turismo fecharam as portas no país de março a agosto de 2020. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) revelam que o setor demitiu 437,9 mil profissionais de março a novembro de 2020, o que representa uma queda de 12,5% na força de trabalho do setor.

A travessia desse período requer união de profissionais e entidades representativas da cadeia de turismo, aponta o presidente da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), Roberto Nedelciu. Ele sublinha que a pandemia arrancou a todos da zona de conforto e “colocou à prova a nossa capacidade de resiliência, foco, jogo de cintura e estratégias certeiras. Aprendemos que dependemos uns dos outros”.

Roberto Nedelciu: união de profissionais e entidades representativas da cadeia de turismo (Crédito: arquivo DT)

Nedelciu avalia que a pandemia trouxe muitos aprendizados para o turismo. “Destaco a coalização de entidades em diversos projetos cujos objetivos se fundem no mesmo caminho: conquistar o melhor para a sustentabilidade e retomada do setor. Precisamos estar mais conectados do que nunca para vencer essa batalha contra a covid-19. O setor de turismo criou e instaurou uma série de protocolos de saúde e precisamos da adesão irrestrita dos viajantes”.

Nedelciu pontua que, em 2021, também será muito importante “a criatividade, a flexibilidade e o alto poder de customização das operadoras para a criação de novos produtos com o intuito de manter nas vitrines opções diferenciadas para todos os perfis de viajantes. As palavras-chave de 2021 são responsabilidade, conscientização, união e trabalho duro”, afirma o presidente da Braztoa”.

Muito trabalho em 2021

O fundador da CVC e da GJP Hotels & Resorts, Guilherme Paulus, se mostra otimista. “O setor de turismo já passou por grandes altos e baixos em diversos períodos, mas a capacidade do segmento em se reinventar é muito grande”. Ele diz que as empresas precisam cuidar neste momento de seus bens mais precisos: os clientes. “A vacina vem aí e teremos muito trabalho pela frente em 2021, com uma excelente temporada de vendas para todos”.

Guilherme Paulus: conectados de uma forma ainda mais completa (Crédito: arquivo DT)

A empatia é um dos grandes aprendizados desse período, considera Paulus. “Sem dúvida uma das grandes lições que devem se perpetuar após esse período. O exemplo de doações das mais diversas áreas e em proporções também jamais vistas no nosso cotidiano mostra que é possível estarmos conectados de uma forma ainda mais completa”.

O turismo não é para amadores

Para a diretora-executiva da Brazilian Luxury Travel Association (BLTA), Simone Scorsato, o Brasil entrou em 2021 a alguns passos atrás na corrida pela retomada econômica do setor ao demorar a apresentar um plano de vacinação. A ausência de estratégias contra a expansão da covid-19 no país prejudicou o destino Brasil. “Temos que trabalhar muito a imagem do Brasil no mercado internacional”, ela avalia.

Scorsato afirma que o turismo aprendeu mais sobre resiliência e sustentabilidade durante o enfrentamento da pandemia. Segundo ela, os empreendimentos que atuavam de uma forma não sustentável, econômica e socialmente, foram os mais impactados. “O turismo não é para amadores. É uma atividade que demanda conhecimento, técnica, inovação”.

Simone Scorsato: trabalhar muito a imagem do Brasil no mercado internacional

A implantação de uma política de saúde pública em território nacional, promovendo a vacinação para todos, é prioridade, considera Scorsato. “Em 2020 vivemos a pandemia de uma forma global. Em 2021 a gente vai ver um cenário onde alguns países já avançam no processo de imunização da sua população, e, consequentemente, o turismo vai começar a andar a passos mais largos em destinos que já tenham uma campanha de imunização e estratégias seguras para receber visitantes estrangeiro”.

Sobrevivência

Presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio destaca que “sem vacinação, não há recuperação” para o turismo. “O recrudescimento da covid-19 fez as reservas de final de ano despencarem. Agora não vai haver recuperação, e sim sobrevivência”, constata ele, que considera essencial o governo federal estender a lei 14.020, que permitiu às empresas fazer acordo de redução de jornada de trabalho e de salários e de suspensão de contratos.

Alexandre Sampaio: negociação, diálogo, calma e maturidade (Crédito: DT)

Alexandre afirma que, em 2021, será necessário muita negociação, diálogo, calma e maturidade. “Uma coisa eu já adianto. Os protocolos de biossegurança, como uso de máscara, álcool gel e distanciamento social, vão continuar. O processo de vacinação vai demorar muito, dado o tamanho do país. Diante disso, o que se apresenta é um quadro tênue e de débil recuperação. Não tem retomada. A intenção das pessoas de viajar e a demanda reprimida existem, mas há a preocupação com a saúde. A minha projeção para uma situação mais estável é no verão de 2022. Só então veremos uma luz no fim do túnel”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Zaqueu Rodrigues
Zaqueu Rodrigues
Zaqueu Rodrigues é jornalista há mais de uma década e escreve sobre cultura, hotelaria e destinos CONTATO: zaqueufogaca@gmail.com

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    Mais recentes

    FBHA aponta urgência na aprovação da PEC Emergencial

    A Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), junto com a coalizão de entidades que representa hotéis, resorts, parques e atrações, feiras e eventos,...

    RS em bandeira preta: veja o que muda em todas as regiões a partir de sábado, dia 27

    Diante do crescimento exponencial de contágio de coronavírus e do pico de internações em leitos hospitalares desde o início da pandemia, o que já...

    Iphan e Arquidiocese do Rio vão implementar Via-Sacra no Cristo Redentor

    O ano de 2021 marca os 90 anos do Cristo Redentor. Ao longo de nove décadas, o monumento se consolidou como um dos maiores...

    I Mostra Internacional de Economia Criativa acontece de 13 de março a 11 de abril

    A ideia é democratizar e valorizar a Economia Criativa.  A I Mostra Internacional de Economia Criativa apresentará profissionais, iniciativas e oficinas de diversos segmentos da área,...

    Endurecimento da quarentena: quais as alternativas de empregadores e empregados?

    O aumento expressivo de casos de Covid-19 nos últimos dias está resultando novas medidas drásticas de endurecimento da quarentena, mas a vida de empregadores...

    DIÁRIO adianta novo vídeo da Air France que entra no ar dia 1º de março

    A Air France apresenta nesta quarta-feira (24) seu novo vídeo de segurança em voo - uma vitrine elegante, viva e dinâmica da cultura francesa....

    Relacionadas

    Open chat