Viracopos foca em recuperação judicial para solucionar crise

A publicação do decreto da lei 13.448/2017, responsável por regulamentar a devolução de concessões de empreendimentos aeroportuários, ferroviários e rodoviários do Brasil, resolveu um impasse que se arrastava por dois anos e era considerado determinante para a continuidade da operação do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). No entanto, a situação mudou e, nos bastidores, a possibilidade de relicitação é vista pela concessionária como remota.

DO G1.

Em julho de 2017, a concessionária Aeroportos Brasil, que administra a estrutura, anunciou a devolução da concessão ao governo, mas a medida emperrou na regulamentação da lei, que ficou parada nos ministérios dos Transportes – atualmente transformado em pasta da Infraestrutura – e na Casa Civil. O decreto foi publicado no Diário Oficial de quarta-feira (7).

A demora para a regulamentação fez Viracopos buscar outras alternativas para solucionar a dívida de R$ 2,88 bilhões do aeroporto. A principal delas é o processo de recuperação judicial, o qual a concessionária entende atualmente ser a única opção de resolver a crise e se manter à frente do aeroporto. O empreendimento já realizou duas assembleias de credores para tentar aprovar o plano. O próximo encontro está marcado para 1 de outubro.

Em nota, a Aeroportos Brasil informou que vai analisar o teor do decreto, “à luz dos diversos fatos que se sucederam desde julho de 2017”, mas o G1 apurou que, no entender da concessionária, a medida de relicitar o aeroporto agora não é vantajosa por “desperdiçar” todo o processo de recuperação judicial e o plano que o terminal tenta aprovar junto aos credores.

As dívidas de Viracopos se dividem em débitos com bancos – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e outras quatro instituições privadas – além de fornecedores, inclusive empresas responsáveis por serviços diretamente ligados à operação do aeroporto, e outorgas fixas e variáveis de 2017, 2018 e 2019 que a concessionária deveria pagar à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Recuperação ou venda

A outra possibilidade para solucionar a dívida de R$ 2,88 bilhões do aeroporto, além da recuperação judicial, é a venda do controle acionário para outra empresa. O presidente da concessionária Aeroportos Brasil, Gustavo Müssnich, admitiu a chance de uma “solução de mercado” para Viracopos mesmo com a aprovação da recuperação judicial. De acordo com o presidente, a concessionária negocia diretamente com cinco empresas a possibilidade de venda de Viracopos.

A crise de Viracopos

Se não houver uma solução de mercado, Viracopos depende de aprovar a recuperação judicial para se manter à frente do aeroporto e solucionar a dívida. Além disso, a concessionária se apega a uma liminar que suspendeu o processo de caducidade aberto pela Anac por descumprimentos de contrato, em fevereiro de 2018, para não perder a concessão.

Em janeiro, o governo federal publicou, no Diário Oficial da União, o edital de chamamento para que empresas manifestem interesse e façam estudos de viabilidade para a nova licitação do aeroporto. De acordo com o Executivo, o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) é um “plano B” caso o terminal não encontre uma solução para a dívida e precise relicitar a concessão.

A concessionária protocolou o pedido de recuperação judicial em maio do ano passado, na 8ª Vara Cível de Campinas. Viracopos foi o primeiro aeroporto do Brasil a pedir recuperação. O plano para evitar a falência da estrutura foi entregue à Justiça em julho.

A Infraero detém 49% das ações de Viracopos. Os outros 51% são divididos entre a UTC Participações (48,12%), Triunfo Participações (48,12%) e Egis (3,76%), que formam a concessionária. Os investimentos realizados pela Infraero correspondem a R$ 777,3 milhões. A Triunfo e a UTC são investigadas pela Operação Lava Jato.

O aeroporto briga ainda por reequilíbrios no contrato de concessão por parte da Anac. De acordo com a concessionária, a agência descumpriu itens que contribuíram para a perda de receita da estrutura.

Entre os pedidos de Viracopos, estão o valor de reposição das cargas em perdimento – que entram no terminal e ficam paradas por algum motivo -, além da desapropriação de áreas para construção de empreendimentos imobiliários e um desacordo no preço da tarifa teca-teca, que é a valorização de cargas internacionais que chegam no aeroporto e vão para outros terminais.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Ronaldo Albertino, da Hotel Care, faz prognósticos do setor: “a regra vai ser fechar as contas no zero a zero”

Quando iremos retomar a normalidade da atividade econômica, em especial as atividades hoteleiras? por Paulo Atzingen*Uma recente enquete do Bradesco BBI (Banco de Investimento da...

Decidido: ABIH-SC transfere 33ª edição do Encatho & Exprotel para agosto de 2021

A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Santa Catarina ABIH-SC, informou na tarde desta terça-feira sua decisão de transferir a 33ª edição do...

Jornalista: um escritor que navega pelas correntezas do verossímil

Por Paulo Stucchi*Recordo-me de um professor – daqueles que marcam a vida da gente numa época em que queremos abraçar o mundo, mas não...

Vila Galé apoia MP 936/2020 que preserva empregos e renda de colaboradores

Em comunicado emitido na manhã desta terça-feira (7), o grupo português Vila Galé congratula-se com as primeiras medidas aprovadas pelo Governo Federal brasileiro de...

Cabe negociação coletiva se houver suspensão contratual durante pandemia

As empresas deverão notificar os sindicatos da intenção de suspender temporariamente contratos e de realizar corte salarial. É o que determina o ministro Ricardo Lewandowski, do...

Obras no Largo do Boticário do JO&JOE são iniciadas

As obras de revitalização e transformação das cinco casas que constituem o histórico Largo do Boticário, no Cosme Velho, zona Sul do Rio de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias