Virgin Australia pede recuperação judicial

A companhia aérea Virgin Australia entrou com pedido de recuperação judicial nesta terça-feira (21), depois dos parlamentares australianos negarem socorro financeiro à empresa, que sentiu o impacto da pandemia do coronavírus. A Virgin Australia é a segundo maior companhia aérea do país.

Os parlamentares entenderam que a ajuda financeira poderia representar uma espécie de fiança para as companhias estrangeiras que juntas possuem 90% das ações da Virgin Australia. Entre os investidores estrangeiros, estão a Etihad Airways, a Singapore Airlines, o conglomerado chinês HNA Group e o grupo Virgin, do empresário britânico Richard Branson.

O impasse ilustra o desafio enfrentado pelos governos à medida que as solicitações de ajuda financeira da indústria da aviação aumentam. O prejuízo da Virgin Australia, se um comprador não puder ser encontrado, pode levar a milhares de perdas de empregos e criaria quase um monopólio local para a Qantas Airways.

No entanto, o governo australiano é contrário ao uso de dinheiro dos contribuintes para sustentar negócios que são de propriedade estrangeira.

A Virgin Australia emprega mais de 10 mil pessoas e, até a suspensão de boa parte dos voos por causa da pandemia do novo coronavírus, voava para destinos como Estados Unidos, Indonésia e Nova Zelândia.

A quebra da Virgin Australia mostra a rapidez com que uma companhia aérea pode gastar dinheiro quando seus aviões são parados. Há cerca de seis meses, a operadora captou mais de US$ 600 milhões nos mercados de títulos de dívida. No final de março, no entanto, a companhia aérea disse que precisava de um socorro de US$ 863 milhões do governo para sobreviver.

A Etihad disse que trabalhou em estreita colaboração com a Virgin Australia e outras partes interessadas para evitar a recuperação judicial, mas que não poderia fornecer apoio financeiro adicional devido ao impacto da pandemia em seus próprios negócios. A Singapore Airlines e a HNA se recusaram a comentar. Outro acionista, o Nanshan Group, da China não foi encontrado. (Dow Jones/Valor)

 

Paulo Atzingen
Paulo Atzingenhttps://www.diariodoturismo.com.br
Paulo Atzingen é paulista e jornalista profissional (DRT-185 PA) desde o ano 2000; cursou Letras e Artes e Comunicação Social na Universidade Federal do Pará (UFPA), É poeta, contista e cronista. Estuda gaita (harmônica).

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


Mais recentes

Califórnia retrocede na reabertura com expansão do coronavírus nos EUA

SACRAMENTO, Estados Unidos (Reuters) - O governador da Califórnia decretou nesta segunda-feira um recuo no plano de reabertura da economia do Estado norte-americano, após...

La Casa de Papel: a transferência de liquidez relatada pelo refém brasileiro**

Por Paulo Atzingen* (de Madri) Só depois de passados alguns anos do assalto à Casa da Moeda da Espanha e me tornado refém por aquele...

Dentro de uma capela brasileira feita de vinho

por DANIELLE BAUTER* Com sua paisagem de colinas verdes ondulantes pontilhadas de fazendas familiares, a vista pode facilmente ser confundida com a Toscana. O estado...

A politização da Pandemia – por Gaudêncio Torquato*

Cada coisa em seu lugar. Ou, em outros termos, cada macaco em seu galho. A popular expressão aconselha que cada pessoa deve exercer o...

Fairmont Rio de Janeiro reabre dia 1º de setembro

O Fairmont Rio de Janeiro Copacabana se prepara para receber seus primeiros hóspedes pós-quarentena a partir de 1º de setembro de 2020. EDIÇÃO DO DIÁRIO...

Os riscos do desconfinamento e o Turismo

por Bayard Do Coutto Boiteux* No momento em que escrevo o presente artigo vejo que vários países europeus estão sendo obrigados a retomarem programas de...

Relacionadas

Fique ligado - Receba nossas notícias diárias