Boris Johnson pediu desculpas: “sim participei da festinha por 25 minutos”

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson pediu desculpas nesta quarta-feira (12) no Parlamento inglês por participar de uma reunião onde “cada um trouxe sua própria bebida”. A reunião aconteceu em sua residência oficial em maio do ano passado, período em que o Coronavírus entrava em seu auge com infeções e mortes no Reino Unido.

Reuters com EDIÇÃO DO DIÁRIO


Ele admitiu pela primeira vez que tinha ido à festa em 10 Downing Street em 20 de maio de 2020, quando as regras do COVID-19 limitavam as reuniões sociais ao mínimo, e disse entender a raiva pública que as revelações estão causando.

“Eu sei a raiva que eles sentem comigo sobre o governo que eu lidero quando eles pensam que em Downing Street as regras não estão sendo adequadamente seguidas pelas pessoas que fazem as regras”, disse johnson visivelmente constrangido.

Ele disse que se arrependeu de sua ação e pensou que a reunião era um evento de trabalho – atraindo vaias e risos de legisladores da oposição.

“Entrei naquele jardim logo após as seis pessoas em 20 de maio de 2020 para agradecer a grupos de funcionários antes de voltar ao meu escritório 25 minutos depois para continuar trabalhando”, disse Johnson.

“O correto era ter mandado todos de volta para dentro,” reconheceu.

Líderes de todos os principais partidos da oposição pediram sua renúncia.

O líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, disse que o público – que deu a Johnson uma vitória eleitoral em dezembro de 2019 depois que ele prometeu garantir a saída da Grã-Bretanha da União Europeia – o considerou um mentiroso.

“O partido acabou, primeiro-ministro”, disse Starmer a ele.

“Depois de meses de engano e engano, o espetáculo patético de um homem que ficou sem estrada. Sua defesa de que ele não percebeu que estava em uma festa é tão ridícula que é realmente ofensiva para o público britânico, ” disse o opositor.

‘AINDA NÃO AFUNDOU’

A raiva cresceu desde que a tv londrina – ITV News informou que Johnson e sua parceira Carrie se misturaram com cerca de 40 funcionários no jardim de Downing Street depois que seu secretário particular principal, Martin Reynolds, enviou um convite pedindo aos participantes para “trazer sua própria bebida”. O secretário de imprensa de Johnson disse que o primeiro-ministro não tinha visto esse e-mail.

Alguns dos legisladores conservadores de Johnson haviam dito que sua resposta na quarta-feira ao furor crescente determinaria seu futuro.

FESTA DE CONFINAMENTO

Há apenas dois anos, Johnson estava em alta: ele havia garantido a maior maioria conservadora desde Margaret Thatcher em 1987, depois de prometer fazer o Brexit. Ele havia liderado a campanha para deixar a UE no referendo de 2016.

Duas pesquisas de opinião instantâneas na terça-feira mostraram que mais da metade dos entrevistados achava que Johnson deveria renunciar. No mês passado, os conservadores perderam uma cadeira parlamentar que ocupavam por quase 200 anos, enquanto a confortável vantagem do partido sobre os trabalhistas nas pesquisas de opinião evaporou.

“Não posso antecipar as conclusões do inquérito atual, aprendi o suficiente para saber que havia coisas que simplesmente não acertamos. E eu devo assumir a responsabilidade”, disse ele.

Enquanto o Parlamento ressoava com as exigências de sua cabeça, o biógrafo de Johnson, Andrew Gimson, disse que era improvável que ele desistisse a menos que fosse forçado a sair por seus colegas parlamentares.

“Ele vai procurar um caminho através disso. Ele não é do tipo que se demite”, disse Gimson.

 

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial