Chile flexibilizará entrada de turistas estrangeiros; veja as novas regras

Para entrar no país será preciso apresentar o exame PCR com resultado negativo realizado com 72 horas antes da viagem

Edição DIÁRIO com agências

A partir de 1º de dezembro, além dos quatro aeroportos atualmente habilitados como forma de entrada no país –Santiago, Iquique, Antofagasta e Punta Arenas-, as fronteiras terrestres do Chile também estarão abertas a estrangeiros não residentes.

Esta etapa da reabertura libera a entrada por Chacalluta, na Região de Arica e Parinacota, Colchane, na Região de Tarapacá, e Pino Hachado, na Região de La Araucanía. No dia 1 de janeiro será liberada e entrada por Los Libertadores (Valparaíso), Cardenal Samoré (Los Lagos) e Río don Guillermo (Magallanes).

Segundo a subsecretária de Saúde Pública do Chile, Paula Daza, poderão entrar no país todos os estrangeiros residentes e não residentes que apresentarem esquema vacinal completo, além de crianças menores de seis anos sem vacinação.

Todos os viajantes que chegarem ao Chile, a partir de dois anos de idade e independentemente de sua nacionalidade, deverão apresentar um exame PCR com resultado negativo realizado com 72 horas antes da viagem. Também será preciso preencher a Declaração para Viajantes Provenientes do Exterior disponível no site 

Os estrangeiros não residentes deverão apresentar esquema vacinal completo aprovado pelo Ministério da Saúde do país, e seguro de viagem com cobertura mínima para benefícios de saúde de US$ 30.000.

Os estrangeiros não residentes que apresentarem a dose extra aplicada nos últimos seis meses de antecedência à viagem serão isentados do exame de PCR realizado na chegada ao Chile, bem como do período de isolamento previamente estabelecido. O reforço deve constar em seu Passe de Mobilidade.

O processo de validação das vacinas para obtenção do Passe de Mobilidade será mais rápido nos próximos meses, e o prazo para entrega da homologação será informado no início da solicitação.

Contudo, os viajantes que apresentarem o Passe de Mobilidade e ainda não forem vacinados com a dose extra da vacina precisarão realizar o teste de PCR na entrada do país, assim como cumprir com o isolamento até que o resultado do exame seja divulgado. O valor do teste é de responsabilidade do próprio passageiro.

As pessoas que não tiverem suas vacinas validadas, independentemente de sua nacionalidade, além do teste PCR realizado na entrada do país, deverão realizar quarentena obrigatória de cinco dias, mesmo que o resultado do exame for negativo.

No caso de crianças menores de seis anos de idade que viajam com suas famílias que apresentam esquema de vacinação completo e validado, com ou sem doses de reforço, deverão cumprir com o isolamento até que o resultado de seu exame PCR realizado na entrada do país seja divulgado.

Sobre as voos de conexão, a partir de 1° de dezembro os passageiros que entrarem no Chile por via aérea e que passarão por um voo de conexão não precisarão esperar pelo resultado negativo do exame de PCR no aeroporto. O viajante poderá esperar no endereço informado em sua Declaração.

1 COMENTÁRIO

  1. Muitas regras desnecessárias. Não vale a pena vender o destino enquanto estiver com todas estas dificuldades. É o formulário que não tem retorno, PCR pra ir, PCR na chegada, quarentena…enfim, melhor visitar outros destinos e até mesmo o país vizinho que tem as mesmas belezas e não tem tanta dificuldade. É muito risco de não conseguir entrar e perder a viagem.

Comments are closed.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE

TENHA ACESSO À CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

+ 300 MATÉRIAS COM CONTEÚDO DIRECIONADO

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES EM 1ª MÃO

Tenha acesso ILIMITADO ao conteúdo EXCLUSIVO de turismo.

Conteúdo exclusivo

Recentes

Mais do DT

Atendimento Comercial