Estrangeiro

Por Osvaldo Alvarenga

Foi em janeiro de 2020, de São Paulo para Lisboa, num voo tranquilo e sem surpresas, minha última viagem de avião. Quase um ano depois, fiz agora o percurso de volta. Desta vez, por economia, uma passagem comprada há seis meses, de Lisboa para Madrid, São Paulo e, finalmente, Rio de Janeiro.

A passagem original foi comprada de Lisboa ao Rio, com escala de duas horas em Madrid. Tantas vezes cancelada, tantas vezes alteradas as datas e os horários que, ao final, como única alternativa, viemos alguns dias antes do programado, com escalas de cinco horas em Madrid e outras três em São Paulo, para, vinte e três horas depois de sair de casa, chegar à castigada cidade maravilhosa; cartão postal e paradigma do Brasil.

Com essa pandemia, e depois de ler que num voo de seis horas e meia para Dublin duas dezenas de passageiros foram infectados, contrariando todas as pesquisas que garantem baixíssimo risco de contágio em avião, é natural que eu estivesse apreensivo. Primeiro por mim, depois por todas as pessoas que eu quero encontrar no Brasil; afinal, viajei para estar com elas. Preciso manter-me saudável, não posso infectar ninguém.

Não pretendia tirar a máscara durante os voos. Uma hora e meia de Lisboa até Madrid seria tranquilo. Na Espanha, antes de embarcar para o Brasil, comeria qualquer coisa no aeroporto. Com o estômago forrado, esperava dormir o máximo que pudesse na longa travessia sobre o Atlântico. Comida de avião é sempre ruim e desconfortável comer. Seria fácil resistir. O café da manhã faria em Guarulhos e o almoço, já combinado, uma feijoada ao ar livre no Rio.

Vazio o aeroporto de Lisboa, ainda assim, as lojas e restaurantes abertos. Não são tantos assim, o lugar é pequeno. A surpresa ficou para o Madrid-Barajas. O aeroporto deserto, quase todas as lojas fechadas e nenhum restaurante aberto. Grande e bonito, como tínhamos tempo de sobra, corremos toda a área iluminada do terminal 4 à procura de onde comer. Nada. Um único balcão com alguns sanduíches foi tudo o que encontramos. Eu, que não estava psicologicamente preparado para o longo jejum, comi o que serviram no avião.

Na viagem entre Lisboa e Madrid, a Iêda e eu, tivemos que dividir com uma terceira pessoa a fileira de três lugares. O avião não estava totalmente cheio e, aqui e ali, havia fileiras de três com apenas um passageiro. Mesmo atrás de nós, uma moça viajava só. Mudar de lugar está expressamente proibido. Entendo perfeitamente a razão. Mais difícil é entender porque não planejam melhor a distribuição dos passageiros no check-in. Por sorte, na viagem para o Rio, sentamo-nos sós em dois assentos próximos à janela. Voo lotado. Ainda que todos estivessem de máscaras, uns poucos com o nariz de fora, havia muita conversa para o meu gosto – sobretudo durante as refeições. Despidos das máscaras, para que tanta confraternização assim?

No Brasil é diferente. Aqui só os maricas ficam doentes. Entre São Paulo e Rio, uns tantos, muitíssimos, com as máscaras sob o queixo. Outros tantos com o nariz à mostra. No avião lotado, sentamo-nos ao lado de um covarde que, como a Iêda e eu, usava a máscara como deve ser. Mas à nossa frente, atrás e na fileira ao lado, bravos patriotas nos impunham a lição. Reclamei no desembarque com a comissária de bordo e, suponho, o comandante, ambos sorridentes à saída da aeronave: a gente fala, mas eles não obedecem… respondeu, sem constrangimento, a mulher. O homem, o comandante, manteve congelado o sorriso profissional. Disse nada. Eles correm maior risco. Estão nesse vai e vem todos os dias. Devem saber o que fazem.

Minas é o nosso destino final. Do Rio para cá viemos de carro, pela BR-040. Já fez uma semana. Pasmado, observo este país de machos. Sinto-me deslocado entre os meus. Sinto-me impotente. Sinto-me estrangeiro na minha terra. Preciso processar melhor o que vejo e sinto antes de dizer mais qualquer coisa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Osvaldo Alvarenga
Osvaldo Alvarenga
*Osvaldo reside em Lisboa e escreve para os blogs: Flerte, sobre lugares e pessoas e Se conselho fosse bom…, sobre vida corporativa e carreira. Atuou por 25 anos no mercado de informações para marketing e risco de crédito, tendo sido presidente, diretor comercial e diretor de operações da Equifax do Brasil. Foi empresário, sócio das empresas mapaBRASIL, Braspop Corretora e Motirô e co-realizador do DMC Latam – Data Management Conference. Foi diretor da DAMA do Brasil e do Instituto Brasileiro de Database Marketing – IDBM e conselheiro da Associação Brasileira de Marketing Direto – ABEMD, dos Doutores da Alegria e, na Fecomercio SP, membro do Conselho de Criatividade e Inovação.

Assine nossa newsletter

E fique por dentro das notícias mais importantes do setor!


    Mais lidas

    Site do Editor

    Mais recentes

    Novos Embaixadores do Turismo do Rio de Janeiro são anunciados

    Foram anunciados na tarde desta sexta-feira (22) o nome dos 26 novos Embaixadores do Turismo do Rio de Janeiro. O evento vem ano a...

    Operadoras não vendem 50% do que venderam no mesmo mês de dezembro, em 2019

    Um balanço apresentado na tarde desta sexta-feira (22) pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo - Braztoa - aponta que o faturamento referente às...

    Turismo Sustentável começam a ser gerados na Grande Reserva Mata Atlântica

    Negócios de turismo sustentável e produção de natureza localizados nos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo serão impactados pelo primeiro Centro de...

    Pierfrancesco Vago nomeado Presidente Executivo Global da Cruise Lines International Association (CLIA)

    Uma nota da MSC Cruzeiros acaba de informar que seu presidente honorário Pierfrancesco Vago foi nomeado Presidente Executivo Global da Cruise Lines International Association...

    GOL e LATAM fazem juntas voos da colaboração e da solidariedade

    A GOL e a LATAM demonstram espírito de cooperação e solidariedade no momento da distribuição das vacinas contra a Covid-19. A GOL levou 500...

    Japão nega que as Olimpíadas sejam canceladas

    TÓQUIO (Reuters) - O Japão se manteve firme na sexta-feira em seu compromisso de sediar as Olimpíadas de Tóquio este ano e negou um...

    Relacionadas

    Open chat