Lençóis e a Chapada Diamantina reabrem para o turismo

0
519

por Reginaldo Marinho –   RM@reginaldomarinho.com.br


Foi amor à primeira vista. Vim conhecer Lençóis há três anos e daqui não quis mais sair. Vim por um chamado do poeta e jornalista, baiano de Vitória da Conquista, de alma brasiliense, galáctico, primo de Glauber Rocha Heitor Humberto de Andrade, o saudoso H2A, in memoriam, amigos desde os anos 80, em Brasília. Do tempo Jornal Ordem do Universo e da revista Transe. Veículos que sintetizavam a arte, a cultura e as transformações transcendentais e esotéricas que marcaram a convulsão cultural ocorrida na década de 80 em Brasília, sintetizada pelo poderoso rock que explodiu na matriz do rock brasileiro. Heitor era assim: ele sempre encontrava os lugares de elevado poder energético.

O meu encontro com Lençóis foi pela porta do poeta H2A. A cidade me atraiu pelo rico acervo histórico, arquitetônico [sendo Lençóis tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional], paisagístico e a atmosfera espiritual que domina os territórios da Chapada Diamantina. Talvez seja essa energia piezoelétrica gerada pelos diamantes, mantidos através de centenas de séculos abaixo de nossos pés, que fixam a gente na terra.

A cidade festiva

As noites de Lençóis eram uma festa permanente. Turistas do mundo inteiro circulavam pelas ruas estreitas e animadas por talentosos músicos residentes ou os que por aqui passavam, do Brasil e do exterior. Lençóis chegou a atrair o lendário guitarrista Jimmy Page da banda Led Zeppelin, que comprou imóvel e morou aqui.

A cidade vivia do turismo ecológico, gastronômico, religioso, esotérico e arqueológico, representado pelo rico Parque Arqueológico das Paridas e era o hub da Chapada Diamantina, pela existência do aeroporto Horácio de Mattos, com pista 2.280 metros de comprimento e pela manutenção de 5.000 leitos distribuídos em mais de duzentas pousadas, hotéis e outros equipamentos.

A alegria explodia das mesas dos restaurantes distribuídas ao longo das ruas situadas nos eixos da gastronomia, formados pela Rua da Baderna, Rua das Pedras e a Praça Horácio de Mattos. Nas calçadas, os artistas instalavam os seus equipamentos sonoros e criavam os seus micropalcos.

Com todos esses fatores reunidos, Lençóis foi eleita Melhor Destino do Brasil 2019, através da votação de mais de 25 mil turistas.

Lençóis, no coração da Chapada (Crédito: Reginaldo Marinho)

Depois que a terra parou, o mundo mudou

Aí veio esse vírus letal e mergulhou Lençóis em uma noite profunda. Era aterrorizante. Aquelas mesmas pedras, artisticamente compostas pelo calçamento da cidade, não repercutiam mais os sons das guitarras ou violões, que se multiplicavam em cada noite. Caminhei nalgumas madrugadas pela cidade e não encontrava nenhuma pessoa, mesmo os cachorros de rua deixaram o Centro.

Eu nunca havia ouvido sirene aqui, mas no dia 22 de março uma viatura do Corpo de Bombeiros tocava a sirene, enquanto um militar pronunciava, amplificada por megafone, a frase que virou o mantra da pandemia: fique em casa. As pessoas passaram a usar máscaras repentinamente e apresentar sinais de desconfiança. Aquela alegria transformou-se num pesadelo. Desemprego. Hotéis e restaurantes fechados. Agências de turismo, tudo.

O vírus chegou de repente, sem bula ou manual, e se instalou. Objetivamente, ninguém tinha experiência com um vírus tão sofisticado e letal. O desafio é a sobrevivência. O prefeito de Lençóis adotou medidas duras que deram certo. São seis meses de enfrentamento. Nenhum óbito ocorreu em Lençóis. A administração municipal adotou critérios rigorosos e manteve a população em segurança.

Testagem negativa para covid-19

Do ponto de vista da segurança sanitária, o município está muito bem. Os casos que foram testados, positivados e assintomáticos, foram submetidos a monitoramento e distanciamento efetivo. Todos já retornaram às suas atividades. Do ponto ambiental, o município vai adotar na área o Parque Nacional da Chapada Diamantina o que o parque determina como protocolo; na área da APA, como é de uso sustentável, é uma ação direta do município. A Secretaria de Meio Ambiente, através de parceria com o ICMBio e o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos-Inema, modula esse compartilhamento de ações, confirma o secretário do Meio Ambiente de Lençóis Andrés Yglesias.

Atendendo a pedido do trade turístico, o prefeito decidiu reabrir essa cidade mágica e encantadora para acolher novamente os turistas que desejem dar um choque de natureza em seu confinamento.

Através de decreto municipal, foram determinados rigorosos protocolos que possam continuar garantindo a segurança sanitária para a população e para os turistas, entre os quais testagem negativa para covid-19 para os turistas ingressarem na cidade, a partir de 01 de outubro, quinta-feira.

Todos os serviços serão reduzidos a 50% da capacidade de cada estabelecimento. Serão metade das vagas nos hotéis e pousadas, das mesas dos restaurantes, das vans, para garantir conforto e segurança para todos, como afirma Anselmo Macedo, presidente do Conselho Municipal de Turismo e gerente do Hotel Portal. Anselmo conclui afirmando que o setor precisa reaprender a engatinhar.

Isso é bom para todo mundo. O reinício das atividades reaquece a economia e oferece alternativa inédita para quem deseja o privilégio de desfrutar da riqueza natural que Lençóis e a Chapada Diamantina oferecem com exclusividade, conforto e segurança.


Reginaldo Marinho é jornalista e inventor premiado com medalhas de ouro em salões internacionais de tecnologia de Genebra e Londres. Mora em Lençóis, na Bahia.

 

 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui